Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Dante Fonseca

Manuel Paschoal Guimarães: um soldado da borracha potiguar


Embarque na ferrovia Madeira-Mamoré, em Porto Velho, nos anos de 1940 - Gente de Opinião
Embarque na ferrovia Madeira-Mamoré, em Porto Velho, nos anos de 1940


A tarefa do historiador conduz a situações surpreendentes. Isso se dá, entre outras causas, em razão de que pouco pensamos na consequência dela sobre a sociedade e os indivíduos. Em geral, pensamos na História como a “mestra da vida”, aquela que nos fornecerá elementos para não “repetir os erros do passado”. Também pensamos no conhecimento histórico como aquele que fornece elementos para criar em nós o senso de identidade pela percepção de um passado comum. Assim, a simples afirmação banal de que somos brasileiros somente é possível porque conduz embutida em si determinada concepção possível pelo arranjo de diversos episódios do passado. De outro modo, podemos sugerir também que o interesse pela História carrega consigo um tanto de ciência e outro de fantasia. A fantasia consiste no agradável exercício, que para alguns se apresenta, de imaginar o passado.

Voltemos a uma das utilidades acima mencionadas da História. Surpreende-me que as definições mais populares da História atribuam a ela uma função pragmática, a saber: conhecer o passado para não cometer os mesmos erros no presente e no futuro. Espanta-me porque creio que essa função é muito limitadamente satisfeita pela História. Isso se dá, entre outros motivos, porque a História não se repete, ou se repete como farsa, conforme afirmou Karl Marx. Se não se repete, como os fatos do passado serviriam de experiência para o presente? Mas se assim for absolutamente, a oportunidade de produzir erros é oferecida quando em cada momento nos deparamos com situações únicas e singulares. Quando nos referimos à História como ciência evidentemente não queremos igualá-la às ciências exatas. É a História uma ciência na medida em que produz um conhecimento sistematizado do passado, utilizando-se de teoria e métodos apropriados. Não é, contudo, uma ciência exata. Não pode, por isso, produzir um tal indiscutível conhecimento que evite de forma perfeita os erros nem no presente nem no futuro.

Há também o fato, diretamente vinculado à função identitária, de que muitos dos conhecimentos que nos são transmitidos revelam-se com o tempo produtos de mitificações. Paradoxalmente essa é talvez a principal tarefa de qualquer ciência, destruir os mitos. Certa vez, ao demonstrar uma série de inconsistências no atual conhecimento a História do Brasil um aluno me acusou de revisionista. Devo dizer que a afirmação foi feita em tom de acusação e de crítica. Respondi ao rapaz que maior elogio não poderia ser feito à minha atividade profissional. Vivemos constantemente a revisar nosso passado, perscrutando nele erros que possam levar às interpretações mistificadoras. Apesar disso, não acredito, contudo, que a História seja feita de narrativas, não é ela um tipo de ficção, pois tem que reverenciar a empiria. Pode ela produzir conhecimentos com essa natureza mitificadora quando submetida a sua produção à interferência opressiva ou interesseira. Quando produzida em estado de liberdade resulta na árvore do debate, que somente é viçosa quando tem como órgão nutritivo uma saudável raiz da dúvida. Afinal de contas, há algo que se impõe ao historiador, que é externo e independente da sua subjetividade, da sua vontade de dar determinado sentido interpretativo aos fatos.

Alonguei-me demais nessa introdução e peço desculpas àqueles que se dispuseram a ler esse texto, cujo objetivo principal é exercitar uma outra função da História, essa sim exclusivamente utilitária: ajudar as pessoas a obterem seus direitos. Certa vez, ao assistir um seminário no Tribunal de Justiça de Rondônia um magistrado disse-me que havia concedido ganho de causa para uma viúva de soldado da borracha que já havia perdido seu pleito em primeira instância. O que o convenceu da justiça do recurso contra a primeira decisão feito por aquela senhora foi a leitura de um dos meus livros. Fiquei bastante feliz com esse resultado. Até aquele momento não imaginava essa utilidade do meu trabalho. Agora torna a pesquisa a versar sobre um soldado da borracha cuja viúva necessita documentar-se para requerer pensão.

