Porto Velho (RO) domingo, 8 de dezembro de 2019
×
Gente de Opinião

Lúcio Flávio Pinto

A queimada da Volks


Anúncios pagos pelo governo federal exibiam um robusto touro com a seguinte mensagem: “Volkswagen produzido na Amazônia” / Reprodução   - Gente de Opinião
Anúncios pagos pelo governo federal exibiam um robusto touro com a seguinte mensagem: “Volkswagen produzido na Amazônia” / Reprodução

Belém (PA)

Hoje, 35 anos depois do incêndio recorde da Volks (que nunca mais voltou a pensar em montar bois), a alteração se aproxima de 20% da superfície amazônica – a uma velocidade menor, mas sempre constante, e cumulativa. Essa área que perdeu sua mata equivale a três vezes e meia o tamanho de São Paulo, que concentra um terço da riqueza nacional. É o maior desmatamento da história da humanidade, justamente onde sobrevive um terço das florestas tropicais da Terra. Mais um recorde. Também ruim. Péssimo. Na Amazônia, em regra, tem sido assim.

O jornalista Ronaldo Brasiliense publicou um artigo no seu blog relembrando o episódio do incêndio da Volkswagen no sul do Pará, em 1976. Citou duas matérias minhas a respeito. Reproduzo os três textos como contribuição ao debate, mostrando que a questão é antiga – e não resolvida até hoje.

O Incêndio da Volks no Pará

A defesa da floresta amazônica ganhou força nos anos da década de 1970. O ativismo ambientalista era contido, entretanto, pela ditadura. As vozes eram poucas. Os discursos ainda tinham um tom meio poético. A Amazônia ainda era vista como celeiro e pulmão do mundo.

Mas, a Transamazônica já havia aberto o caminho do desastre ecológico e fundiário da região, que repercute até hoje. É certo dizer que a grande rodovia que corta a região de leste a oeste, tinha uma precedente: a Rodovia Belém-Brasília, em cujo eixo se deu o primeiro grande surto de desmatamento, com queimadas, é claro, ocupação territorial, grilagem, conflitos (não originalmente nessa ordem).

Em 1975, um satélite da Nasa detectou um incêndio de grandes proporções no sul do Pará. A mata estava queimando na fazenda da Companhia Vale do Rio Cristalino, de propriedade da Volkswagen. A área do projeto, que criaria 60 mil cabeças de gado, ocupava área de quase 140 mil hectares no sul do Pará, nos limites com Mato Grosso, hoje Tocantins. Na preparação do pasto, nenhuma tecnologia - digamos - alemã: botaram fogo na floreta.
Foi o primeiro grande escândalo ambiental de proporção mundial, envolvendo a Amazônia, que repercutiu na mídia.

À sombra da censura, o escândalo ganhou contorno de questão política muito delicada. Com os incentivos do governo Geisel, a empresa alemã havia adquirido a gigantesca fazenda de gado, na região do Araguaia.
O incêndio detectado pela NASA havia começado em 1974. Os governos brasileiro e alemão sabiam da tragédia. O caso ganhou o noticiário em julho de 1975, quando cientistas brasileiros, reunidos no 27º Congresso da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), questionaram o governo a respeito do desmatamento e do incêndio provocado pela Volks.

A empresa propalava que a Fazenda Vale do Rio de Cristalino era um modelo de empreendimento agropecuário. Mas a multinacional alemã foi acusada de executar, então, o projeto mais “antiecológico do mundo”.
Em 1971, a Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia publicou na grande imprensa anúncios pagos pelo Ministério do Interior e Banco da Amazônia, divulgando que a Volkswagen estava “produzindo" na Amazônia. Sim, do ABC paulista saíam carros, e da Amazônia sairiam bois.

O texto publicitário, ufanista, festejava grandes corporações nacionais e estrangeiras, especialmente a Volks, que estavam investindo na Amazônia com financiamento do BASA e incentivos da Sudam. “Ao seu lado (de quem, cara pálida? A pergunta é minha), na Amazônia, encontram-se alguns dos mais poderosos grupos deste país: Mappin, Scarpa, Gasparian, Alcântara Machado, Swift, Lunardelli, Camargo Corrêa, Villares, Finasa, Germaine Bouchard, Levy, Junqueira Vilela, Meinberg, Avelar Assumpção, Ometto”. Algumas empresas famosas à época são bem conhepcidas e ainda resistem no mercado.

