Porto Velho (RO) domingo, 22 de julho de 2018
×
Gente de Opinião

Lucio Albuquerque

ESPAÇO ALTERNATIVO - Por Lúcio Albuquerque


 

Lúcio Albuquerque, repórter

Obra nova, cartão postal de Porto Velho, e já sofrendo das velhas mazelas de sempre:falta de cuidados, ambulantes invadindo área destinada à lembrança histórica, adultos e crianças subindo de qualquer forma e até no teto da locomotiva, gene levando cachorros para fazer xixi no portal do Forte, motoqueiros atravessando de uma pista para outra passando no vão do portal e, o que é pior: a certeza de que outro patrimônio portovelhense está com seus dias contados.

Quem, como eu e muitos, que usamos do Espaço há muitos anos, e que não fazemos dali apenas local para selfies, temos uma preocupação que entendo ser mais que coerente: a segurança e a conservação daquela área, da mesma forma que várias vezes foi denunciado que marginais, travestidos de “notívagos”, iam para ali farrear, destruir e, como lamentavelmente aconteceu, provocar conflito e violência – um homem foi assassinado numa briga.

O Espaço, especialmente a faixa mais próxima à curva do aeroporto, foi transformado em autêntico bordel onde sexo livre e bebida, havia citações de muita droga, e só houve uma ação policial mais dura quando mataram um PM. Recentemente viralizaram fotos de crianças e adultos, na internet, promovendo autêntico carnaval sobe a locomotiva e já aconteceu até um ato de vandalismo no Portal do Forte, o que demonstra sem qualquer dúvida que o contribuinte pode ver, graças a dois fatores, o primeiro a conduta animalesca de gente que nem deveria ir ali. A segunda porque, construída em espaço aberto, com acesso a partir de qualquer local, não tenha havido desde seu início um programa de conscientização e de segurança para aquela obra que corre o sério risco de, em poço tempo, ser, como tantas outras atividades em Porto Velho, componente daquele lamentável grupo do “já tivemos aqui”.

E não se está fazendo qualquer ato de terrorismo, porque os exemplos são muitos e um, bem recente, foi a recuperação do prédio da velha Câmara, que depois dos discursos costumeiros acabou jogado fora e só passou a ser novamente bem tratado quando o professor Mário Jorge presidiu o Conselho Municipal de Educação.

Agora, em artigo bem plantado, a professora Sandra Castiel (*), da Academia de Letras de Rondônia mostra o abandono que se encontra o Palácio Presidente Vargas, onde funciona uma espécie de museu mas ambos, o palácio e o museu, se encontram em situação difícil.

O desapreço de gestores os mais diversos quando o assunto seja manutenção de nosso patrimônio histórico – e nem vou tratar aqui da Madeira-Mamoré porque o abandono de muitos anos é uma prova viva de que a  nossa história é tratada como coisa que deve ir para debaixo do tapete, o que se observa desde o fim do período do Território, ainda que seja inegável que a História do Estado passa, como também em qualquer comunidade rondoniense, mas muito mais passa em Porto Velho e, a ideia que se deixa para quem lê, como se diz, “além da notícia”, é de que cada governo pretende, como muitos animais que eliminam filhos de outros machos, que apenas a sua história fique registrada.


(*) Se ainda não leu, leia e divulgue: http://www.gentedeopiniao.com.br/hotsite/lente-critica/noticia/palacio-presidente-vargas-a-decadencia-e-o-abandono-por-sandra-castiel/176499

Inté outro dia, se Deus quiser!

 
Lúcio Albuquerque
 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Lucio Albuquerque

UM SÉCULO DA GRANDE DAMA DA EDUCAÇÃO DE RO

UM SÉCULO DA GRANDE DAMA DA EDUCAÇÃO DE RO

Dezesseis de julho. Uma data para o futebol chorar, porque em 1950 o Brasil perdia para o Uruguai a Copa cuja final foi disputada no Maracanã. Para o

Caminhoneiros pressionaram... Por Lúcio Albuquerque

FAZE O QUE DIGO, MAS NÃO FAZE O QUE FAÇO

BRASIL BEM NA FOTO: À FRENTE DA COREIA E TAIWAN - Por Lúcio Albuquerque

BRASIL BEM NA FOTO: À FRENTE DA COREIA E TAIWAN - Por Lúcio Albuquerque

Pode parecer ironia que o título se refira ao Brasil estar à frente de duas nações gigantes em tecnologia e economia no mundo, mas, por incrível que i