Porto Velho (RO) terça-feira, 26 de maio de 2020
×
Gente de Opinião

Lúcio Flávio Pinto

E agora, Temer?


E agora, Temer? - Gente de Opinião

Lúcio Flávio Pinto
Belém (PA)                                                                             

A era da inocência acabou. Michel Temer achava que sua esperteza e experiência política seriam suficientes para contornar a grave crise que levou ao afastamento de Dilma Rousseff e a sua ascensão à presidência da república. Montando todo tipo de acordo político com pessoas e partidos, que levou ao leilão do ministério, garantiria o apoio do parlamento para a sua transformação de presidente provisório em definitivo.

Dilma não voltaria e ele iria até 2018, com possibilidade de se reeleger.

Só faltou combinar com os russos, conforme o bordão futebolístico. Os russos, no caso, os brasileiros. A queda do segundo ministro em menos de três semanas de governo ameaça acender o sinal vermelho, depois do qual o vice-presidente irá para o mesmo arquivo morto no qual se encontra a titular do cargo.

Ele tem pouco tempo e menos espaço ainda para refazer o governo, mudando sua diretriz. Ao invés de esperar que os fatos confirmem os maus presságios, pode se antecipar às crises recomeçando pelo começo, abusando da tautologia: procurando nomes adequados para cada pasta pelo critério da competência e da limpeza biográfica. A questão é: ele conseguirá essa proeza sendo quem é?

O ministério que formou seguiu o critério da viabilidade política a qualquer preço e por qualquer risco. Mas essa diretriz só seria satisfatória num governo de transição, para durar no máximo 180 dias, ou para ele próprio convocar eleições gerais. Não sendo esse o propósito de Temer, a consequência de formar uma equipe de homens públicos de notória carreira viciada está acabando com a legitimidade e a credibilidade do governo do PMDB. Ele ameaça afundar no mesmo buraco que sugou  o PT.

É uma crise cada vez mais grave, a política congelando a atividade produtiva no país. Os petistas acreditam que voltarão ao poder nesse balouço no qual quando um grupo desce, o outro sobe. Mas o governo petista não saiu por ousadia econômica, social ou mesmo política. Foi por corrupção. E nesse barco todos embarcaram, nivelando-se pelo mais baixo parâmetro da política em toda república brasileira.

Algum segmento do poder estabelecido conseguirá emergir desse naufrágio geral ou só há uma saída, a convocação de eleição geral para já?

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Lúcio Flávio Pinto

A queimada da Volks

A queimada da Volks

Belém (PA)Hoje, 35 anos depois do incêndio recorde da Volks (que nunca mais voltou a pensar em montar bois), a alteração se aproxima de 20% da superfí

O réquiem do STF

O réquiem do STF

A sessão de ontem foi uma das mais lamentáveis e tristes da história do Supremo Tribunal Federal.

Sinais de intranquilidade

Sinais de intranquilidade

Grande parte da instabilidade que o país vive atualmente decorre de iniciativas do próprio Bolsonaro e dos seus filhos

Chico Mendes: 30 anos do assassinato do líder seringueiro

Chico Mendes: 30 anos do assassinato do líder seringueiro

Chico Mendes está sendo lembrado no mundo inteiro pelos 30 anos do seu assassinato.