Porto Velho (RO) quinta-feira, 23 de maio de 2019
×
Gente de Opinião

José Carlos Sá

Lendo no beradão - Por José Carlos Sá


Lendo no beradão - Por José Carlos Sá - Gente de Opinião


Rota da literatura

Começa nesta segunda-feira, 5 de novembro, em Manaus, o projeto Amazônia em Palavras – Edição 2018, que quer levar leitura e muito mais às populações ribeirinhas que vivem entre a capital amazonense e Porto Velho. Para isso, um barco levará professores, escritores, contadores de histórias, músicos, palhaços – que se dedicarão a estimular a leitura entre crianças e adolescentes de localidades ribeirinhas.

O projeto homenageia o poeta amazonense Thiago de Mello, “em reconhecimento ao conjunto de sua obra e sua luta, através da literatura, em defesa da diversidade da Floresta Amazônica e na exaltação da denúncia contra a opressão”, em especial ao “Estatuto dos Homens (Ato Institucional Permanente)”.

A partir de Manaus a expedição vai ancorar em Itacoatiara (07/11), Nova Olinda do Norte (09/11), Borba (12/11), Novo Aripuanã (14/11), Manicoré (16/11) e Humaitá (19/11). Dia 21 de novembro o barco chega a Porto Velho. Serão realizadas cinco oficinas, assim: “Contação de Histórias Indígenas” com José Bessa; “Produção de Contos” com José Roberto Torero; “Sons do Cotidiano” com Bira Lourenço; “Poesia: Narrativa e Escuta” com Elizeu Braga e “Animação: Palavra Animada” com Leo Ribeiro.

No período noturno os participantes terão dois espetáculos, com escritores compartilhando suas experiências. Em Manaus e Itacoatiara, a “Aula Espetáculo Memórias da Amazônia” serão ministradas pelo professor Daniel Munduuruku, com o tema “Catando piolhos, contando histórias: minhas memórias da Amazônia”. Nas outras seis cidades do trajeto o professor José Bessa ministra a Aula Espetáculo “Cinco ideias equivocadas sobres os índios”.

Ainda haverá o Espetáculo Circense “Cloro: o palhaço que engole letras” representado pelo artista argentino Diego Gamarra, que apresenta o Palhaço Cloro e a sua mala carregada de livros e histórias, no universo mágico da literatura, dos livros e das letras.

O projeto Amazônia da Palavra tem o patrocínio do BNDES, Governo Federal, Ministério da Cultura, Lei Rouanet e o apoio cultural da Secretaria de Estado de Cultura do Amazonas, e prefeituras de Itacoatiara, Nova Olinda do Norte, Borba, Novo Aripuanã, Manicoré e Prefeitura de Humaitá.

A atividade é coordenada pelo amigo Jurandir Costa, do Festcine Amazônia, a quem cumprimento em nome de toda equipe.


* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre José Carlos Sá

Um partido envelhecido precocemente

Um partido envelhecido precocemente

Uma matéria do jornalista Eduardo Militão, da sucursal de Brasília da UOL descreve o desgaste interno e externo do partido MDB

Bebendo veneno

Bebendo veneno

Ministério da Agricultura liberou mais 31 novos agrotóxicos

A tristeza da miséria humana

A tristeza da miséria humana

Efeitos deletérios da tragédia de Brumadinho

Os Alfarrábios do Hokney

Os Alfarrábios do Hokney

Tive o privilégio de folhear os originais do livro que possivelmente se chamará “Porto Velho – De Pimentel a Valadares”. A pesquisa vem feita há anos