Porto Velho (RO) terça-feira, 28 de junho de 2022
×
Gente de Opinião

Montezuma Cruz

Em 1984, cheia, naufrágio, apagão e protesto


  

RONDÔNIA DE ONTEM

  Em 1984, cheia, naufrágio, apagão e protesto - Gente de Opinião


 

MONTEZUMA CRUZ
Editor de Amazônias

O mundo amazônico ocidental parecia desabar sobre Rondônia naquele abril de 1984, quando o secretário de Planejamento do município de Porto Velho, Haroldo Cristóvão Leite, retornava da vila de Mutum-Paraná, a 176 quilômetros da capital, rumo ao Estado do Acre.

Chovera em Rondônia o suficiente para se confirmar uma vez mais os rigores do chamado inverno amazônico, quando o norte brasileiro – e de uns tempos para cá, outras regiões também – ficam literalmente debaixo d’água. Em Mutum-Paraná cerca de trezentas pessoas tiveram suas casas invadidas pelas águas.

O transbordamento do Rio Madeira naquela região trouxe problemas ao município, mas a Legião Brasileira de Assistência (LBA) e a Secretaria de Promoção enviaram medicamentos às famílias flageladas. O chefe da Casa Militar do Governo, major Otávio Pinto de Azeredo, conseguiu o vôo de um avião Hércules C-130 da FAB para transportar 120 toneladas de alimentos, combustíveis e medicamentos. Parte da carga foi levada para Guajará-Mirim, outra vítima das inundações do Rio Guaporé.Em 1984, cheia, naufrágio, apagão e protesto - Gente de Opinião

Naquele mesmo mês de abril as águas turbulentas surpreendiam novamente: um rebocador que levava para Guajará-Mirim trezentas toneladas de arroz, feijão, açúcar, farinha e outros gêneros alimentícios naufragou, depois de bater num tronco de árvore no Rio Mamoré. O transbordamento dos rios Guaporé e Mamoré deixou o município em estado de emergência.

Os alimentos procedentes de Vila Bela da Santíssima Trindade (MT), no Vale do Guaporé, seriam entregues à população que estava privada do abastecimento normal havia um mês, em virtude do isolamento causado pelas chuvas. Sem vítimas a lamentar, o governador Jorge Teixeira comemorou a salvação de uma parte dos alimentos. O rebocador pertencia ao seringalista Juarez Uchoa e foi destruído.

Em dez de maio uma manifestação de duzentas pessoas contra a falta de energia elétrica resultou em prisões, ferimentos, quebra-quebra, tumulto e o fechamento do tráfego na rodovia BR-364, em Ji-Paraná. Não foi um apagão comum, pois demorou duas semanas.

As pessoas saíram do sério. Soldados da Polícia Militar, bombeiros e agentes civis e federais deslocaram-se até a ponte sobre o Rio Machado. Ao todo, cerca de cem policiais entraram em choque com os manifestantes: seis Pms ficaram feridos e cinco pessoas foram internadas com escoriações nos hospitais Santa Mônica e Regional, de Ji-Paraná.

 Em 1984, cheia, naufrágio, apagão e protesto - Gente de Opinião

Apagões se repetiram por mais tempo. “Enquanto não tiver energia elétrica hidrogerada, Rondônia não poderá desenvolver como pretende o seu setor industrial”, proclamava em junho o secretário de Indústria e Comércio, Ciência e Tecnologia, Reginaldo Vieira de Vasconcelos. A ameaça era ainda maior quando se sabia que a hidrelétrica de Samuel, no Rio Jamari, só operaria a partir de 1988, conforme admitia a própria Construtora Norberto Odebrecht.

Naquele período, apenas 30% das obras civis da usina encontravam-se concluídas. Faltavam 40 bilhões de cruzeiros para a retomada do ritmo normal. Apesar desse quadro, o secretário Reginaldo Vasconcelos mostrava-se confiante, ao executar planos visando à instalação do Distrito Industrial de Porto Velho, numa área de 370 hectares, no Km 16 da BR-364, rumo a Ariquemes.

Enfim, 1984 que desafiou Rondônia foi também o ano do movimento político democrático “Diretas Já”, com grande participação popular em todo o País, em apoio à emenda do deputado Dante de Oliveira (PMDB-MT), que restabeleceria as eleições diretas para presidente da República.

Vivíamos o fim do regime militar, sob o tacão do general-presidente João Figueiredo. Passeatas e comícios ocorridos em outras capitais aconteceram também na Praça das Caixas d’Água, em Porto Velho, com a presença de líderes políticos de expressão nacional, entre os quais Ulisses Guimarães, Franco Montoro, Tancredo Neves e Fernando Henrique Cardoso. A atriz Christiani Torloni e a cantora Fafá de Belém fizeram muita gente suspirar além da conta na praça.

 

 Siga montezuma Cruz no

 Gente de Opinião

 
www.twitter.com/MontezumaCruz


 
 


ANTERIORES


No começo da viagem, charque e farinha; em Rondônia, malária

Angelim tenta frear migrantes expulsos pela seca no sul

Propostas renovadas e peões em fuga

Antes do Estado, a escravidão

'Índio bom é índio morto'

Chacinas indígenas marcaram para sempre a Amazônia Ocidental
 

'O coração do migrante é verde'

►O futuro no Guaporé, depois Cone Sul


Coronel é flagrado de madrugada, levando peões para o Aripuanã

 

O gaúcho Minski, rumo a Cerejeiras

► Valdemar cachorro, o 'compadre' dos índios

► Policiais paulistas 'invadem' Rondônia 
    na caça aos ladrões de cassiterita


► TJ manda libertar religiosos e posseiros
     após o conflito  da  Fazenda Cabixi


► A sofrida busca do ouro no Tamborete,
    Vai quem quer  e  Sovaco da Velha


► Aquela que um dia foi Prosperidade


► Energia elétrica a carvão passou raspando

 

► Cacau chega à Alemanha, sob conspiração baiana

► Ministro elogia os 'heróis da saúde'

 

► Naqueles tempos, um vale de lágrimas

 
Publicado semanalmente neste site,
no
RondôniaSim e no Correio Popular.


 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Montezuma Cruz

Presença indígena há 7 mil anos revela uma Rondônia ainda desconhecida

Presença indígena há 7 mil anos revela uma Rondônia ainda desconhecida

Povoada há cerca de seis mil anos, floresta amazônica preservou vestígios dos povos antigos em Rondônia. Produção do SescTV acompanhou o trabalho de p

MEMÓRIA AMAZÔNICA - O repórter Montezuma na terra Kaxarari

MEMÓRIA AMAZÔNICA - O repórter Montezuma na terra Kaxarari

Breve relato de uma andança pela terra indígena Kaxarari entre Rondônia, Acre e Amazonas: em 1980 eu estava na Redação do jornal Porantim em Manaus, e

A grande pedra no caminho dos Suruís

A grande pedra no caminho dos Suruís

Como é que ela foi parar ali? É a primeira pergunta feita pelo visitante, ao encontrar essa pedra enorme numa inclinação do terreno à margem da estrad

Olhe aí, o Canadá de novo

Olhe aí, o Canadá de novo

O anúncio da chegada da empresa Canadá Rare Earth Corporation a Rondônia para explorar terras raras a partir do minério de estanho (cassiterita) trans