Trata-se da viúva de Manuel Paschoal Guimarães, que foi Soldado da Borracha em Rondônia durante a II Guerra Mundial. Os soldados da Borracha foram aqueles brasileiros que ao invés de seguirem para Itália combater os alemães na Segunda Guerra Mundial, optaram por vir para Amazônia coletar borracha para o esforço de guerra norte-americano. É que durante a guerra a nação norte-americana precisou de suprimentos extras de borracha para abastecer sua indústria bélica. Agravou a necessidade desses suprimentos o fato de que as fontes tradicionais dessa matéria prima se tornarem inacessíveis por causa da ocupação japonesa nas regiões que as produziam. Então o governo norte-americano voltou-se para o Brasil, instando-o a incrementar sua produção de goma elástica. Essa tarefa exigiu o recrutamento de mão de obra e, basicamente, esse recrutamento foi realizado no Nordeste do Brasil. Foi assim que esses nossos conterrâneos vieram para a Amazônia: para cortar seringa em prol do esforço de guerra. Muitos desses homens pensavam que aceitando o recrutamento para vir para a Amazônia fugiam aos perigos da II Grande Guerra. Contudo, a verdade é que morreram mais brasileiros cortando a seringa na Amazônia durante a II Guerra Mundial do que nossos soldados na Itália combatendo os alemães. Assim é que, perguntado pelo sr. Manoel sobre se indo para a Amazônia estava isento de ir para a Itália a resposta do recrutador foi clara, quase uma advertência, respondeu que não, e logo em seguida disse: “[...] quem ia para o Amazonas já estava indo para a Guerra.”

A história que passo a narrar-vos foi transmitida pela senhora Maria do Socorro Guimarães Petit, residente em Teresina (PI), sobrinha neta do Sr. Manoel. O senhor Manoel Paschoal Guimarães nasceu em 1918 na localidade de Santana do Matos no Estado do Rio Grande do Norte. Durante a guerra, já tendo sido chamada a classe de 1917, para seguir para Itália, ele soube que o Ministério do Trabalho estava recrutando gente para vir trabalhar na Amazônia. Assim ele se dirigiu para uma repartição daquele ministério, juntamente com seu irmão, Antonio Afonso Guimarães Filho, e um conhecido, Sebastião Nobre Neto, onde foram recrutados.

Esses eventos iniciais ocorreram em Natal, no Rio Grande do Norte em 1942. Após o alistamento foi imediatamente conduzido para uma hospedaria do governo estabelecida com o fim de abrigar os recrutados que esperavam navio para a Amazônia. Ficou nessa hospedaria até que foi embarcado em um vapor de nome “Itapé” com destino a Belém do Pará. No transcurso para Belém tiveram muito medo, porque havia torpedeamento de navios na costa brasileira pelos alemães. Chegando a Belém eles ficaram noutra hospedaria já providenciada pelo governo para esse tipo de trabalhador, como em Natal. Esperaram ali o navio que seguiria para o Porto Velho, embarcando finalmente no gaiola a vapor “Eduardo Ribeiro”.

No trecho que descreve sua chegada a Porto Velho encontrei interessante lembrança sobre o nosso primeiro governador e deputado federal. Diz ele que chegando aqui foi realizada uma reunião dos recrutados com seringalistas e com o diretor da madeira Mamoré o então Major Aluízio Ferreira. E declara:

 

Daí tivemos uma reunião com  patrões e encarregados dos patrões, tendo feito parte dessa reunião o Major Aluisio Ferreira o homem que mandava em Porto Velho, a ponto de todo mundo teme-lo. Enquanto os patrões e encarregados requisitavam o pessoal para os seringais, o major Aluisio queria nos levar para estrada de ferro Madeira-Mamoré a linha férrea que ligava Porto Velho a Guajará-Mirim. O Major com autoridade, colocou-se em lugar de destaque e disse: quem quiser seringal passe para ali e quem quiser Madeira-Mamoré passe para esse outro lado. Todos ficamos do lado do seringal. O major ficou um pouco irritado com a opção dos presentes e disse: É tempo de Murici, cada qual faça por si, que eu olharei a todos.

