Porto Velho (RO) sábado, 24 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

José Carlos Sá

As cinzas do passado - Por José Carlos Sá


Nosso passado virou cinzas. A silhueta da estátua de D. Pedro II assiste impotente o fogo acabar com 200 anos de história (Foto Marcelo Moraes /Reuters) - Gente de Opinião
Nosso passado virou cinzas. A silhueta da estátua de D. Pedro II assiste impotente o fogo acabar com 200 anos de história (Foto Marcelo Moraes /Reuters)

BLOG BANZEIROS -  A comoção nacional que se abateu sobre o Brasil após o trágico incêndio que destruiu o Museu Nacional, no Rio de  Janeiro, deve ser canalizada para evitar que outros incêndios aconteçam. O jornalista Júlio Olivar fez, na página dele no Facebook, um diagnóstico dos museus existentes ou que já existiram em Rondônia. Vou resumir:

Museu do Índio – Fechado há 30 anos para reforma e nunca mais foi reaberto;

Memorial Governador Jorge Teixeira – Só existe ainda por causa de alguns abnegados;

Museu da Memória de Rondônia (Palácio Presidente Vargas) – Igualmente fruto de idealismos de poucos;

Centro de Documentação Histórica – Por pouco não foi extinto;

Museu Casa de Rondon, em Vilhena: Esse ainda não foi recuperado. O Ministério da Defesa não abre mão da área;

Prédio do Relógio – antiga administração da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré – seria reformado para abrigar o Memorial de Porto Velho. Na data de início das obras, conta Júlio, o prédio foi retirado da guarda do Estado e transferido para a Prefeitura de Porto Velho, onde seria instalado o gabinete do prefeito. Nada foi feito.

Acrescentando ao que o Júlio listou, lembro a história do Centro de Memória Indígena, que foi construído à pedido e com a supervisão do Iphan e a participação em todos os estágios de projeto e execução da Fundação Cultural de Porto Velho. O prédio ficou pronto no final do segundo mandato de Roberto Sobrinho, porém não foi colocado no orçamento para o ano seguinte nenhum centavo a ser empregado no complexo de prédios que ficam no átrio da Capela de Santo Antônio. Inclusive, moradores da vila de Santo Antônio receberam cursos para explorar comercialmente um espaço destinado a uma lanchonete. Na administração  Mauro Nazif nada aconteceu. A Prefeitura não assumiu o complexo e foi preciso que o Exército Brasileiro encontrasse a destinação para os prédios, montando a exposição permanente “Rondon – Marechal da Paz”, hoje um dos lugares turísticos mais visitados na capital de Rondônia.

Assim caminha a humanidade e a insanidade.

As cinzas do passado - Por José Carlos Sá - Gente de Opinião

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Veja Mais

Mais Sobre José Carlos Sá

Turismo ampliado

Turismo ampliado

Previsto para entrar em funcionamento no próximo dia 9, domingo, o passeio na antiga litorina da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, vai ampliar as opçõe

Um partido envelhecido precocemente

Um partido envelhecido precocemente

Uma matéria do jornalista Eduardo Militão, da sucursal de Brasília da UOL descreve o desgaste interno e externo do partido MDB

Bebendo veneno

Bebendo veneno

Ministério da Agricultura liberou mais 31 novos agrotóxicos

A tristeza da miséria humana

A tristeza da miséria humana

Efeitos deletérios da tragédia de Brumadinho