Porto Velho (RO) segunda-feira, 23 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Montezuma Cruz

Angelim tenta frear migrantes expulsos pela seca no sul


 

RONDÔNIA DE ONTEM Angelim tenta frear migrantes  expulsos pela seca no sul - Gente de Opinião

 

MONTEZUMA CRUZ
Editor de Amazônias

 “Estado de clima hostil, cercado pela selva amazônica, que nos relega ao isolamento econômico e cultural” – dizia a peça publicitária. Quatro anos depois de abrir as porteiras, o governo estadual advertia que Rondônia renunciava ao sonho do povoamento acelerado, pretendendo erguer um dique ao fluxo migratório – o maior em dez anos (1976-1986).

Houve mudanças entre o governo militar e o civil. Para o governador-tampão Ângelo Angelim (PMDB) tornava-se insuportável receber famílias do sul com a dignidade merecida. Em parte estava certo, mas a seca no sul do País causaria a expulsão de muita gente em 1986, aumentando a população de Rondônia para mais de um milhão de pessoas – duas vezes e meia o total de 1980.

“Não temos mais condições de acolher tanta gente. Nenhum estado brasileiro ou país estrangeiro, mesmo os mais desenvolvidos, absorveria 20% de aumento populacional por ano” – discursava o professor Angelim.Angelim tenta frear migrantes  expulsos pela seca no sul - Gente de Opinião

De fato, a ocupação rondoniense não tinha precedentes na história. Até São Paulo, em seu período de maior crescimento (meados do século XX) levou 20 anos para duplicar sua população. O secretário de segurança Solon Michalski admitia a perda de controle das estatísticas no centro de triagem, ao tempo em que apontava a entrada de migrantes por “estradas clandestinas”, em lanchas, canoas e de avião, na fronteira Brasil-Bolívia.

Angelim mandou mapear a origem da “invasão”. Famílias procedentes de 50 núcleos principais de êxodo (nove no Paraná), com viagens pagas pelas prefeituras, viajando em ônibus e carretas cobertas de lona, desembarcavam em Cacoal, Pimenta Bueno e Rolim de Moura – três vértices da “terra prometida”. Iporã, noroeste paranaense, mandava de uma só vez 108 bóias-frias (trabalhadores rurais volantes) excedentes das frentes de trabalho criadas para mitigar os efeitos da seca.

Em Rolim de Moura, maior centro exportador de mogno do País (vendia para Alemanha e Inglaterra), morria a esperança de emprego dos lavradores sem terra: a economia municipal não tinha trabalho a oferecer aos seres humanos que transitavam diariamente por suas ruas lamacentas. “Primeiro foi a usina hidrelétrica de Itaipu, agora esses retirantes da seca. O jeito vai ser abrigar todo mundo na casa de amigos ou esperar o Incra”, justificava-se o primeiro prefeito do município, Valdir Raupp. Solidário, ele fez o que pôde, com o apoio de comerciantes, madeireiros e da Igreja.

Qual era o argumento usado em outros estados para convencer migrantes a se instalarem no mais jovem estado brasileiro? Os mesmos do período de Teixeirão: fartura de terras.

Quarenta mil pessoas já haviam feito inscrições para obter um lote cada. O plano de reforma agrária federal previa apenas a fixação de mil famílias naquele ano. Foi uma grande frustração.
 

Siga Montezuma Cruz noGente de Opinião

 
www.twitter.com/MontezumaCruz
 
 


ANTERIORES


Propostas renovadas e peões em fuga

Antes do Estado, a escravidão

'Índio bom é índio morto'

Chacinas indígenas marcaram para sempre a Amazônia Ocidental
 

'O coração do migrante é verde'

►O futuro no Guaporé, depois Cone Sul


Coronel é flagrado de madrugada, levando peões para o Aripuanã

 

O gaúcho Minski, rumo a Cerejeiras

► Valdemar cachorro, o 'compadre' dos índios

► Policiais paulistas 'invadem' Rondônia 
    na caça aos ladrões de cassiterita


► TJ manda libertar religiosos e posseiros
     após o conflito  da  Fazenda Cabixi


► A sofrida busca do ouro no Tamborete,
    Vai quem quer  e  Sovaco da Velha


► Aquela que um dia foi Prosperidade


► Energia elétrica a carvão passou raspando

 

► Cacau chega à Alemanha, sob conspiração baiana

► Ministro elogia os 'heróis da saúde'

 

► Naqueles tempos, um vale de lágrimas

 
Publicado semanalmente neste site,
no
RondôniaSim e no Correio Popular.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Montezuma Cruz

Rondônia entra com tudo no desenvolvimento do turismo

Rondônia entra com tudo no desenvolvimento do turismo

Com investimentos financeiros e tecnológicos, a Superintendência Estadual de Turismo de Rondônia (Setur) deu início esta semana ao Pacto do Desenvolvi

Lá se vai Odacir, mito rondoniense

Lá se vai Odacir, mito rondoniense

“Preciso falar com você!” – era uma de suas frases costumeiras

Caso de interdição

Caso de interdição

Enquanto dirigia seus absurdos para o mercado interno, Bolsonaro ia levando. Ao disparar contra alvos espalhados pelo mundo, exibe sua estatura lilip

E Bolsonaro perde o bonde chinês

E Bolsonaro perde o bonde chinês

Teve que desistir da reunião para não perder a hora de decolar