 

A partir desse momento então foi escolhido aquele que seria seu futuro patrão, João Chaves de Melo, dono do seringal São Sebastião, sendo designado juntamente com seu irmão e companheiro para seguir para o Rio Preto afluente do Jamari, onde ficaram na colocação Santa Clara. Embarcaram em Samuel e no Santa Clara trabalharam durante algum tempo. Lamentavelmente nessa aventura o seu irmão veio a falecer, ficando enterrado no rio no Rio Preto.

Em 1944 transferiu-se para um seringal denominado Guarani, no rio Canaã, outro afluente do Jamari, pertencente ao português Albino Henrique. Ficou nesse seringal até 1947 quando novamente retornou a Porto Velho de onde embarcou para Belém em um cargueiro de nome “Maná” e de lá para o Rio Grande do Norte em outro navio, o “Comandante Ripper”, no qual ele chegou ao seu destino no dia 6 de abril de 1947.

Ao chegar à sua casa abraçou e entregou à sua mãe, com lágrimas nos olhos, uma maleta com os pertences do irmão falecido, pedindo aos presentes que nunca o perguntassem onde esteve e o que passou. Passados os anos, já com mais de noventa anos fez uma memória dessa viagem, que um parente digitou.

É assim então a história do sr. Manoel Pascoal Guimarães, uma história comum nessa época. Muitos nordestinos foram recrutados para cortar borracha na Amazônia e passaram por peripécias e sofrimentos semelhantes. Finalizando, peço aos leitores que se alguém tiver alguma informação sobre a atividade desse senhor aqui em Rondônia por favor entre em contato, dê alguma informação para que possamos ajudar a sua viúva.

Abaixo seguem algumas fotografias do sr. Manoel Pascoal:

Manuel Paschoal Guimarães: um soldado da borracha potiguar - Gente de Opinião
Foto assinalando o sr. Manoel Pascoal - Gente de Opinião
Foto assinalando o sr. Manoel Pascoal
Manuel Paschoal Guimarães: um soldado da borracha potiguar - Gente de Opinião

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Dante Fonseca

O Noroeste Amazônico de Thomas Whiffen, obra agora disponível em português

O Noroeste Amazônico de Thomas Whiffen, obra agora disponível em português

Foi lançado na quarta-feira passada (07/08/2019), na Biblioteca da UNIR campus de Porto Velho, a tradução para o português do livro intitulado “The

Rondon: racismo e esquecimento internacional

Rondon: racismo e esquecimento internacional

Recentemente recebi como presente de um amigo um livro escrito pelo jornalista norte americano Larry Rohter. A obra trata da biografia de Rondon e s

Fecomércio/RO apresenta a proposta do Desenvolvimento Aéreo às Prefeituras de Cacoal e Presidente Médici

Fecomércio/RO apresenta a proposta do Desenvolvimento Aéreo às Prefeituras de Cacoal e Presidente Médici

A comitiva do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac/IFPE, liderada pelo presidente Raniery Araujo Coelho, apresentou na manhã de ontem (23), a Proposta do D

Aluízio Pinheiro Ferreira e Joaquim Vicente Rondon: a primeira sucessão no governo do Território Federal do Guaporé (1946)

Aluízio Pinheiro Ferreira e Joaquim Vicente Rondon: a primeira sucessão no governo do Território Federal do Guaporé (1946)

 A um autêntico historiador ocorreria talvez ir ver diretamente as fontes e examina-las com espírito crítico, para decidir que tem razão – ou se até