Porto Velho (RO) segunda-feira, 25 de março de 2019
×
Gente de Opinião

Lúcio Flávio Pinto

Quantos pagaram, quantos ainda devem? Por Lúcio Flávio Pinto


Quantos pagaram, quantos ainda devem?  Por Lúcio Flávio Pinto - Gente de Opinião

LÚCIO FLÁVIO PINTO
Editor do Jornal Pessoal em Belém (PA) 

A Operação Lava-Jato caminha para o seu quinto ano sem ter alcançado uma das principais fontes de desvio de dinheiro público para bolsos particulares em todos os tempos no Brasil, com acento especial na era do PT: o BNDES. E talvez nem chegue até lá.

Segundo o jornal Valor Econômico, a equipe econômica de Bolsonaro está dividida entre manter o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social tal como é ou começar a reduzir o seu tamanho e, talvez, conduzi-lo à extinção em prazo mais longo. Se a informação é verdadeira, a opinião pública precisa se antecipar a qualquer definição para que ela resguarde o que tem sido descurado: o interesse público.

O BNDES tem sua legítima razão de existir como banco oficial de fomento da atividade produtiva, tanto pelo crédito direto ao agente econômico como para o financiamento de infraestrutura vinculada à expansão do desenvolvimento. Sempre o banco combinou os dois papéis.

O problema está em avaliar o balanço da realização desse papel e o seu uso político ou espúrio – e combater esse desvio de funções, que onera e prejudica a prestação de serviços à sociedade.

O favorecimento à corrupção e o enriquecimento ilícito se estendem às outras instituições federais: o Banco do Brasil e a Caixa. Os crimes eventualmente praticados pelo mau uso do dinheiro público não podem continuar impunes, como sempre estiveram.

Em setembro, as operações de crédito realizadas pelo BNDES atingiram exatos 3 trilhões 169 bilhões de reais, valor equivalente a incríveis 46,65% do PIB. Desse total, 52,95%, ou R$ 1,679 trilhão constituíam recursos livres, sobre os quais incidiram juros médios de 32,5% ao ano. Ou seja, o banco é devidamente remunerado, a taxas comparáveis às usualmente praticadas pelo mercado financeiro.

Mas 47,05% do total – R$ 1,491 trilhão – foram repassados pelo BNDES e seus agentes, a caixa e o banco do Brasil, diretamente a clientes especiais, com juros médios de 8,6% ao ano. Ou seja: ao custo do dinheiro recebido cinco vezes inferior ao dos demais clientes.

A quem o BNDES favoreceu? Quais os critérios adotados para escolhê-los? Quanto pagaram? Quanto ainda devem? Quanto deveriam pagar?

Se o BNDES tiver que ser extinto ou modificado, a medida preliminar necessária é abrir o seu caixa preto, que permanece fechado e resiste a qualquer tentativa de devassa-lo. Aliás, tentativas frágeis e frustrantes.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Lúcio Flávio Pinto

O réquiem do STF

O réquiem do STF

A sessão de ontem foi uma das mais lamentáveis e tristes da história do Supremo Tribunal Federal.

Sinais de intranquilidade

Sinais de intranquilidade

Grande parte da instabilidade que o país vive atualmente decorre de iniciativas do próprio Bolsonaro e dos seus filhos

Chico Mendes: 30 anos do assassinato do líder seringueiro

Chico Mendes: 30 anos do assassinato do líder seringueiro

Chico Mendes está sendo lembrado no mundo inteiro pelos 30 anos do seu assassinato.

E o dia seguinte? Lúcio Flávio PInto

E o dia seguinte? Lúcio Flávio PInto

LÚCIO FLÁVIO PINTOEditor do Jornal PessoalBelém (PA)Não sei se o fato acontece pela primeira vez, mas é, no mínimo, inusitado. Um presidente da repúbl