Era o desenvolvimento econômico sob a pata do boi. A peça publicitária festejou, como valor amazônico, “os maiores pastos do mundo”, sendo implantados ou efetivados. E acrescentou: "Nem todos vão criar gado, embora os maiores pastos do mundo estejam na área da Sudam". De fato, nem todas criaram boi, mas os prejuízos ambientais e sociais ficaram para sempre.

A publicidade oficial atraia “investidores” à região e demonstrava o empenho do governo em beneficiar as empresas. Algo diferente de hoje? “Para garantir o lucro, o Banco da Amazônia dá toda cobertura financeira”. Era a promessa do anúncio desavergonhado.

A Alemanha deveria se lembrar dessa história, hoje, e indenizar o Pará. E o governo brasileiro deveria resgatá-la como exemplo de política pública danosa, que esconde as consequências do desmatamento e dos incêndios, que já destroem a Amazônia há décadas, agravando a pobreza na região como um todo.

É alguma coisa, hoje, com um capitão no Planalto, diferente do ontem, quando o presidente de plantão era um general?
No link, artigo do jornalista Lúcio Flávio Pinto.

Volks na Amazônia: destruição

(Artigo publicado no Jornal Pessoal em fevereiro de 2013)

Em 1973 Wolfgang Sauer foi chamado para conversar com os executivos alemães da Volkswagen na sede alemã da empresa. Voltou como o chefe da maior fábrica de automóveis em funcionamento do hemisfério sul, instalada em São Paulo. O alemão de Stuttgart estava há 12 anos no Brasil. Chegou no ano traumático de 1961, marcado pela crise de poder desencadeada pela renúncia do presidente Jânio Quadros (o mais votado até então) e a reação militar à posse do vice-presidente, João Goulart.

Depois de 10 anos de peregrinação entre Portugal e a Venezuela, Sauer seria o diretor comercial da multinacional alemã Bosch. O novo posto era um salto: de fabricante de autopeças se tornaria montador de automóveis. A ambição de Sauer, porém, era muito maior: queria ser um dia presidente mundial da Volkswagen.

Ele divisou a oportunidade ainda em 1973, quando foi a Brasília conversar, a convite do então ministro do interior, Rangel Reis. O ministro lhe disse que o governo federal queria mudar a diretriz da ocupação da Amazônia. Desde o início da construção da Transamazônica, três anos antes, a ênfase era na colonização. Lavradores nordestinos, atingidos pela grande seca de 1970, eram levados para as margens da grande rodovia de penetração e assentados em lotes de 100 hectares.

Essa política, de objetivos sociais, não atendia mais à prioridade definida pelo terceiro governo militar desde o golpe de estado de 1964: tornar a Amazônia uma fonte de divisas para o país. Para isso, seria preciso atrair grandes investidores privados, nacionais e estrangeiros, para acelerar a ocupação territorial e a produção de mercadorias de aceitação e competitividade nacional e internacional. O empresário passaria a ser o parceiro preferencial do governo, não mais os colonos.

Não passou pela cabeça de Sauer instalar uma filiação da Volks na selva amazônica. O que ele concebeu na hora foi um grande projeto de criação de gado e beneficiamento de carne. Com tecnologia de ponta e capital intensivo, o empreendimento podia alcançar escala econômica suficiente para vencer as distâncias dos grandes centros consumidores e superar as desvantagens de uma zona pioneira.

Conseguiu convencer os dirigentes alemães da Volks a embarcar numa aventura inteiramente nova em seus mais de 40 anos de história de sucesso: ao invés de continuar a lidar com veículos automotores, a Volks iria tratar de boi na jungle selvagem. Se os êxitos se repetissem, Wolfgang Sauer teria credenciais para se apresentar como pretendente ao topo da direção de uma das maiores multinacionais.

