Porto Velho (RO) sexta-feira, 5 de junho de 2020
×
Gente de Opinião

Lúcio Flávio Pinto

A Amazônia de peões e milionários


Lúcio Flávio Pinto
Editor do Jornal Pessoal
 

Opinião, sediado no Rio de Janeiro, foi, para mim, a mais importante (e a melhor) publicação da imprensa alternativa brasileira republicana. A partir do seu primeiro número, que foi às bancas na primeira semana de novembro de 1972, o jornal – de 24 páginas, em formato tabloide – foi subindo como um foguete. Surpreendidos por sua qualidade, os leitores que queriam ficar mais bem informados, mesmo no auge da ditadura militar, corriam para as bancas atrás de Opinião.
 

Em pouco tempo a sua tiragem começou a se aproximar de Veja (em circulação desde 1968), que, para surpresa geral, se tornou sua competidora direta. Era como se o Gavião Parakatejê se tivesse tornado páreo duro para o São Paulo. Nessa progressão, o semanário alternativo emparelharia e talvez viesse a passar à frente da revista dos Civita, a um custo infinitamente menor.
 

Nunca qualquer publicação alternativa chegou a esse ponto – nem antes nem depois. Qual o segredo de Opinião? Em primeiro lugar, ser feito por jornalistas profissionais e não por militantes políticos. Jornalistas comprometidos com seu ofício, de encontrar a verdade (ou sua reconstituição mais fiel) e apregoá-la para a sociedade, assumindo todos os riscos dessa opção.
 

Leia texto completo de Lúcio Flávio a respeito da censura em tempos ditatoriais. No Observatório da Imprensa Aqui


 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Lúcio Flávio Pinto

A queimada da Volks

A queimada da Volks

Belém (PA)Hoje, 35 anos depois do incêndio recorde da Volks (que nunca mais voltou a pensar em montar bois), a alteração se aproxima de 20% da superfí

O réquiem do STF

O réquiem do STF

A sessão de ontem foi uma das mais lamentáveis e tristes da história do Supremo Tribunal Federal.

Sinais de intranquilidade

Sinais de intranquilidade

Grande parte da instabilidade que o país vive atualmente decorre de iniciativas do próprio Bolsonaro e dos seus filhos

Chico Mendes: 30 anos do assassinato do líder seringueiro

Chico Mendes: 30 anos do assassinato do líder seringueiro

Chico Mendes está sendo lembrado no mundo inteiro pelos 30 anos do seu assassinato.