Terça-feira, 23 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Montezuma Cruz

4 milhões sem banheiro, lixo para todo lado; e o asfalto ainda ganha do saneamento


A esperança é o PAC, que prevê agora investimentos de R$ 52 bilhões no setor (Foto Observatório do Clima) - Gente de Opinião
A esperança é o PAC, que prevê agora investimentos de R$ 52 bilhões no setor (Foto Observatório do Clima)
Pergunte-se a diversos prefeitos dos estados do Acre ou de Rondônia se rejeitam 50 mil metros cúbicos de asfalto. Eles querem o benefício “para ontem”, porque são incontáveis as reclamações contra a buraqueira em diversas cidades. No entanto, peça-lhes que sejam mais enérgicos com a bancada federal de seu estado, exigindo a garantia/obtenção investimentos para saneamento básico, tanto quanto fazem festa com os programas de asfaltamento. O Norte, ao que parece, acostumou-se com a fedentina dos canais e a falta de higiene nos lares mais pobres.

O Brasil é dono da mais baixa cobertura de esgoto e resíduos sólidos – pouco mais de 50%; mantém mais de 1,5 mil lixões a céu aberto e mais de 4 milhões de pessoas não possuem acesso a banheiros. Sim, a um simples banheiro.
Comissão de Meio Ambiente conheceu, quarta-feira, o relatório a respeito da crise sanitária brasileira, notadamente a de estados amazônicos (Foto: Lula Marques, Agência Brasil) - Gente de Opinião
Comissão de Meio Ambiente conheceu, quarta-feira, o relatório a respeito da crise sanitária brasileira, notadamente a de estados amazônicos (Foto: Lula Marques, Agência Brasil)
Os retratos periféricos são por demais conhecidos e nesta quarta-feira (21 de fevereiro) foram uma vez mais escorraçados na sala da Comissão de Meio Ambiente do Senado Federal durante a aprovação do relatório sobre Política Nacional de Saneamento Básico (Lei 11.445, de 2007).

A lei ameaça prefeitos e governadores: até 31 de dezembro de 2025 será bloqueado o acesso aos recursos públicos oferecidos para o saneamento básico. Já vimos esse filme antes. Gestores escutam – aprenderão? – uma vez mais que se não cumprirem as regras, inviabilizarão todos os serviços, pois estarão inadimplentes.

O relator da nova política é um senador do norte brasileiro: Confúcio Moura (MDB-RO).

Nas 20 melhores cidades em saneamento básico no País, o investimento médio anual em saneamento básico entre 2016 e 2020 foi de R$ 135,24 por habitante, enquanto nas 20 piores foi de apenas R$ 48,90. Em Macapá, última cidade do ranking, o investimento foi de apenas R$ 11,25 per capita.
Três anos depois da publicação do novo marco regulatório do saneamento básico (Lei 14.026, de 2020), 1.106 municípios ainda não concluíram seus processos.

O Ministério das Cidades informa que 57% dos municípios já incluídos em algum tipo de regionalização pelas leis estaduais ainda não implementaram, de fato, os serviços; e aproximadamente 25% dos 4.463 municípios já regionalizados ainda não possuem a comprovação da capacidade econômico-financeira da prestadora dos serviços de saneamento básico.

Insistindo no mesmo assunto de há 30 anos e colocando na mesa do debate a alardeada “universalização”, a Comissão foi fundo nas entranhas dessa realidade. Dados apurados pelo relator apontam desigualdades gritantes depois de três anos da vigência do Marco Regulatório do Saneamento Básico.

Segundo Moura, apesar de o País ter ultrapassado o atendimento de mais de 84% da população em abastecimento de água, isso só se tornou possível após o avanço em municípios das Regiões Sul e Sudeste, o que elevou os índices gerais. Já as regiões Centro-Oeste, Sul e Sudeste alcançam níveis de cobertura de aproximadamente 90% ou acima; enquanto isso, a Região Norte não passa dos 60%, e a Nordeste, 74,7%.

O que mais inquietou o relator – que já foi prefeito, deputado federal e governador de Rondônia – é o aumento da desigualdade social em relação ao esgotamento sanitário, cujo índice aproximado de atendimento total de esgoto é de pouco mais de 50%: 82% no Sudeste e 62% no Centro-Oeste. Enquanto o Sul possui 48%, o Nordeste 30% e o Norte, 14%.