Tudo deu errado, como ele admite em seu recente livro de memórias, nada modestamente intitulado O homem Volkswagen – 50 anos de Brasil (Geração Editorial, São Paulo, 2012, 527 páginas). Mas parecia que tudo daria certo. A Volks comprou uma área de quase 140 mil hectares no sul do Pará, a pouca distância dos limites com Mato Grosso e o atual Tocantins. Laudos de dois institutos alemães atestavam a qualidade do solo e a aptidão para a pecuária.

Sauer reuniu sócios poderosos na indústria e na atividade financeira, brasileiros e estrangeiros – quase todos céticos sobre a iniciativa, mas confiantes no aval do executivo. Implantou a fazenda e, em seguida, o frigorífico. Colocou 60 mil cabeças de gado nos pastos, com exemplares de Nelore cruzados com outras raças europeias.

Quando o caminho já estava aberto e a produção em série, começaram as reações. Primeiro na Alemanha, por parte de ecologistas, com o forte apoio do Partido Verde. Depois em outras paragens do mundo e também no Brasil. A Volks estava destruindo a natureza e eliminando o oxigênio do planeta, impedindo a Amazônia de funcionar como pulmão do mundo. Toda a humanidade seria vítima dessa devastação.

Quando políticos e militantes alemães ameaçaram boicotar os carros da Volks, a direção da empresa se alarmou. Sauer foi chamado e recebeu a ordem de passar em frente o projeto amazônico. Tudo tão às pressas e sem uma checagem nos argumentos dos críticos que o comprador escolhido deu um tombo na poderosa indústria alemã: pagou apenas a primeira parcela da venda, retirou o gado e sumiu.

A Volks teve que encontrar outro dono. A partir de então a Fazenda Vale do Rio Cristalino se desfez. Por incompreensão ou má fé dos que a combateram. Talvez as duas coisas juntas. Mais um dos grandes projetos de ocupação e modernização da Amazônia, para colocá-la no mercado mundial, fracassou. Como, antes, a plantação de borracha de Henry Ford e de arroz de Daniel Ludwig.

Mas a história não é bem essa, ou não é só essa que Sauer conta. Ele não faz a menor referência à autuação que a fazenda sofreu do IBDF (Instituto Brasileiro do Desenvolvimento Florestal), antecessor do Ibama, três anos após o início do projeto. A Volks desmatou em 1976 sem pedir licença ao instituto, que só descobriu o fato quando uma imagem feita pelo satélite Skylab identificou uma queimada, a maior até então registrada documentalmente pelo homem. Espantados pela extensão do incêndio, os cientistas da Nasa enviaram a imagem para seus colegas do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), de São Paulo. A fotografia do satélite engendrou escândalo de dimensões internacionais.

A Volks se defendeu alegando que a Sudam (Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia), ao aprovar seu projeto agropecuário, autorizara também a execução do que estava previsto, o que exigia o desmatamento. Logo, estava legal.

Hoje, as Forças Armadas convocadas pelo governo que rejeita apoio do Fundo Amazônia, têm que se desdobrar para conter o fogo     - Gente de Opinião
Hoje, as Forças Armadas convocadas pelo governo que rejeita apoio do Fundo Amazônia, têm que se desdobrar para conter o fogo

Mas o IBDF sustentou que a empresa precisava de uma autorização específica para fazer a derrubada. Sem essa licença, tinha que ser multada. A multa, incidindo sobre cada árvore queimada ou derrubada, chegava a valor superior ao do próprio empreendimento. Estabeleceu-se intensa celeuma. Ao final, a multa foi mantida, mas não foi aplicada. A Volks já estava saindo da área e retornando apenas ao que sabe fazer: veículos automotores.

Foi mesmo só incompreensão a causa desse final desastroso? Claro que não. A resposta estava na forma de encarar a região na qual a poderosa multinacional pretendia se estabelecer. Ao invés de investir contra a floresta, que dominava a paisagem, como o próprio Sauer admite nas suas memórias, devia se posicionar a favor da floresta.

Assim, não teria provocado o desastre ambiental de que foi acusada, com toda razão. É o que hoje faria um empreendedor consciente. Mas não naquela época, em que a palavra de ordem era desenvolvimento e não ecologia, se defende Sauer.

