Porto Velho (RO) terça-feira, 14 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

Lúcio Flávio Pinto

Cristina: go home! Por Lúcio Flávio Pinto


Quantos patrões já não foram injustiçados pela justiça do trabalho? Principalmente aqueles patrões de si mesmos ou contratantes de empregados domésticos. E quantos dos atos de justiça não se consumaram por constranger as partes a um acordo no qual estava embutido um pedágio, a reforçar a sabedoria popular, de que o pior acordo é melhor do que a melhor demanda judicial?

A justiça é sublime, o mais elevado dos poderes institucionais, quando acerta. É o pior dos castigos, independentemente de acertar ou errar, quando submete as partes do contencioso à tortura psicológica do tempo perdido (que só mesmo Proust seria capaz de recuperar – só que às barras do tribunal ele jamais iria de moto próprio).

Assim, não é por ter sido levada à justiça do trabalho por seus empregados, não assinar carteira e ser condenada que Cristina Brasil está impossibilitada de assumir o Ministério do Trabalho. É por abuso de poder que a justiça a está mantendo congelada. O presidente Michel Temer estava na plenitude do seu poder, com amparo na lei e na constituição, quando aceitou a indicação do presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, não por acaso o pai da cidadã.

O país já estaria no rumo certo se a justiça liberasse Michel Temer para consumar o ato, nomeando a deputada federal para o cargo. Só então, cumprida a regra legal, o Brasil inteiro poderia dar vazão à sua repulsa a que Cristina Brasil seja ministra, seja lá em qualquer ministério que se lhe ofereça. Falta-lhe dignidade moral para exercer qualquer cargo público. Nem parlamentar podia ser, se o povo votasse certo.

Chegar a essa conclusão é tarefa simples: basta percorrer os discursos da deputada, ver o seu comportamento público e terminar com o vídeo gravado numa lancha, ao lado de  quatro cidadãos sem camisa (não são descamisados: estão nus da cintura para cima, como se dizia antigamente, quando se podia tal coisa dizer), cúmplices das declarações ditas pela deputada no fogo da situação – fogo em todos os sentidos do vernáculo.

O pai, famoso cantor de óperas durante a novela do mensalão, condenou a atitude da filha. Correto: deveria levá-la para o seio da família, no refúgio do sacrossanto lar, e dar-lhe a competente reprimenda. É assunto de foro íntimo. Quanto ao público, devia retirar o desastrado nome da filha e se recolher ao banheiro com a companhia de Mozart e Don Giovanni.

Talvez os céus o perdoariam por dar início a mais um capítulo vergonhoso da história de um Brasil torto e sem saída.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Lúcio Flávio Pinto

A queimada da Volks

A queimada da Volks

Belém (PA)Hoje, 35 anos depois do incêndio recorde da Volks (que nunca mais voltou a pensar em montar bois), a alteração se aproxima de 20% da superfí

O réquiem do STF

O réquiem do STF

A sessão de ontem foi uma das mais lamentáveis e tristes da história do Supremo Tribunal Federal.

Sinais de intranquilidade

Sinais de intranquilidade

Grande parte da instabilidade que o país vive atualmente decorre de iniciativas do próprio Bolsonaro e dos seus filhos

Chico Mendes: 30 anos do assassinato do líder seringueiro

Chico Mendes: 30 anos do assassinato do líder seringueiro

Chico Mendes está sendo lembrado no mundo inteiro pelos 30 anos do seu assassinato.