Porto Velho (RO) sábado, 26 de maio de 2018
×
Gente de Opinião

Marcelinho

Guajará-Mirim à beira do caos - Por Marcelo Freire


Guajará-Mirim à beira do caos - Por Marcelo Freire - Gente de Opinião

Se a situação caminha difícil na geração de emprego e renda em Guajará-Mirim, na fronteira com a Bolívia, a tendência é piorar nos próximos dias. Um tratado de exportação feito entre Brasil e Bolívia entrou em vigor ontem e prevê que os produtos exportados para o território boliviano sejam transportados por  balsas regulamentadas pela Agência de Transportes Aquaviários (Antaq) e não mais por barqueiros dos dois países, como sempre aconteceu.

Segundo informou ontem a  Associação Comercial de Guajará-Mirim, os empresários brasileiros e bolivianos reclamam que os termos vão dificultar a liberação dos produtos, uma vez que Guayaramerín não tem Aduana e o processo burocrático para legalizar a entrada ficará mais caro, demorado e afetará o mercado de trabalho, causando demissões em massa.

Além de Guajará-Mirim, a cidade boliviana de Guayaramerín também sofrerá grande impacto com a nova medida que começou a vigorar ontem. Trata-se de uma situação bem delicada para as duas regiões. A cidade boliviana depende do comércio de Guajará para impulsionar a receita municipal. 

Ocorre que as medidas devem ser cumpridas. Atualmente o transporte de produtos pelo rio Mamoré é arriscado e a fiscalização da Receita Federal não é suficiente para monitorar as embarcações dos produtos que circulam na fronteira. É muito raro o acidente envolvendo embarcações na região, mas todo o cuidado é necessário.

O problema é que a medida pegou muita gente de surpresa. Os órgãos responsáveis pela fiscalização na fronteira de Guajará-Mirim deveriam orientar com antecedência as pessoas que serão diretamente impactadas com a nova medida. Quem está atuando de forma irregular, deveria providenciar a documentação necessária para realizar o trabalho de acordo com o novo acordo.

Guajará-Mirim, além de problemas no setor de saúde, enfrenta problemas na Área de Livre Comércio, considerada na década de 80 responsável pelo avanço da economia na região, principalmente na rede hoteleira.

Em 2016, o anúncio da inclusão da ponte Brasil Bolívia na reserva orçamentária anual para o exercício de 2017 fez resgatar a esperança de dias melhores na economia do município de Guajará-Mirim. Mas tudo não passou de promessas. O governo Dilma, também tentou regulamentar a isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) na Área de Livre Comércio de Guajará-Mirim. A proposta não recebeu continuidade no atual governo. A eleição está se aproximando e a população vai começar a receber novas propostas, que dificilmente serão cumpridas.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Veja Mais

Mais Sobre Marcelinho

 O peso da gasolina no seu orçamento - Por Marcelo Freire

O peso da gasolina no seu orçamento - Por Marcelo Freire

Com uma sequência de reajustes no preço da gasolina, anunciado ontem e na semana passada pela Petrobras, a conta da população brasileira tem uma grand

Vista Alegre do Abunã existe

Vista Alegre do Abunã existe

Os moradores de Vista Alegre do Abunã, distrito de Porto Velho, decidiram imitar os moradores de uma localidade batizada de Curuquetê, no Amazonas, q

Mais recursos para os municípios alagados - Por Marcelo Freire

Pela nova lei, quem ficou no prejuízo foi o Estado, que terá apenas 25% do montante da compensação

Café de Rondônia ganha destaque nacional

Café de Rondônia ganha destaque nacional

A produção do café conillon em Rondônia voltou a ganhar destaque no noticiário nacional e está atraindo novos investidores no Estado. Segundo o Instit