Segunda-feira, 15 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Montezuma Cruz

Dependência: quem pagou e quanto somou a conta aos ingleses?


O ministro José Bonifácio denuncia a D. Pedro a ameaça de "recolonização" do Brasil (imagem: Documentos para a História das Cortes Gerais da Nação Portuguesa/Biblioteca do Senado) - Gente de Opinião
O ministro José Bonifácio denuncia a D. Pedro a ameaça de "recolonização" do Brasil (imagem: Documentos para a História das Cortes Gerais da Nação Portuguesa/Biblioteca do Senado)

“Devo, não nego, pago quando puder?”.  Pagou mesmo? O jornalista Ricardo Westin (Agência Senado) deve ter dormido na Biblioteca Luiz Viana Filho para apurar tantos detalhes que poucas escolas contaram até hoje a seus alunos: o custo da Independência, por exemplo.

 

Li e reli o que ele trouxe de luz sobre o bicentenário da Independência. De cara, ele demonstra a consequência do ato: “O Brasil se declarou independente em 1822. O acordo de reconhecimento da Independência só foi assinado por Portugal três anos mais tarde, intermediado pela Grã-Bretanha. Pelo acordo, os brasileiros ficaram obrigados a pagar uma indenização milionária aos portugueses.”

 

Embora não se mencionem exatamente os valores (a conta portuguesa com a Grã-Bretanha) e o quanto o Brasil tomou do bilionário empréstimo), vamos aos fatos que Westin encontrou na farta documentação à qual você, leitor, também tem acesso, na Biblioteca do Senado Federal.

“Portugal tinha dívidas altíssimas com bancos britânicos. O risco de calote era real, já que os portugueses haviam ficado mais pobres por terem perdido na América do Sul as terras mais produtivas de seu reino. O que a Grã-Bretanha fez foi aproveitar a hegemonia no cenário internacional para salvaguardar seus interesses em duas frentes. Em uma frente, os britânicos garantiram que Portugal contasse com o dinheiro necessário para honrar as dívidas com os bancos de Londres. Na outra, agiram para que o Brasil tomasse emprestadas dos mesmos bancos as libras esterlinas necessárias ao pagamento da indenização.”

Westin cita o  historiador João Paulo Pimenta, professor da Universidade de São Paulo (USP) e autor do livro Independência do Brasil (Editora Contexto):

— As relações internacionais têm assimetrias e hierarquias. O Brasil independente não entrou nesse sistema como protagonista. Entrou, como era natural, numa posição secundária, subordinado à Grã-Bretanha, que era a grande potência política e econômica da época. 

Uma vez independente, o Brasil logo se encaixou no nascente capitalismo mundial como fornecedor de café para a Europa e os Estados Unidos e assim permaneceu até meados do século 20.

No clássico livro Dependência e Desenvolvimento na América Latina (Zahar Editores), de 1970, o sociólogo e ex-presidente Fernando Henrique Cardoso atribui o prolongado predomínio dos produtos primários de exportação, entre outros motivos, à sabotagem dos latifundiários latino-americanos contra a indústria, temerosos de que ela lhes diminuísse o poder político, econômico e social.

Westin, em sua reportagem: “Embora os contextos históricos sejam diferentes, existem semelhanças entre ontem e hoje. Tal qual há 200 anos, o Brasil atual baseia sua economia em matérias-primas e chega fraco às mesas de negociação, dificilmente conseguindo acordos vantajosos para os interesses nacionais.”

Ele cita o economista Paulo Kliass, gestor federal especialista em políticas públicas, compara a situação brasileira com a de países fortes no comércio global:

— Os Estados Unidos se dizem os guardiões mundiais do liberalismo econômico, mas se tornam extremamente protecionistas sempre que é necessário. O Brasil nunca vai conseguir vender milho ou suco de laranja para os americanos porque eles protegem seus produtores. A mesma coisa vale para a Europa, que também adota medidas bastante duras de proteção da agricultura local. O Brasil perde muito por não ter força de negociação e não conseguir entrar nesses mercados.

Vários outros exemplos podem ser citados. Em 2006, a Embraer sofreu um de seus maiores reveses. O governo dos Estados Unidos proibiu a empresa brasileira de entregar aviões militares à Venezuela porque os caças encomendados tinham peças americanas. Sem força para prevalecer, o governo do Brasil teve que convencer a Embraer a desistir do negócio.”

Deputados reunidos na Cadeia Velha, no Rio: sede da Assembleia Constituinte (imagem: Notices of Brazil in 1828 and 1829/Biblioteca do Senado) - Gente de Opinião
Deputados reunidos na Cadeia Velha, no Rio: sede da Assembleia Constituinte (imagem: Notices of Brazil in 1828 and 1829/Biblioteca do Senado)

ENTREGA

“A China só importa do Brasil a soja em grão. O país asiático não aceita a soja transformada em óleo. Isso é prejudicial aos interesses econômicos brasileiros porque a soja processada tem muito mais valor agregado do que a soja in natura, isto é, custa mais no mercado e gera mais lucro para os empresários, mais trabalho e renda para a população e mais impostos para o Estado.”

— O problema do Brasil é que as elites acabam incorporando com muita força aquele espírito de vira-lata. Para lucrar alguma coisa, entregam de bom grado o nosso mercado às nações desenvolvidas e atendem aos interesses delas em detrimento dos nossos interesses coletivos — avalia Kliass.

