Porto Velho (RO) terça-feira, 31 de março de 2020
×
Gente de Opinião

Lúcio Flávio Pinto

O desespero emedebista para se livrar da Lava Jato - Por Lúcio Flávio Pinto


 O desespero emedebista para se livrar da Lava Jato - Por Lúcio Flávio Pinto - Gente de Opinião

LÚCIO FLÁVIO PINTO
Em Belém


O PMDB voltou no tempo para reassumir sua legenda.  Mas está traindo o melhor legado que lhe ficou do MDB, ao menos daquela parcela, a dos "autênticos", mesmo minoritária, composta por políticos à esquerda dos partidos extintos em 1965 (PTB, PSD e UDN) e pela nova geração, que enfrentaram a ditadura no parlamento.

Ironia reveladora é estar agora o MDB a defender Delfim Netto da acusação de ter intermediado um esquema para viciar o leilão da hidrelétrica de Belo Monte, que será a quarta maior do mundo em capacidade instalada, quando totalmente conculuída (já operam oito das 18 grandes turbinas).

A reputação do ex-ministro serviria como a sua melhor defesa, tornando-o imune a suspeitas. Justamente o inverso do que os emedebistas consideravam quando Delfim era o dono das decisões econômicas no Brasil, com total delegação de poderes dos generais, que não tinham uma boa formação em economia nas escolas militares.

O objetivo dos falsos emedebistas de hoje é proteger o partido, que teria ficado com 0,3% do custo da obra, quando ela estava orçada em R$ 14,5 bilhões, cota igual à do PT, segundo os executivos das empreiteiras, que teriam feito os pagamentos.

Churchill declarou, no auge da Segunda Guerra Mundial, quando a Inglaterra estava encurralada pelas tropas nazistas, que se uniria ao diabo, se preciso fosse, para derrotar Hitler. O MDB está fazendo isso. Não para defender o Brasil, mas para se livrar da parte da acusação que lhe cabe nesse enredo da Lava-Jato.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Lúcio Flávio Pinto

A queimada da Volks

A queimada da Volks

Belém (PA)Hoje, 35 anos depois do incêndio recorde da Volks (que nunca mais voltou a pensar em montar bois), a alteração se aproxima de 20% da superfí

O réquiem do STF

O réquiem do STF

A sessão de ontem foi uma das mais lamentáveis e tristes da história do Supremo Tribunal Federal.

Sinais de intranquilidade

Sinais de intranquilidade

Grande parte da instabilidade que o país vive atualmente decorre de iniciativas do próprio Bolsonaro e dos seus filhos

Chico Mendes: 30 anos do assassinato do líder seringueiro

Chico Mendes: 30 anos do assassinato do líder seringueiro

Chico Mendes está sendo lembrado no mundo inteiro pelos 30 anos do seu assassinato.