Porto Velho (RO) sábado, 16 de outubro de 2021
×
Gente de Opinião

Léo Ladeia

Um pirilampo piscando no breu



Foram 5 apagões em 40 dias ou 6 apagões em 42 dias? Não sei e o que importa mesmo é que existiram. Apagões têm como característica principal serem logo percebidos, incomodarem já nos primeiros minutos e causarem prejuízos financeiros.

Como soe ocorre com leite derramado, palavra dita, flecha atirada ou qualquer bobagem do tipo, ao consumidor importa tão somente que o apagão não exista. Contudo no caso em pauta há a frequência e isso incomoda tanto ou mais que o próprio. Tão certo quanto a voracidade do governo, a paralisação de obras, o atraso de ônibus ou a prisão de mais um figurão pelo juiz Moro, o apagão surge recorrente com seus dissabores e normalmente acompanhado da queda do sinal da internet e das indefectíveis notas de esclarecimento brumosas.

E de quem é a culpa pelo apagão?

A energia chega até o usuário final, o tal que usa geladeira, lâmpada, TV, elevador ou em casos extremos, equipamentos de suporte à vida, cumprindo três estágios a saber: geração, transmissão e distribuição.  

A geração de eletricidade ocorre a partir da queima de combustíveis fósseis, aproveitamento hídrico, ventos, placas solares ou fissão nuclear e o grande comprador e/ou gerador é o estado.

Gente de Opinião

A partir da geração a eletricidade segue por cabos aéreos em transmissão e passa por transformadores que aumentam ou diminuem a voltagem, alterando a tensão elétrica. O sistema é estatal.

Um pirilampo piscando no breu - Gente de Opinião

A distribuição ou entrega da eletricidade ao consumidor se dá via concessionárias ou permissionárias controladas e/ou operadas pelo estado.

Em Rondônia a geração de eletricidade é consorciada entre estado e iniciativa privada e tudo o que é produzido é entregue para transmissão do estado, seja pelas usinas de Santo Antonio, Jirau, Samuel ou PCH’s.

Para o bom entendedor bastaria, mas como explicar o “bate-cabeça” dos “pirilampos” do setor? Uma sopa de letrinhas forma a teia de empresas de economia mista quase todas com o nome Eletrobrás, interligadas e/ou ligadas por participações societárias a uma holding, a ELB. Eis aí o sistema elétrico que é coordenado pelo ONS–Operador Nacional do Sistema que em tese segue as determinações da ANEEL, a Agência de Eletricidade, que com outra agência a ANA – a das águas –, paira sobre torres, postes, estações, etc. e que para complicar recebe óleo ou gás da Petrobras para queimar nas usinas térmicas. É assombroso como o polvo político vai lançando e enrolando seus tentáculos.

Faltou alguém? Sim. Enfiado nalgum canto ou pelo meio, está o Ministério de Minas e Energia que tem como chefe um político da base de sustentação do governo. É este senhor ministro ou o seu partido que põe em cada mesa o diretor, chefe, assessor ou algo do tipo que vai tocar o sistema que em tese nunca pode apagar. Está aqui a semente da incompetência.

Claro que engenheiros, técnicos e operadores são preparados para enfrentar problemas e apagões, mas não são eles que fazem as políticas de energia, planos de expansão ou contratos para aquisição de gás e óleo. E já que falei de óleo e gás, o que pode um técnico, engenheiro ou dirigente de uma empresa de economia mista fazer para efetuar o pagamento de débitos com outra empresa como a Petrobrás, que parece ser o curto circuito político por trás dos nossos apagões?     

Se você quiser por a culpa em alguém basta escolher entre Sarney, Color, Itamar, FHC, Lula ou Dilma e/ou seus partidos. Liste-os e nem precisa fechar os olhos já que vivemos no breu. Aperte o botão e espere a luz acender. Não importa quem você escolheu.

Vai acertar na mosca. 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Léo Ladeia

Política & Murupi - Quando o patrão manda abrir a porteira é porque a boiada foi vendida e o dono já é outro

Política & Murupi - Quando o patrão manda abrir a porteira é porque a boiada foi vendida e o dono já é outro

Recomendo vigorosamente àqueles que gostam das entranhas da vida partidária a leitura do livro “COMO MORREM AS DEMOCRACIAS”, um mergulho profundo no

Política & Murupi - Não, o Brasil do pobre faminto não é uma invenção da pandemia e não nasceu hoje

Política & Murupi - Não, o Brasil do pobre faminto não é uma invenção da pandemia e não nasceu hoje

As reportagens sobre pessoas em busca de restos de comida no lixo ou comprando ossos estão proliferando pelas TVS e redes de internet como algo novo

Política & Murupi - Quando tentei entender como funciona o “face”

Política & Murupi - Quando tentei entender como funciona o “face”

Começo com a frase muito difundida no mundo cibernético: se você acha que é um cliente que recebe um produto de graça via internet, acredite: você é

Política & Murupi - O setor da construção civil fechou maio com 2,43 milhões de trabalhadores com carteira assinada

Política & Murupi - O setor da construção civil fechou maio com 2,43 milhões de trabalhadores com carteira assinada

Disse o presidente da poderosa CBIC-Câmara Brasileira da Construção Civil que o setor está operando “como se fosse uma Ferrari andando com o freio d