Terça-feira, 23 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Montezuma Cruz

Dez anos da Brasiliana, a que inocula em crianças um vírus incurável


Dez anos da Brasiliana, a que inocula em crianças um vírus incurável - Gente de Opinião

Dez anos se passaram desde que a Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin (BBM) da USP inaugurou um sonho e um desafio. O sonho, como bem dizia José Mindlin, seria contagiar crianças, jovens e todos os brasileiros com um vírus incurável. Um vírus que o bibliófilo contraiu aos 12 anos de idade lendo Machado de Assis. E o desafio ficou com os incuráveis professores, pesquisadores e estudantes que se dedicam a preservar e compartilhar o acervo de 32 mil livros raros, que Mindlin dizia ser o “resultado de sua loucura mansa”.

“A BBM é uma biblioteca viva.” Assim o professor Alexandre Macchione Saes, diretor da biblioteca, sintetiza a trajetória da Brasiliana nestes dez anos de atividades. “Buscamos cumprir a meta de José Mindlin ao deixar seu acervo sob a responsabilidade da USP. Procuramos priorizar não só o nosso papel de preservação dessa coleção rara e valiosa, mas cumprir o papel de curadoria do conhecimento acumulado, desenvolvendo projetos que propiciam uma permanente reflexão sobre a memória e a cultura brasileira.”

Para celebrar os dez anos da BBM, a sua história será revisitada em uma programação gratuita que acontece nos próximos dias 16, 17 e 18 de maio, no Auditório István Jancsó, localizado no Espaço Brasiliana, na Cidade Universitária. O Seminário BBM 10 Anos: Uma Biblioteca Viva propõe, em oito mesas temáticas, uma reflexão para avaliar os resultados dos projetos e das parcerias e repensar conjuntamente o papel da Biblioteca Brasiliana na sociedade brasileira contemporânea

A importância da preservação e acesso nos dez anos da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin

Dez anos da Brasiliana, a que inocula em crianças um vírus incurável - Gente de Opinião

BBM Digital: acesso para todos

“A biblioteca digital da BBM (BBM Digital) desempenha um papel crucial na divulgação e preservação do acervo da Brasiliana”, esclarece Rodrigo Moreira Garcia, bibliotecário e coordenador do projeto. “Ela permite que um número maior de pessoas tenha acesso às obras raras e documentos históricos, independentemente de sua localização geográfica. Além disso, a digitalização do acervo preserva as obras originais, protegendo-as contra danos físicos e possibilitando sua conservação a longo prazo.”

Garcia esclarece que a BBM Digital é um conjunto de recursos e ferramentas disponíveis on-line para pesquisa e acesso ao acervo digitalizado. “Através desse serviço, os usuários podem explorar e pesquisar o acervo de forma eficiente. Ele oferece uma plataforma de fácil navegação, permitindo a busca por assunto, autor e data, entre outros, além de navegar por coleções específicas, acessar metadados detalhados e visualizar e realizar o download das obras digitalizadas em alta qualidade.”

Garcia ressalta que, embora a BBM não desenvolva um projeto específico para o público infantojuvenil, a BBM Digital pode servir como uma ferramenta para que as escolas implementem programas ou iniciativas educacionais destinados a envolver crianças e jovens na descoberta do patrimônio cultural, histórico e de memória. “Esses projetos podem incluir atividades interativas, jogos, narrativas digitais e recursos pedagógicos adaptados para o público infantil, incentivando o interesse pela leitura, pela cultura e pela história.”

Segundo Garcia, que é mestre em Ciência da Informação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp), transmitir a imagem e a percepção de um livro raro e histórico em um sistema digital é desafiador, mas algumas estratégias podem ajudar nesse processo. “Primeiro, é importante garantir que a digitalização seja feita com alta qualidade, capturando detalhes visuais e textuais importantes. A BBM Digital está em consonância com as diretrizes da Federação Internacional de Associações e Instituições Bibliotecárias (Ifla, na sigla em inglês) para o planejamento e digitalização de livros raros e coleções especiais, além de procurar garantir a preservação digital dos arquivos gerados.”