“Não é razoável, aceitável ou concebível que o Amapá e Rondônia mantenham índices de esgotamento sanitário que não ultrapassam 20% da população local atendida”, queixou-se o senador.
“A realidade de Norte e Nordeste, com índices de saneamento consideravelmente mais baixos do que os das demais macrorregiões, também não pode ser negligenciada”, desabafou.

Entre as principais defesas apresentadas por especialistas e gestores públicos, destacam-se a regionalização dos serviços, o aumento dos investimentos e a segurança regulatória, para que haja de fato um avanço.

A grande rede custa R$ 890 bilhões

O relatório aponta: para ser alcançada a universalização exigirá investimentos acima de R$ 890 bilhões. É o dinheiro que pagará a expansão da rede e a recuperação do que já existe. “Com isso, a capacidade de impacto positivo do saneamento no PIB seria de quase R$ 2 trilhões e R$ 1,4 trilhão em arrecadação”, considera o relator.

Até o momento, conforme dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento, dos 26 estados e do Distrito Federal, 20 já avançam na regionalização formal dos serviços de saneamento básico (cerca de 80% do total de municípios).

Enfim, o relatório recomenda como prioridades a ampliação da capacidade de execução de obras, a segurança jurídica e a diversificação de modelos prestacionais. “Uma iniciativa importante é o lançamento do novo PAC, programa de investimentos anunciado pelo governo federal em agosto de 2023, que prevê investimento de cerca de R$ 52 bilhões no saneamento básico, dos quais, aproximadamente R$ 46,5 bilhões entre 2023 e 2026 e o restante após 2026.”
Banheiros e esgotos precários põem o Brasil no rol das piores estatísticas da América Latina em saneamento básico (Foto Observatório do Clima)  - Gente de Opinião
Banheiros e esgotos precários põem o Brasil no rol das piores estatísticas da América Latina em saneamento básico (Foto Observatório do Clima)
E aí os banheiros estarão em pauta, uma vez que o programa prevê a destinação de R$ 37 bilhões para seleção de novos projetos. “A maioria dos recursos, R$ 26,8 bilhões, será destinada ao esgotamento sanitário; para o abastecimento de água estão previstos R$ 11,7 bilhões; para resíduos sólidos, R$ 1,8 bilhão; e para drenagem urbana, R$11,6 bilhões”, informa o relatório.

Há um nó górdio ainda não solucionado: as regiões Norte e Nordeste, apesar de representarem 35% da população nacional, têm menos recursos investidos em saneamento do que as demais regiões.

Atualmente, a Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental do Ministério das Cidades possui 812 contratos ativos e destes, 319 encontram-se com as obras paralisadas. Daí, o risco de não-execução de recursos disponíveis.

Não há mapeamento das áreas de risco

Um dos estudos consultados revelou que apenas 20% dos valores empenhados para investimentos em água e esgoto sob gestão do Ministério das Cidades, entre 2008 e 2015, foram liquidados.

Há riscos de todo tipo, especialmente o manejo de águas pluviais: 66% dos municípios não possuem mapeamento de áreas de risco de inundação, 82% não possuem sistema de alertas de riscos hidrológicos e 37 municípios possuem mais de 50% dos domicílios em áreas com risco de inundação.

Água potável

O Projeto de Lei nº 3.228/2023, também de autoria do relator, visa alterar a Lei nº 11.445, de 2007, para ampliar a transparência sobre aspectos quantitativos e qualitativos da água potável servida.

“Isso tem que acontecer logo, porque diz respeito à melhoria da saúde e dos índices de desenvolvimento de nosso País”, assinala o senador.

Moura reivindica mais ações ministeriais e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), tanto no trabalho de consultoria jurídico-administrativa, para possibilitar o arcabouço legal e facilitar a operacionalização e desburocratização, quanto no reforço de recursos para cumprimento desses procedimentos legais.

O documento pede a aprovação da proposta de emenda à Constituição (PEC 2/2016), para incluir o saneamento básico entre os direitos sociais, e do projeto de lei (PL 2.910/2022), do senador Mecias de Jesus (Republicanos-RR), para dispor de maneira mais específica sobre o saneamento em áreas rurais, comunidades tradicionais e povos indígenas.