Não é a sua figura de visionário, além e acima do seu tempo, a imagem que o livro projeta, com sua capa made by Hans Donner, o mago do design da TV Globo, e o prefácio de Delfim Netto, o sacerdote tecnocrata do desenvolvimento daqueles idos? Talvez Wolfgang Sauer tenha sido visionário no polo industrial paulista, o maior do continente. Na selva amazônica ele foi um devastador.

O fogo visto do céu: advertência esquecida

Em 1976 a estação espacial americana Skylab, que orbitava a 930 quilômetros da Terra, fotografou o maior incêndio já registrado pelo homem. O fogaréu queimava no sul do Pará. Quando os cientistas da Nasa (a agência espacial americana), que monitoravam o satélite, enviaram a imagem ao Brasil para ser decifrada, foi um escândalo. Um cientista de São Paulo chegou a declarar, em Belém, que a queimada atingia um milhão de hectares. E bradou aos céus, de onde viera a informação, por providências.

A primeira foi identificar o autor do crime. Era a Volkswagen. Ela abria uma fazenda, a Companhia Vale do Rio Cristalino, em 139 mil hectares no município de Santana do Araguaia. Era um fato inédito na sua história de 40 anos, iniciada sob o regime de Adolf Hitler na Alemanha, com um carro revolucionário, por dispensar o uso de água no radiador: pela primeira vez a grande indústria deixava de lado a sua especialidade, a montagem de veículos automotores, para montar bois, o que jamais fizera.

O incêndio, na verdade, atingira “apenas” 1% da superfície anunciada. Eram impressionantes 10 mil hectares (área de 100 quilômetros quadrados), mas a enorme diferença de valores amorteceu o impacto da revelação. Aos poucos, depois de muito estardalhaço sobre o valor da multa, que equivaleria à soma de todo o investimento do projeto (porque a multinacional não fora autorizada a queimar a mata), o assunto foi sendo esquecido. Acabou arquivado.

Mas devia ser lembrado sempre. Ajudaria a corrigir tantos e tão graves erros cometidos ao se tratar da complexa Amazônia. Então como agora.

O primeiro: não basta ter boa intenção e estar empenhado na “causa amazônica” para ajudar a região. É preciso conhecê-la bem, tarefa difícil, árdua e prolongada. O cientista denunciante, que dirigia o Inpa (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia), de Manaus, embora uma autoridade, disse um absurdo.

O incêndio da Volks

Qualquer pessoa com conhecimento de campo da Amazônia saberia que é impossível queimar um milhão de hectares de uma só vez, numa única temporada de verão. Pode parecer algo factível para quem se informa sobre a Amazônia à distância ou por via indireta (livros, jornais, internet, televisão). Mas para quem vê com os próprios olhos os acontecimentos e sabe o suficiente para definir parâmetros, era um absurdo. Mesmo que dito com a melhor das intenções, com as quais, como se sabe, pode-se ir ao inferno.

Por causa desse erro atroz, embora bem intencionado, foi deixado de lado a necessária investigação sobre o maior incêndio de todos os tempos, praticado em plena floresta tropical. Como a Volks, com um contingente de trabalhadores (os maltratados “peões”, escravos da nova era de descobrimentos) 10 vezes inferior ao maior desses exércitos de desmatadores em ação, que era o que a Jari utilizava, conseguiu igualar a área de derrubada na mesma época pelo milionário americano Daniel Ludwig, um pouco superior a 10 mil hectares?

Não só por recorrer ao fogo, que Ludwig rejeitava em sua imensa área, de 1,6 milhão de hectares (o desmatamento na Jari era mecânico, com o uso da maior quantidade de motosserras na América Latina). Mas porque, talvez, quem sabe, a Volks aplicasse o agente laranja.

Havia um grande estoque desse herbicida, que já não era mais empregado pelos Estados Unidos na guerra do Vietnam, para desfolhar as árvores e expor os esconderijos e os campos de arroz dos vietnamitas do sul e vietcongues. Sua eficiência era comprovada. E seus malefícios, arrasadores. Dentre outras sequelas, provocava câncer.

SUBSÍDIO MESMO

Atualmente o governo americano realiza, com o governo local, a descontaminação das áreas atingidas pela propagação desse fósforo químico. É trabalho para muito tempo. E não eliminará os danos que já causou a milhões de nativos e milhares de americanos, também contaminados por seu próprio veneno.