Garcia esclarece: “A BBM procura também enriquecer a experiência do usuário fornecendo informações contextuais sobre a obra, como seu contexto histórico, autor, período de publicação e curiosidades relacionadas. A BBM procura fazer isso através de seu blog https://blog.bbm.usp.br/ e suas postagens compartilhadas nas redes sociais. Inclusive  alguns recursos adicionais são produzidos e  disponibilizados, como imagens complementares, vídeos explicativos e depoimentos de especialistas em seu canal no Youtube, para oferecer uma visão mais abrangente e enriquecedora”. Tais recursos procuram promover a interação com o público leitor, ajudando a criar uma comunidade em torno da BBM e de sua biblioteca digital, onde os leitores possam discutir, compartilhar suas percepções e se envolver com o acervo de forma mais participativa.

O Seminário BBM 10 Anos: Uma Biblioteca Viva acontece nos dias 16 (das 14 às 21 horas), 17 (das 10 às 18 horas) e 18 (das 14 às 22 horas) de maio, na Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin (BBM) da USP (Rua da Biblioteca, 21, Cidade Universitária, em São Paulo). Grátis. Inscrições podem ser feitas através deste link. A programação completa do evento está disponível no site da BBM. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (11) 2648-0840.

_____________

Tive a felicidade de conhecer a biblioteca de José Mindlin, que também leva o nome da sua esposa, Guita, em sua casa, em São Paulo. Tive acesso às estantes, pude retirar os livros que queria e dispor de certo tempo para ler alguns. Também visitei a biblioteca quando ela já estava instalada no campus da Universidade de São Paulo, ao lado do Instituto de Estudos Brasileiros, no qual, muitos anos antes, fiz várias pesquisas, a mais extensa delas sobre Guimarães Rosa.

Visitar as duas instituições é um dos melhores programas que se pode fazer em São Paulo. Tanto pelo acervo de obras como pelo ambiente que o IEB e a BBM criam, pela sua própria existência, em um país no qual não se dispõe das alternativas necessárias para a formação cultural da sociedade. Para os amantes dos livros, é preciso dispor de alguns dias para aproveitar melhor esse patrimônio.

Dez anos da Brasiliana, a que inocula em crianças um vírus incurável - Gente de Opinião

O vice-diretor da BBM, professor Hélio de Seixas Guimarães, vê a biblioteca como uma jovem instituição que já conquistou um lugar importante na Universidade e fora dela. “Com um projeto vigoroso de digitalização de seu acervo, com sua abertura a pesquisadores de várias áreas de conhecimento por meio de editais de pesquisa e com a criação de protocolos internos de conservação, digitalização e divulgação dos materiais que estão sob sua guarda, a BBM pode servir de referência a outras instituições”, destaca. “É também um centro de reflexão sobre a cultura do livro e os novos sentidos e papéis que uma biblioteca de obras especiais sobre o Brasil pode assumir nos debates sobre o País.”

“É um momento de analisar a trajetória percorrida até agora e de formulação de propostas para o futuro da BBM como uma biblioteca de obras especiais que quer participar cada vez mais ativamente do ambiente universitário e da vida pública, incentivando a produção e a difusão de conhecimento”, enfatiza Guimarães. “Os convidados para participar do seminário são pessoas de referência nas várias atividades que uma biblioteca como a BBM envolve: colecionismo e bibliofilia, preservação e conservação, digitalização, difusão de conhecimento, pesquisa e estudos brasileiros.”

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Gente de OpiniãoTerça-feira, 23 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Do “cemitério de processos” à fedentina forense, advogados penavam

Do “cemitério de processos” à fedentina forense, advogados penavam

Muito antes das modernas sedes do Fórum Criminal de Porto Velho e do Tribunal de Justiça de Rondônia, a história da rotina de atendimento no antigo

Aplicativo revelará conduta afetiva em casos psicológicos ou de violência

Aplicativo revelará conduta afetiva em casos psicológicos ou de violência

Um aplicativo de fácil acesso popular para o registro de antecedentes de conduta afetiva, em casos de violência de natureza física ou psicológica fo

Processos sumiam com facilidade no Fórum da Capital

Processos sumiam com facilidade no Fórum da Capital

Numa caótica organização judiciária, apenas duas Comarcas funcionavam em meados dos anos 1970. A Comarca de Porto Velho começava no Abunã e terminav

Filhos lembram de Salma Roumiê, primeira advogada e fundadora da OAB

Filhos lembram de Salma Roumiê, primeira advogada e fundadora da OAB

A exemplo de outras corajosas juízas e promotoras de justiça aqui estabelecidas entre 1960 e 1970, a paraense Salma Latif Resek Roumiê foi a primeir

Gente de Opinião Terça-feira, 23 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)