Porto Velho (RO) sábado, 24 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

José Carlos Sá

Banzeiros 15/08/07


Onde se comenta o que foi e o que não foi notícia

INDULGÊNCIA
Pague suas indulgências com cartão de crédito ou de débito. O Bradesco lançou o cartão de crédito "Solidariedade", visando 139,2 milhões de católicos do Brasil. Mas os juros e taxas não são nada santificados.
++++
PESAR
Lamento a morte do cantor Rubem Parada, ocorrida ontem. O meu abraço à professora Eliete.
++++
PEC DA TRANSPOSIÇÃO
A Comissão Especial da PEC 483-A/2005, da Câmara dos Deputados, se reúne logo mais à tarde, sob a presidência do deputado Mauro Nazif. Pauta: Eleição dos vice-presidentes; elaboração do plano de trabalho; e deliberação de requerimentos. Falando nisso, também hoje deverá ser votada a efetivação no serviço público de cerca de um milhão de trabalhadores temporários ou terceirizados. Uma coisa pode ter a ver com a outra.
++++
CULPA?
Há dias comentei sobre a proibição de pesca nas proximidades da cachoeira de Teotônio, para evitar mortes por afogamento. Alguém, com a imaginação mais fértil que a minha, está espalhando na vila que foi Furnas quem determinou que as autoridades proibissem a pesca. Segundo esta pessoa, é para que os pescadores, impedidos de trabalhar, abandonem o local e a estatal não precise indenizar ninguém.
++++
E O MEU?
Na mesma linha, vi em reportagem exibida pela TV Rondônia, os moradores de Teotônio dizendo que "a licença já saiu e ninguém veio conversar [sobre indenizações] com a gente". Só pensam "naquilo". Aliás, os moradores de Teotônio solicitaram uma reunião na localidade com representantes do consórcio Furnas - Odebrecht. Na hora do encontro três lideranças começaram a bater-boca entre si e a reunião teve que ser adiada.
++++
CRIANDO DIFICULDADES...
Acompanhar os bastidores do puxa-estica das usinas do Madeira é mais emocionante que os bastidores de eleições políticas. Um monte de gente dá palpite, entrevista e não é nada daquilo. A suposta proibição de que Furnas participasse do consórcio com a Odebrecht, nada mais foi que uma cortina de fumaça. Em tempos de queimada, o ardil funcionou.
++++
...PARA VENDER FACILIDADES
Para que outras estatais participem do leilão, além de Furnas, a Odebrecht tem que concordar em abrir mão de um contrato que ela tem assinado junto com a Eletrobrás. Daí a pressão.
++++
BLEFE
Outro blefe é a limitação em 20% na participação de empresas privadas nos consórcios. O edital só pode exigir isso se for previsto em lei. Como não é, o TCU está atento para "melar" a "marmelada". E esse é o entendimento do setor jurídico da Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL. Como disse acima, estão fazendo chantagem.
++++
FOI A IMPRENSA
E o caso Melki? Foi a Imprensa, de novo, a culpada pela confusão. Esse povo não se emenda. Ô raça!
++++
PRAGA
Praga de cliente, que passa duas horas na fila do caixa, pega: "O Banco do Brasil anunciou um lucro de R$ 1,07 bilhão no segundo trimestre, uma queda de 30%". Informação é da Exame News.
++++
NEGÓCIOS
O jornalista Montezuma Cruz, em matéria publicada no site Gente de Opinião, lembra os valores que serão movimentados com a construção de hidrelétricas na Amazônia. Algo em torno de R$ 274,8 bilhões, isso só em implementos e equipamentos. Não é a toa que o parto está sendo difícil.
++++
CURICÃO – O RETORNO
Ontem comentei a crônica do Carlos Sperança sobre a ilha do presídio, na cachoeira de Santo Antônio. Depois é que soube que um dos descendentes do garimpeiro Curicão ainda procura o tal tesouro supostamente deixado pelo pai. Todos os sábados e domingos o homem é visto procurando as garrafas cheias de ouro. A lenda não é lenda para todos.
++++
QUENTURA
Os meteorologistas prevêem calor saariano para Porto Velho, hoje. A temperatura deve chegar aos 35°, 36º. Estávamos acostumados com esse calor quando havia umidade relativa do ar elevada. Com o clima seco, a sensação térmica muda. A fumaça também ajuda a piorar as coisas. Centenas de pessoas estão com problemas respiratórios.
++++
ZONA AÉREA
A crise aérea brasileira está deixando às claras muitas imperfeições: As empresas aéreas faziam o que queriam, não estavam nem aí para ninguém; a ANAC não serve para nada; a Infraero era (é) só uma cobradora de taxas aeroportuárias; os controladores de vôo são mal preparados, desmotivados, mal pagos e sobrecarregados; e o pior: os aviões voavam no limite de suas capacidades de carga. O Airbus, projetado para ter 150 assentos, voava com 187! Será que a coisa tem jeito de ser corrigida? Se Nelson Jobim conseguir, voto nele para presidente da República.
++++
COMEÇANDO MAL
No dia previsto para a reunião do Conselho Administrativo de Furnas, para eleição da nova diretoria da estatal, a Justiça do Rio de Janeiro determina o bloqueio dos bens de um dos indicados para ser diretor da empresa: Lutero de Castro Cardoso. Ele e outro ex-dirigente da CEDAE (A Caerd dos cariocas) são acusados de autorizar o pagamento indevido de R$ 32 milhões para uso de um terreno particular pela companhia. É, tem futuro.
++++
VAIA
A vaia está se tornando uma arma política poderosa. Depois de Lula, na abertura do Pan, já foram vaiados o prefeito do Rio César Maia, o ministro dos Esportes Orlando Silva Jr., o ministro Nelson Jobim. O senador Renan Calheiros nem precisa citar.
++++
VOU ANTES DA VAIA.

Banzeiros 15/08/07 - Gente de Opinião
sajunior@rondoniagora.com

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre José Carlos Sá

Turismo ampliado

Turismo ampliado

Previsto para entrar em funcionamento no próximo dia 9, domingo, o passeio na antiga litorina da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, vai ampliar as opçõe

Um partido envelhecido precocemente

Um partido envelhecido precocemente

Uma matéria do jornalista Eduardo Militão, da sucursal de Brasília da UOL descreve o desgaste interno e externo do partido MDB

Bebendo veneno

Bebendo veneno

Ministério da Agricultura liberou mais 31 novos agrotóxicos

A tristeza da miséria humana

A tristeza da miséria humana

Efeitos deletérios da tragédia de Brumadinho