Porto Velho (RO) terça-feira, 26 de maio de 2020
×
Gente de Opinião

Lúcio Flávio Pinto

Prisão era necessária?


Gente de Opinião

No espaço de poucas horas o juiz Sérgio Moro decretou e revogou a prisão do ex-ministro da Fazenda, Guido Mantega. Percebeu logo o tamanho do erro cometido ao tirar o marido do leito de hospital onde a sua esposa seria submetida a uma cirurgia de câncer. O efeito foi desastroso.

Mas teria sido mera coincidência. É que nenhum dos integrantes da força-tarefa da Operação Lava-Jato sabia do que acontecia no Hospital Albert Einstein, de onde Mantega saía quando foi preso, pela manhã. É um erro desconcertante diante da gravidade do ato.

Os agentes da Polícia Federal teriam ido à residência do ex-ministro e sabendo da sua direção foram de lá ao hospital, inadvertidos sobre a delicada situação de saúde da sua mulher. Percebendo a “infeliz coincidência”, o juiz tratou de devolvê-lo ao local de origem, explicando que ele não oferecia riscos para a “colheita das provas” procuradas pela operação. Mas ressalvou que os policiais agiram com a maior discrição, não entrando no hospital. O detalhe pouco – ou nada – atenua o erro.

Por todos os aspectos, foi uma das iniciativas mais desbaratadas da PF. Independentemente das circunstâncias de fato, a prisão do ministro para ser ouvido em Curitiba era desnecessária. O objetivo talvez fosse o de quebrar a resistência de Mantega para que ele falasse sobre o que sabe (e sabe demais).

Esse, porém, não é um método compatível com um regime democrático. À parte o abalo que Guido Mantega sofreu, pelo qual poderá processar judicialmente os responsáveis, abrindo um flanco na estrutura da força-tarefa, através do qual ela poderá receber críticas procedentes, a prisão não se ajustava às razões apresentadas.

Já há informações e indícios suficientes nessa 34ª fase da Operação Lava-Jato para chegar a novos espaços e personagens do esquema de corrupção montado dentro e em torno da Petrobrás.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Lúcio Flávio Pinto

A queimada da Volks

A queimada da Volks

Belém (PA)Hoje, 35 anos depois do incêndio recorde da Volks (que nunca mais voltou a pensar em montar bois), a alteração se aproxima de 20% da superfí

O réquiem do STF

O réquiem do STF

A sessão de ontem foi uma das mais lamentáveis e tristes da história do Supremo Tribunal Federal.

Sinais de intranquilidade

Sinais de intranquilidade

Grande parte da instabilidade que o país vive atualmente decorre de iniciativas do próprio Bolsonaro e dos seus filhos

Chico Mendes: 30 anos do assassinato do líder seringueiro

Chico Mendes: 30 anos do assassinato do líder seringueiro

Chico Mendes está sendo lembrado no mundo inteiro pelos 30 anos do seu assassinato.