Terça-feira, 23 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Montezuma Cruz

"Choverá" dinheiro no Fundo Amazônia; e o cadastro ambiental rural?


"Choverá" dinheiro no Fundo Amazônia; e o cadastro ambiental rural? - Gente de Opinião

Alvíssaras! O presidente dos Estados Unidos Biden anunciou que tem intenção de investir no Fundo Amazônia dez vezes mais do que havia oferecido no início do ano, quando o presidente Luiz Inácio Lula da Silva visitou aquele país. Falta apenas o Congresso aprovar. O presidente tem maioria no Senado, mas não na Câmara.

Enquanto leio essa informação dada pelo portal The News, lembro-me que Rondônia depende do apoio do KfW Development Bank, instituição alemã de desenvolvimento, para dar seguimento ao cadastro ambiental rural instituído pela Lei nº 12.651/2012 no âmbito do  Sistema Nacional de Informação sobre Meio Ambiente. Ele é o registro eletrônico, obrigatório para todos os imóveis rurais do País.

 

No momento, o bigoverno [2018-2026] respira tão somente a maior feira de negócios do agro e da agricultura familiar da região norte brasileira. Esqueceu até o papagaio do Tchau Poeira. E ai daquele que se lembrar do debate amazônico tão essencial quando, felizmente, voltamos a falart dos Objetivos do Milênio.

De olho no noticiário ambiental aqui e no mundo, analistas da Sedam sabem que as intenções do presidente norte-americano implícitas no anúncio deste fim de semana busca zerar o desmatamento até 2030.

Segundo noticiou The News,  os EUA também pretendem destinar R$1 bilhão a um fundo da Organização das Nações Unidas [ONU] que ajuda países vulneráveis com os efeitos das mudanças climáticas. "Além disso, querem investir em uma iniciativa que vai restaurar 300 mil hectares no Brasil e em outros países."

O Fundo Amazônia foi criado há 15 anos para receber doações voluntárias destinadas ao combate do desmatamento e do efeito estufa, além da preservação da Amazônia Legal. Passam de cem os projetos apoiados com aproximadamente 1.700 missões de fiscalização ambiental e mais de duzentas mil pessoas beneficiadas com produção sustentável.

O mecanismo estava paralisado desde 2019, mas, depois da eleição de Lula, os principais doadores anunciaram novos aportes. Só a Alemanha vai aportar quase R$ 200 bilhões. Hoje, o caixa do fundo soma cerca de R$ 3 bilhões.

Nesse embalo, o cadastro ambiental rural, conhecido por CAR, pode navegar em altas águas novamente.

No ano passado, durante a RR Show, em Ji-Paraná, o ex-secretário adjunto da Sedam, coronel Demargli Farias, mobilizou técnicos ambientais e agropecuários para explicá-lo em detalhes.

Antes da pandemia da covid-19, o CAR alcançava mais de 120,5 mil cadastros, pelos quais as propriedades rurais são regularizadas e os produtores podem aderir ao Programa de Regularização Ambiental, obtendo o direito de acesso rápido ao crédito rural, extinção de multas, e credenciamento para comercialização da produção.

O coordenador de Monitoramento e Regularização Ambiental Rural, Geovani Marx Rosa, estimava que ainda faltavam aproximadamente seis mil propriedades a serem cadastradas.

Nunca foi fácil o governo estadual dar conta do CAR sozinho, dispondo dos recursos de seu caixa ambiental. Algo mesmo impossível desde as gestões anteriores. Por isso, o dinheiro do banco alemão sempre foi bem-vindo, disse-me categoricamente o coronel Demargli Farias muito antes de deixar o cargo.

Falta mesmo a Sedam informar a quantas anda a renovação do financiamento do KfW e se por ventura o programa será concluído até 2024.

As informações mais impactantes divulgadas até hoje pela Sedam revelam:

● Análises de 1.615 imóveis rurais estavam em evolução até a pandemia. Dez municípios possuíam 36% dos cadastros carentes de análise, embora estivessem livres de imóveis sobrepostos. Ao todo, 48 imóveis possuem mais de 20 sobreposições, inteirando 1.349.

● A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Rondônia (Emater) pleiteava em Brasília R$ 64 milhões ao Fundo Amazônia do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O governo não informou se esse dinheiro chegou ao estado.

● Buscavam-se parcerias qualitativas para o êxito do trabalho até aqui realizado, entre elas o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e a Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetagri). Nada claro, também.

● Entre as pendências do programa, três são prioritárias: 1) sobreposição de imóveis; 2) análises do CAR; e 3) sistema (instabilidade e customização). A sobreposição é pequena, 10%, porém, conflitos fundiários existem e se constata que o estado tem ainda alto déficit de regularização fundiária.

● A inscrição do CAR é o primeiro passo para obtenção da regularidade ambiental do imóvel.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Gente de OpiniãoTerça-feira, 23 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Do “cemitério de processos” à fedentina forense, advogados penavam

Do “cemitério de processos” à fedentina forense, advogados penavam

Muito antes das modernas sedes do Fórum Criminal de Porto Velho e do Tribunal de Justiça de Rondônia, a história da rotina de atendimento no antigo

Aplicativo revelará conduta afetiva em casos psicológicos ou de violência

Aplicativo revelará conduta afetiva em casos psicológicos ou de violência

Um aplicativo de fácil acesso popular para o registro de antecedentes de conduta afetiva, em casos de violência de natureza física ou psicológica fo

Processos sumiam com facilidade no Fórum da Capital

Processos sumiam com facilidade no Fórum da Capital

Numa caótica organização judiciária, apenas duas Comarcas funcionavam em meados dos anos 1970. A Comarca de Porto Velho começava no Abunã e terminav

Filhos lembram de Salma Roumiê, primeira advogada e fundadora da OAB

Filhos lembram de Salma Roumiê, primeira advogada e fundadora da OAB

A exemplo de outras corajosas juízas e promotoras de justiça aqui estabelecidas entre 1960 e 1970, a paraense Salma Latif Resek Roumiê foi a primeir

Gente de Opinião Terça-feira, 23 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)