Já a Volkswagen, como milhares de outros investidores, recebeu dinheiro do tesouro nacional, a partir de renúncia fiscal da União. O governo federal deixava de recolher parte do imposto de renda devido pelos empresários para que a Amazônia se desenvolvesse em maior velocidade, através da iniciativa privada. Não era crédito, que retorna à fonte, mas subsídio mesmo. Desenvolver a Amazônia seria menos difícil e mais barato. Devastá-la, mais ainda. A proporção chegou a ser de 75% de recursos públicos para 25% de capital privado, dinheiro nem sempre corretamente aplicado.

Às vezes a contrapartida do investidor particular era fraudada, fictícia. Foi o que fizeram os donos do maior conglomerado de comunicação da Amazônia, os irmãos Ronaldo e Rômulo Maiorana Júnior, em processo que está pronto para ser sentenciado pelo juiz da 4ª vara federal de Belém, com pedido de condenação pelo Ministério Público Federal. Também acontecia de o empreendimento fracassar, pondo a perder tudo que fora feito a partir da eliminação da paisagem original.

Logomarca da Volkswagen / Foto Matthias Rietschel/Reuters - Gente de Opinião
Logomarca da Volkswagen / Foto Matthias Rietschel/Reuters

Foi o que sucedeu com a fazenda da Volks. Ela acabou sendo vendida sucessivamente. Ao invés de abrigar um grande rebanho do melhor gado do mundo, como a empresa pretendia, se tornou um assentamento rural. Desses assentamentos fadados a ter vida curta e não dar certo também. Uma vez vendida a madeira da área, a permanência da maioria dos beneficiados pela suposta reforma agrária se torna improvável.

O episódio, contudo, teve também um aspecto positivo. Por causa do impacto mundial, o governo militar, promotor e avalista do processo de ocupação da Amazônia, através de colonizadores externos, teve que fazer uso da mesma tecnologia de ponta para dar uma resposta à comunidade internacional sobre aquela façanha negativa (o que colocou o Brasil na vanguarda desse tipo de tecnologia). Para terem efeito, as medidas corretivas precisam ter o reforço da pressão externa.

Um levantamento que então se procedeu, a partir da interpretação de imagens de satélite, revelou que, até 1976, apenas 0,8% da Amazônia tinha tido sua cobertura vegetal alterada pelo homem. A “última grande fronteira mundial de recursos naturais” mal tinha sido arranhada: era, como observou Euclides da Cunha, na primeira década do século XX, a página do Gênesis que Deus deixou para o homem escrever.

Hoje, 35 anos depois do incêndio recorde da Volks (que nunca mais voltou a pensar em montar bois), a alteração se aproxima de 20% da superfície amazônica – a uma velocidade menor, mas sempre constante, e cumulativa. Essa área que perdeu sua mata equivale a três vezes e meia o tamanho de São Paulo, que concentra um terço da riqueza nacional. É o maior desmatamento da história da humanidade, justamente onde sobrevive um terço das florestas tropicais da Terra. Mais um recorde. Também ruim. Péssimo. Na Amazônia, em regra, tem sido assim.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Lúcio Flávio Pinto

O réquiem do STF

O réquiem do STF

A sessão de ontem foi uma das mais lamentáveis e tristes da história do Supremo Tribunal Federal.

Sinais de intranquilidade

Sinais de intranquilidade

Grande parte da instabilidade que o país vive atualmente decorre de iniciativas do próprio Bolsonaro e dos seus filhos

Chico Mendes: 30 anos do assassinato do líder seringueiro

Chico Mendes: 30 anos do assassinato do líder seringueiro

Chico Mendes está sendo lembrado no mundo inteiro pelos 30 anos do seu assassinato.

Quantos pagaram, quantos ainda devem?  Por Lúcio Flávio Pinto

Quantos pagaram, quantos ainda devem? Por Lúcio Flávio Pinto

A Operação Lava-Jato caminha para o seu quinto ano sem ter alcançado uma das principais fontes de desvio de dinheiro público para bolsos particulares