Porto Velho (RO) domingo, 19 de agosto de 2018
×
Gente de Opinião

João Paulo

Erros Jacobinistas


                           

A eleição para a presidência da Câmara dos Deputados tem sido ultimamente o foco de atenção do Congresso Nacional. A disputa pelo terceiro cargo político mais importante do país é a preocupação central de partidos e congressistas nesse momento. A nova legislatura que se inicia enfrenta o desafio de melhorar a imagem da casa do povo, tão abalada com  "mensaleiros" e sanguessugas". Além disso, a perspectiva é que não se repita os mesmos erros que levaram Severino Cavalcanti (PP) à presidência da casa. Naquela ocasião, um racha dentro do PT, dono da maior bancada na época, possibilitou a ascensão de um deputado do baixo clero, de um partido "mensaleiro" que possuía apenas 10% dos assentos na Câmara.

                 
A disputa de amanhã (01/02), corre o risco de criar uma crise, ou pelo menos abalar a estrutura da base aliada. Tudo ocorre porque novamente como em 2005, a base governista possui dois candidatos na disputa, o atual presidente da Câmara Aldo Rebelo (PC do B) e Arlindo Chinaglia (PT). Além dos dois, Gustavo Fruet (PSDB) se destaca como o candidato da oposição, que apesar de uma candidatura aparentemente sem muita força, pode devido ao racha na base aliada, surpreender na disputa.

                
Nosso sistema político conhecido como "Presidencialismo de Coalizão", implica em uma necessidade extrema de habilidade nas negociações, e como salientou o cientista político Sérgio Abranches,  autor de um estudo clássico sobre o tema,  o presidencialismo de coalizão pode significar uma "faca de dois gumes", e seu sucesso depende principalmente da capacidade do governo em respeitar os pontos ideológicos ou programáticos inegociáveis que nem sempre são acertados durante a formação de coalizões. Nesse contexto, o desgaste provocado por um racha na base aliada, poderá desestruturar a coalizão governamental.

             
Os últimos acontecimentos já mostram a insatisfação do governo em relação as declarações de Aldo Rebelo no debate da Folha de São Paulo. Segundo Aldo, não seria correto concentrar poder demais nas mãos de um único partido. A necessidade de um consenso por parte base aliada influi diretamente nos rumos do 2º mandato do presidente Lula. Tudo indica que haverá 2º turno, e nesse contexto, Gustavo Fruet pode surpreender, apesar do PSDB quase apoiar Chinaglia, o que irritou tucanos como o ex-presidente FHC, que exigia do partido candidatura própria.

             
As negociações já começaram em torno de um possível segundo turno. Tanto Chinaglia quanto Aldo correm atrás do apoio do PSDB. Nos bastidores, tudo indica que o apoio dos tucanos seja dado para Aldo, que segundo eles teria uma posição mais independente, apesar de ser aliado do governo.

             
A eleição para a presidência da Câmara dos Deputados nos remete novamente   aos velhos dilemas do presidencialismo de coalizão em nossa democracia representativa: quem tudo quer, nada tem. É preciso negociar, mas além de tudo isso fica a uma questão no ar, aliados históricos PT e PC do B, não conseguem chegar a um consenso, será mesmo que a esquerda brasileira, como se dizia nos "anos de chumbo", lá pelos idos de 68, só se une na cadeia? Basta esperar amanhã, mas uma coisa é certa, uma possível eleição de Gustavo Fruet, representaria um dos maiores equívocos do governo Lula.


Fonte:

João Paulo Viana é cientista político e professor universitário, autor do livro: Reforma Política – Cláusula de Barreira na Alemanha e no Brasil.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre João Paulo

Robert Michels, os partidos e as eleições 2018 em Rondônia

Robert Michels, os partidos e as eleições 2018 em Rondônia

Nas eleições de 2014 ao governo rondoniense, o então governador e candidato à reeleição, Confúcio Moura (PMDB) venceu, por uma pequena margem de votos

MÍDIA NACIONAL: Legislativo, Executivo e o retorno da instabilidade política em Rondônia

MÍDIA NACIONAL: Legislativo, Executivo e o retorno da instabilidade política em Rondônia

ESTADÃO - A Assembleia Legislativa do Estado de Rondônia (ALE-RO) vivenciou nos últimos quinze anos os episódios mais turbulentos de sua jovem históri

Das improváveis e possíveis alianças na eleição rondoniense em 2018

Das improváveis e possíveis alianças na eleição rondoniense em 2018

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({}); Partindo de uma situação na qual Daniel Pereira (PSB) assumiria o governo com a desincompatibilizaç

João Paulo comenta a mudança de nome do PMDB

João Paulo comenta a mudança de nome do PMDB

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({}); (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({}); João Paulo comenta a mudança de nome do PMDB, é