Porto Velho (RO) segunda-feira, 21 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Lucio Albuquerque

Hierarquia é de cima para baixo, e não o contrário


Hierarquia é de cima para baixo, e não o contrário - Gente de Opinião

O recente imbróglio proporcionado pela liberação de informações sobre a questão ambiental, pelo INPE, e a reação do presidente Bolsonaro, mostra que alguns segmentos do governo Federal ainda não entenderam que o jogo mudou. A ideia que passa a questão, conforme o noticiário dos grandes veículos de comunicação, é que o presidente extrapolou ao criticar a informação do INPE. Para os últimos governos brasileiros, denunciar destruição ambiental por qualquer organismo, público ou não, soava como música para os ouvidos. Afinal, o alinhamento daqueles governos com entidades internacionais é mais que conhecido, e a ação de seus agentes também, vide o bloqueio à reabertura da rodovia BR-319 – apenas um dos muitos exemplos.

A questão que envolve Bolsonaro e o INPE pode ser resumida numa coisa, de lógica tão simples que se pode até dizer que acontece em qualquer família: um assunto que possa vir a ser de conhecimento de outros deve, antes de ser divulgado, obedecer a uma escala hierárquica. Ora, num momento em que o Brasil busca ganhar espaço na discussão da questão ambiental, o INPE age como se não devesse satisfação a ninguém e libera uma informação sobre a questão ambiental da Amazônia sem que outros escalões, também interessados e, no caso do governo federal, fundamental que seja informado antes que a nota caia na mídia, cuja tendência tem sido, desde antes da eleição, claramente hostil a Bolsonaro.

O presidente, bem a seu estilo, disse o que pensa sobre a liberação de informação estratégica sem conhecimento prévio e sem autorização. Ao contrário do noticiário e dos “especialistas”, não se trata de censurar nada mas, sim, de que pelo menos o centro  do Poder esteja informado a respeito. Censura é uma coisa e hierarquia administrativa é outra.

(Sobre o assunto leia o documento do Conselho Mundial de Igrejas, de 1981 mas sempre atual, no https://www.noticiasagricolas.com.br/noticias/questoes-indigenas/139347-documento-do-conselho-mundial-das-igrejas-cristas-ensina-estrategia-para-tomar-a-amazonia-dos-brasileiros.html#.XTb_xOhKjIU)


E O FOLCLORE RONDONIENSE?

Há um Estado na Amazônia, nosso vizinho Amazonas, onde os meses de junho e julho são marcados por manifestações folclóricas as mais diversas, em bairros, associações comunitárias e a festa maior fica por conta do Festival Folclórico,  em Manaus, com diversos tipos de manifestações folclóricas – em Parintins a disputa de dois grupos o Garantido e o Caprichoso atrai muito público e é um dos motores da economia da “Velha Tupinambarana”, e que começou com apresentações na quadra do Seringal.

O que hoje é um fenômeno cultural imenso, no Amazonas, começou há mais de 60 anos, e vem sendo cultivado desde então, quando o jornalista Bianor Garcia realizou o I Festival – já com manifestações muito além de bumbas e quadrilhas, por ocasião da visita do então presidente português Craveiro Lopes. A partir daí só cresceu.

O que intriga a muitos, e muito a mim mesmo, é a razão da repetição e da falta (será de criatividade ou acomodação?) especialmente nas escolas. Temos aqui o Flor do Maracujá, importante, mas nosso folclore não pode ficar restrito apenas a essas duas manifestações. Aqui falta à estrutura de Governo coragem para investir em além do trivial.

Um Estado formado por “n” origens não pode ficar limitado ao (repito: importante) Maracujá. Agora, há muitos anos, a política cultural rondoniense está restrita ao que eu chamo de “complexo da tartaruga”, aquele animal que quando você toca nele sua ação e recolher-se debaixo de sua carapaça e fazer de conta que não está aí.

Já passou, e muito, o tempo de mudar. Falta só quem tem o poder de fazê-lo deixar a acomodação de lado e não ficar apenas esperando que caia o salário no final do mês.


HISTÓRIAS DO LÚCIO

E esta foi comigo mesmo: fazia dias que o ar-condicionado de um dos quartos lá de casa não funcionava. Chamo o técnico e ele faz testes e depois de meter não sei quantos aparelhos no equipamento, faz uma pergunta:

“Será que está desligado lá no quadro?”. Vou lá e chego a uma conclusão definitiva sobre o assunto.

A chave no quadro de controle, justo a daquele aparelho, estava desligada. Foi dar um clique e a coisa funcionou.

Aí lembrei daquela justa recomendação de que se seu filho estiver com uma febre ou outra coisa assim, antes de correr para o João Paulo II ou o Cosme/Damião, você deve, primeiro, procurar a UBS ou a UPA mais perto de sua casa. Se eu primeiro tivesse tido a curiosidade de verificar o quadro de controle certamente não teria ocupado o técnico.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Lucio Albuquerque

Sinjor abre Roda de Conversa com reflexão sobre 2018

Sinjor abre Roda de Conversa com reflexão sobre 2018

Com participação de mais de 50 pessoas, e transmissão ao vivo no facebook do site rondoniadagente.com.br, o Sindicato de Jornalistas de Rondônia, Sinj

Três fatos no comentário

Três fatos no comentário

         APOIO AO PAPA - A Rádio Caiari, creio que toda rede católica de rádio esteja fazendo o mesmo, está com uma campanha de apoio ao papa Francisc

Orquestra inicia temporada com apresentação no "Cosme e Damião"

Orquestra inicia temporada com apresentação no "Cosme e Damião"

A Orquestra "Villa \|lobos" de Porto Velho, com apoio do Sicoob, inicia hoje, às 10 horas, com apresentação  especial a crianças e funcionários do hos

Aos 83 anos, faleceu o acadêmico Cláudio Feitosa

Aos 83 anos, faleceu o acadêmico Cláudio Feitosa

Faleceu na noite de ontem, dia 2 de outubro, o escritor Cláudio Batista Feitosa, membro da Academia de Letras de Rondônia, onde ocupa a cadeira número