Porto Velho (RO) domingo, 24 de outubro de 2021
×
Gente de Opinião

Confúcio Moura

Histórias inacreditáveis


Histórias inacreditáveis - Gente de Opinião

Contar história é também uma arte e um ofício. E cada pessoa, depois de alguns “janeiros” nas costas, vai olhando pra trás e vê pelo retrovisor – a sua bela história de vida, sempre recheada de acrescentos, de raios, de tempestades, de encontros com onças, com cobras que engolem boi inteiro. E vê, afinal, que nada de fenomenal o impediu de chegar com vida aonde chegou.

Dona Dova era moradora de lá do Rio Jamari, logo abaixo, numa grota, onde atracava a balsa que, nos tempos de chuvas intensas, perdia a serventia, pela cheia do rio. Dona Dova foi pegando fama por, ali mesmo, na sua sala, ou em qualquer ponto da sua casa de madeira, atender a doentes que vinham nas redes, dos garimpos e dos seringais.

Partos ela perdeu a conta. Querendo ou não, era com ela que tudo se resolvia. Tinha, sempre em mente, um lampejo de fé, de azeites e de chás, e assim conduzia as mais dificultosas situações. É como se diz -“o Deus dos desvalidos é mais poderoso”.

Sargento Brasil era o chefe do destacamento da PM da Vila de Ariquemes, lá pelos anos setenta e poucos. Só que ele não era somente sargento. Era tudo: delegado, juiz, promotor – ele era a primeira instância e, ao mesmo tempo, o supremo. Ai de quem o desobedecesse. Ai, Ai. A Vila foi inchando de gente. Os colonos do INCRA, gaúchos, baianos, paranaenses, catarinenses, gente de todo lado do país. O sargento e mais dois soldados davam conta do recado e iam enquadrando os forasteiros no ritmo da sua lei.

Eu, como médico novo, também recém-chegado, dentro de um improviso extraterreno, era requisitado por ele para fazer exames de corpo de delito e necropsia, e ponto final. Mesmo não sendo servidor público, era tudo na base da “ordem – são ordens” e obedece quem tem juízo. Coitado de mim. Nesse entrevero, surgiu uma amizade perenizada até a sua morte. E uma enorme consideração, dos dois lados.

Belchor era dentista prático. Junto comigo pegava a estrada de chão, com chuva ou sol, todo sábado, para atendermos no Garimpo de Massangana. Um trecho de 50 quilômetros, que se gastava até duas horas para percorrer. Lá se ia para as casas dos primeiros colonos às margens da BR 421, e para as dos seringueiros e garimpeiros entreverados nas capoeiras e pequenas clareiras. Ele fazia o serviço por etapas. Primeiro a extração de todos os dentes dos fregueses.

Ali mesmo, nos casebres. Metia o boticão. Dava um tempo para cicatrizar as gengivas. Para a pessoa se acostumar a mastigar sem dentes. Depois ele vinha com a “chapa”. A gente parava o carro, Belchor gritava de longe: – “dona fulana!!!” Repetia duas a três, e lá vinha ela correndo pelo carreador. “Bom dia, Seu Belchor”. Ele pedia – “abre a boca”. Ela abria. Ele tirava do bolso a dentadura, dava uma limpava na camisa e encaixava a “perereca”, como era chamada, na boca da freguesa e ia logo dizendo – “tenha paciência, dói um pouco, mas a senhora vai se acostumar”.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Confúcio Moura

Urus e Pacaás

Urus e Pacaás

Vou inventar um nome aqui. