Porto Velho (RO) sexta-feira, 22 de junho de 2018
×
Gente de Opinião

Dante Fonseca

Lançamento de trabalho acadêmico - Por Dante Fonseca


Acabei de lançar o livro intitulado “In idem flumen: as povoações do rio Madeira e a origem de Porto Velho (século XVIII ao XX)” trata-se de um trabalho elaborado sob os auspícios do Instituto Histórico e Geográfico de Rondônia – IHGRO, composto por um conjunto de três estudos sobre a origem de Porto Velho inserida no processo de neocolonização do rio Madeira. Contém os três estudos: 1º. Estudo: A ocupação neocolonial do rio Madeira no século XIX, 2º. Estudo: A época das ubás e a época dos vapores: duas dinâmicas, dois povoados e para concluir o já conhecido 3º. Estudo: Uma cidade à far-west: tradição e modernidade na origem de Porto Velho. Traça, assim, um roteiro da lenta tomada do rio pela sociedade nacional ao influxo dos surtos extrativistas cuja culminância é o surto gumífero. Esses estudos não deixam obscurecer, apesar de tratar dos surtos gumíferos, a importância do rio Madeira como rio fronteiriço e as mudanças nas dinâmicas das povoações ocasionadas pela entrada das modernas tecnologias: a ferrovia e a navegação a vapor.

Lançamento de trabalho acadêmico - Por Dante Fonseca - Gente de Opinião

Também disponíveis para aquisição as obras do mesmo autor:

Lançamento de trabalho acadêmico - Por Dante Fonseca - Gente de Opinião

Estudos de História da Amazônia, volume I, contendo os seguintes capítulos: Uma cidade à far-west: tradição e modernidade na origem de Porto Velho; Capítulo II: Rondon e o SPI em Guajará-Mirim (RO) na década de 1930; Capítulo III: Fronteiras incertas: a colonização do rio Madeira; Capítulo IV: Extrativismo e subdesenvolvimento; Capítulo V: História e ecologia.

Lançamento de trabalho acadêmico - Por Dante Fonseca - Gente de Opinião

Estudos de História da Amazônia, volume II, contendo os seguintes capítulos: Capítulo I: A História e a cultura na fronteira rondoniense Brasil/Bolívia ; Capítulo II: A Madeira-Mamoré e o Imperialismo na Amazônia (versão revisitada); Capítulo III: O surto gumífero e a navegação na Amazônia.

Todas as obras podem ser adquiridas através do emeio livrosrondoniana@gmail.com

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Dante Fonseca

 O soldado anônimo e a fronteira do rio Madeira ao Guaporé.

O soldado anônimo e a fronteira do rio Madeira ao Guaporé.

Coronel “Teixeirão” e o Dia do Guerreiro de Selva

O boliviano Ignácio Arauz e a colonização do rio Madeira no século XIX

O boliviano Ignácio Arauz e a colonização do rio Madeira no século XIX

Por Dante Ribeiro da Fonseca Assistente de pesquisa: Glendha Stefhany Goncalves da Silva Pereira (acadêmica de História da UNIR) Na segunda metade do

Major Fernando Guapindaia de Souza Brejense, primeiro superintendente (prefeito) de Porto Velho (1915-1916) - Por Dante Ribeiro da Fonseca

Major Fernando Guapindaia de Souza Brejense, primeiro superintendente (prefeito) de Porto Velho (1915-1916) - Por Dante Ribeiro da Fonseca

Major Fernando Guapindaia de Souza Brejense, primeiro superintendente (prefeito) de Porto Velho (1915-1916) Por Dante Ribeiro da Fonseca Assistente de

Aldeamentos indígenas e agricultura na Amazônia no auge do Primeiro Surto Gumífero - Por Dante Ribeiro da Fonseca

Aldeamentos indígenas e agricultura na Amazônia no auge do Primeiro Surto Gumífero - Por Dante Ribeiro da Fonseca

Outro recurso, utilizado para o abastecimento das novas regiões gumíferas, foi as roças plantadas por algumas missões indígenas.   Por exemplo, existi