Na mesma Agência 
Agência Senado: “Rubens Ricupero estava lotado como diplomata em Washington quando os Estados Unidos celebraram os 200 anos da Independência, em 1976. Ele lembra que os eventos comemorativos, tanto os do governo quanto os da sociedade, se espalharam pelo país inteiro e puderam ser contados aos milhares.”

Neste momento, o Brasil está às vésperas do bicentenário da separação de Portugal, mas Ricupero vê aqui um estado de ânimo bem diferente daquele dos americanos.

— O que eu vejo é uma imensa apatia, como se este aniversário não tivesse relação conosco, não dissesse respeito à nação. Há um vazio — afirma ele, que também é historiador, autor do livro A Diplomacia na Construção do Brasil, titular da Cátedra José Bonifácio, da Universidade de São Paulo (USP), e ex-ministro do Meio Ambiente (1993-1994) e da Fazenda (1994).

O historiador avalia que o aniversário da Independência seria a oportunidade perfeita para a sociedade brasileira fazer um balanço destes 200 anos e, a partir dele, corrigir os rumos para o futuro. Essa oportunidade, no entanto, está sendo perdida. Ele acrescenta:

— O povo não é indiferente. Quem é indiferente à história nacional é o governo, que não sabe ou não quer mobilizá-la em favor de uma reflexão sobre o país.

 

A HISTÓRIA PARA BAIXO DO TAPETE

 

Documento publicado pela Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom) da Presidência da República revela que a “execução dos serviços de produção, impressão, instalação, manutenção e retirada das empenas” para o festejo do bicentenário custou R$ 405.430,20.

Tatiana Dias, editora do Intercept Brasil lembra que o valor das empenas faz parte de uma campanha muito maior, que ultrapassou a exaltação à data histórica e virou plano de comunicação do próprio governo Bolsonaro, cheio de autoelogios, em pleno ano eleitoral.

Por aí se vê a perda de importância do bicentenário e a valorização do esperneio terrível que o presidente faz para se reeleger.


Volta Tatiana: “O documento da Secom com as diretrizes é um primor. A secretaria determinou duas visões na estratégia de comunicação: a histórica e a atual. “Ou seja, à luz de valores e feitos históricos falaremos de nossa Independência como um todo, desde seus eventos fáticos do século XIX até a reafirmação dessa Independência na atuação do Governo Federal na atualidade”, escreveu a secretaria. "Falaremos, portanto, de independência, soberania, liberdade, trabalho, união, alegria, vida, família, Brasil”.


Família?  Tempo impróprio para se falar em família, hem brother? 
 digo eu de novo.

 

Tatiana: “Olhemos, primeiro, para o passado. A comemoração do bicentenário se baseia, principalmente, na visão romântica de Dom Pedro I às margens do Ipiranga, empunhando sua espada para o alto, gritando "independência ou morte”. Nenhuma palavra sobre o fato de a independência não ter sido decidida por Dom Pedro I – mas, sim, por sua mulher, Maria Leopoldina. Muito menos sobre como o pacto pela independência foi construído pelas elites escravocratas em troca da manutenção do tráfico de pessoas escravizadas – mas, eu sei, seria esperar demais do governo Bolsonaro qualquer reflexão nesse sentido.”
____


NOTA


Na 1ª série C do meu curso ginasial em Bernardino de Campos (SP), o professor de História Luiz Carlos Simione caminhava pela sala e ao contar a história da Independência, repetia: "Pedro, liberta este povo!". Falava de Maria Leopoldina, de José Bonifácio e da Maçonaria. De onde tirava essas palavras? Dos escaninhos da História". Historiadores verdadeiros não sonham, estudam, verificam e contam os fatos. Resgatá-los é dever de cada um.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Gente de OpiniãoSegunda-feira, 15 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Processos sumiam com facilidade no Fórum da Capital

Processos sumiam com facilidade no Fórum da Capital

Numa caótica organização judiciária, apenas duas Comarcas funcionavam em meados dos anos 1970. A Comarca de Porto Velho começava no Abunã e terminav

Filhos lembram de Salma Roumiê, primeira advogada e fundadora da OAB

Filhos lembram de Salma Roumiê, primeira advogada e fundadora da OAB

A exemplo de outras corajosas juízas e promotoras de justiça aqui estabelecidas entre 1960 e 1970, a paraense Salma Latif Resek Roumiê foi a primeir

Advogados de Rondônia lutaram pela restauração do habeas corpus, Anistia e Assembleia Nacional Constituinte

Advogados de Rondônia lutaram pela restauração do habeas corpus, Anistia e Assembleia Nacional Constituinte

Advogados do Estado de Rondônia se ombrearam à luta da OAB nacional pelo estabelecimento do Habeas Corpus, Assembleia Nacional Constituinte, volta d

Juscelino Amaral louva o valor de ex-presidentes e estimula narração da história dos próximos 50 anos

Juscelino Amaral louva o valor de ex-presidentes e estimula narração da história dos próximos 50 anos

Dos 50 anos da Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil em Rondônia, o advogado Juscelino Amaral ali trabalhou 15 anos. Casado, 62 anos, pai de qu

Gente de Opinião Segunda-feira, 15 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)