Números que assustam

● Mais de 100 milhões de brasileiros não têm acesso à coleta de esgoto; 47% da população brasileira não tem acesso ao serviço de coleta de esgoto; cerca de 35 milhões de pessoas não têm acesso à água tratada;
● Quando se trata de coleta de esgoto a desigualdade regional se agrava: nos 20 municípios mais desenvolvidos, 95,52% da população tem acesso ao serviço, mas o percentual entre os 20 piores é de 31,78%;
● Somente duas cidades da amostra, das 5.570 existentes no Brasil, têm 100% de coleta de esgoto: Piracicaba (SP) e Bauru (SP);
● Apenas 34 cidades têm índice de coleta de esgoto de pelo menos 90% e podem ser consideradas universalizadas de acordo com a legislação;
● Recomendações gerais: urgência na prestação de serviços regionalizada; elaboração de arcabouço regulatório-institucional maduro e estável; governos municipais, estaduais e federal devem concentrar esforços prioritários nas regiões menos favorecidas, tanto em investimentos quanto em acompanhamento e implementação de soluções alternativas escaláveis;
● Dar prioridade ao cumprimento das metas de saneamento básico; destinar e garantir a aplicação a fundos de saneamento básico instituídos pelos entes da federação, dos recursos auferidos com as outorgas dos serviços de água e esgoto, para financiamento dos investimentos necessários à universalização;
● Reconhecer, regulamentar, apoiar e integrar o trabalho dos catadores de lixo às políticas nacionais de saneamento básico.
● Recomendações à União: reforçar o quadro de servidores especializados em saneamento básico da Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA), para acelerar o processo de elaboração das normas; dar prioridade à destinação dos recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento Regional; estruturar governança das metas nacionais com ferramentas e rede de apoio;
● Dar prioridade às regiões com menores índices de cobertura de abastecimento de água e esgotamento sanitário; intensificar esforços de parcerias, publicação de editais, chamadas públicas e programas para a busca de soluções técnicas inovadoras e escaláveis para abastecimento de água e esgotamento sanitário em núcleos urbanos informais de interesse social; responder aos pleitos dos estados que aguardam auxílio para o cumprimento das metas.
● Recomendações a estados e municípios: adaptar, com celeridade, o arcabouço regulatório-institucional local às normas de referência da ANA. Concluir o processo de regionalização dos serviços de saneamento básico, de comprovação da capacidade técnica dos atuais prestadores ou licitação dos serviços.
● Elaborar, imediatamente, os Planos de Saneamento Básico próprios e respectivos projetos técnicos para implantação, ampliação ou melhoria das redes prevendo a integração dos quatro componentes do saneamento.
● O trabalho de avaliação foi feito durante um ano, mediante a realização de consulta a dados e estudos já publicados, tanto com informações oficiais disponibilizadas pelos diversos órgãos competentes, como informações complementares por meio da realização de reuniões técnicas e quatro audiências públicas.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Gente de OpiniãoTerça-feira, 23 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Do “cemitério de processos” à fedentina forense, advogados penavam

Do “cemitério de processos” à fedentina forense, advogados penavam

Muito antes das modernas sedes do Fórum Criminal de Porto Velho e do Tribunal de Justiça de Rondônia, a história da rotina de atendimento no antigo

Aplicativo revelará conduta afetiva em casos psicológicos ou de violência

Aplicativo revelará conduta afetiva em casos psicológicos ou de violência

Um aplicativo de fácil acesso popular para o registro de antecedentes de conduta afetiva, em casos de violência de natureza física ou psicológica fo

Processos sumiam com facilidade no Fórum da Capital

Processos sumiam com facilidade no Fórum da Capital

Numa caótica organização judiciária, apenas duas Comarcas funcionavam em meados dos anos 1970. A Comarca de Porto Velho começava no Abunã e terminav

Filhos lembram de Salma Roumiê, primeira advogada e fundadora da OAB

Filhos lembram de Salma Roumiê, primeira advogada e fundadora da OAB

A exemplo de outras corajosas juízas e promotoras de justiça aqui estabelecidas entre 1960 e 1970, a paraense Salma Latif Resek Roumiê foi a primeir

Gente de Opinião Terça-feira, 23 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)