Porto Velho (RO) sábado, 22 de janeiro de 2022
×
Gente de Opinião

Confúcio Moura

Confúcio Moura: Vamos partir pra cima



O Governo Federal lançou oficialmente o programa de SEGURANÇA NAS FRONTEIRAS. Assisti a seu lançamento em Brasília. E ninguém mais do que nós rondonienses temos necessidade desta segurança. A nossa fronteira com a Bolívia chega pertinho de 1400 km. O Rio Guaporé nos sepera.

E muita coisa precisa ser feita. Além da presença de tropa regularmente distribuída, tropa do Exército e da PM. De um eficiente sistema de tecnologia que leve meios instantaneos de comunicação entre “pontos” de vigilância e os seus controles em Porto Velho e Brasília.

Além de todo instrumental de segurança, armamentos, equipamentos, avisões, veículos, barcos e gente contratada, tem muito mais, a integração verdadeira dos ribeirinhos, extrativistas, pequenos comerciantes ao Brasil. Eles sempre viveram à margem da cidadania e do próprio olho do poder. Qualquer poder. O local, o estadual e o federal.

Chegou a hora de investir em nosso povo. Para segurança deles também. Levar boas escolas e bons professores para os índios e comunidades. Levar alternativas econômicas viáveis para todos. Levar a pesquisa cientifica para dentro da floresta e dos rios. Levar para a nossa fronteira a necessária preparação da mão de obra local para o uso dos produtos florestais e dos rios.

Chegou a hora de proteger a fronteira e o homem. Chegou a hora de combater o contrabando e o tráfico de drogas por meios inteligentes. Chegou a hora de se enxergar de verdade quem nunca foi visto e que existe. Os nossos brasileirinhos silenciosos e tímidos.

Por isto, Programa de Segurança de Fronteiras lançado e agora, e ir pra cima, como protanista de um novo momento da História.

Fonte: Blog do Confúcio
 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Confúcio Moura

Urus e Pacaás

Urus e Pacaás

Vou inventar um nome aqui. Aliás, nomes. Porque falar em manter reserva de índio, florestas nacionais ou parques é motivo para ser assassinado. O no

Histórias inacreditáveis

Histórias inacreditáveis

Contar história é também uma arte e um ofício. E cada pessoa, depois de alguns “janeiros” nas costas, vai olhando pra trás e vê pelo retrovisor – a

O salto no escuro (uma história da pandemia COVID-19) Capítulo 60

O salto no escuro (uma história da pandemia COVID-19) Capítulo 60

Falei no capítulo 59 que daria um tempo para continuar com a série. Se não fizer esta pausa, terminarei repetindo demais, indo e voltando. Estou ven

O salto no escuro (uma história da pandemia COVID-19) Capítulo 59

O salto no escuro (uma história da pandemia COVID-19) Capítulo 59

Temos um ano, apenas, de convivência com o coronavírus (Covid-19). E o esforço tem sido enorme pelos profissionais de saúde para, pouco a pouco, ire