Porto Velho (RO) quarta-feira, 29 de junho de 2022
×
Gente de Opinião

Montezuma Cruz

Angelim tenta frear migrantes expulsos pela seca no sul


 

RONDÔNIA DE ONTEM Angelim tenta frear migrantes  expulsos pela seca no sul - Gente de Opinião

 

MONTEZUMA CRUZ
Editor de Amazônias

 “Estado de clima hostil, cercado pela selva amazônica, que nos relega ao isolamento econômico e cultural” – dizia a peça publicitária. Quatro anos depois de abrir as porteiras, o governo estadual advertia que Rondônia renunciava ao sonho do povoamento acelerado, pretendendo erguer um dique ao fluxo migratório – o maior em dez anos (1976-1986).

Houve mudanças entre o governo militar e o civil. Para o governador-tampão Ângelo Angelim (PMDB) tornava-se insuportável receber famílias do sul com a dignidade merecida. Em parte estava certo, mas a seca no sul do País causaria a expulsão de muita gente em 1986, aumentando a população de Rondônia para mais de um milhão de pessoas – duas vezes e meia o total de 1980.

“Não temos mais condições de acolher tanta gente. Nenhum estado brasileiro ou país estrangeiro, mesmo os mais desenvolvidos, absorveria 20% de aumento populacional por ano” – discursava o professor Angelim.Angelim tenta frear migrantes  expulsos pela seca no sul - Gente de Opinião

De fato, a ocupação rondoniense não tinha precedentes na história. Até São Paulo, em seu período de maior crescimento (meados do século XX) levou 20 anos para duplicar sua população. O secretário de segurança Solon Michalski admitia a perda de controle das estatísticas no centro de triagem, ao tempo em que apontava a entrada de migrantes por “estradas clandestinas”, em lanchas, canoas e de avião, na fronteira Brasil-Bolívia.

Angelim mandou mapear a origem da “invasão”. Famílias procedentes de 50 núcleos principais de êxodo (nove no Paraná), com viagens pagas pelas prefeituras, viajando em ônibus e carretas cobertas de lona, desembarcavam em Cacoal, Pimenta Bueno e Rolim de Moura – três vértices da “terra prometida”. Iporã, noroeste paranaense, mandava de uma só vez 108 bóias-frias (trabalhadores rurais volantes) excedentes das frentes de trabalho criadas para mitigar os efeitos da seca.

Em Rolim de Moura, maior centro exportador de mogno do País (vendia para Alemanha e Inglaterra), morria a esperança de emprego dos lavradores sem terra: a economia municipal não tinha trabalho a oferecer aos seres humanos que transitavam diariamente por suas ruas lamacentas. “Primeiro foi a usina hidrelétrica de Itaipu, agora esses retirantes da seca. O jeito vai ser abrigar todo mundo na casa de amigos ou esperar o Incra”, justificava-se o primeiro prefeito do município, Valdir Raupp. Solidário, ele fez o que pôde, com o apoio de comerciantes, madeireiros e da Igreja.

Qual era o argumento usado em outros estados para convencer migrantes a se instalarem no mais jovem estado brasileiro? Os mesmos do período de Teixeirão: fartura de terras.

Quarenta mil pessoas já haviam feito inscrições para obter um lote cada. O plano de reforma agrária federal previa apenas a fixação de mil famílias naquele ano. Foi uma grande frustração.
 

Siga Montezuma Cruz noGente de Opinião

 
www.twitter.com/MontezumaCruz
 
 


ANTERIORES


Propostas renovadas e peões em fuga

Antes do Estado, a escravidão

'Índio bom é índio morto'

Chacinas indígenas marcaram para sempre a Amazônia Ocidental
 

'O coração do migrante é verde'

►O futuro no Guaporé, depois Cone Sul


Coronel é flagrado de madrugada, levando peões para o Aripuanã

 

O gaúcho Minski, rumo a Cerejeiras

► Valdemar cachorro, o 'compadre' dos índios

► Policiais paulistas 'invadem' Rondônia 
    na caça aos ladrões de cassiterita


► TJ manda libertar religiosos e posseiros
     após o conflito  da  Fazenda Cabixi


► A sofrida busca do ouro no Tamborete,
    Vai quem quer  e  Sovaco da Velha


► Aquela que um dia foi Prosperidade


► Energia elétrica a carvão passou raspando

 

► Cacau chega à Alemanha, sob conspiração baiana

► Ministro elogia os 'heróis da saúde'

 

► Naqueles tempos, um vale de lágrimas

 
Publicado semanalmente neste site,
no
RondôniaSim e no Correio Popular.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Montezuma Cruz

Presença indígena há 7 mil anos revela uma Rondônia ainda desconhecida

Presença indígena há 7 mil anos revela uma Rondônia ainda desconhecida

Povoada há cerca de seis mil anos, floresta amazônica preservou vestígios dos povos antigos em Rondônia. Produção do SescTV acompanhou o trabalho de p

MEMÓRIA AMAZÔNICA - O repórter Montezuma na terra Kaxarari

MEMÓRIA AMAZÔNICA - O repórter Montezuma na terra Kaxarari

Breve relato de uma andança pela terra indígena Kaxarari entre Rondônia, Acre e Amazonas: em 1980 eu estava na Redação do jornal Porantim em Manaus, e

A grande pedra no caminho dos Suruís

A grande pedra no caminho dos Suruís

Como é que ela foi parar ali? É a primeira pergunta feita pelo visitante, ao encontrar essa pedra enorme numa inclinação do terreno à margem da estrad

Olhe aí, o Canadá de novo

Olhe aí, o Canadá de novo

O anúncio da chegada da empresa Canadá Rare Earth Corporation a Rondônia para explorar terras raras a partir do minério de estanho (cassiterita) trans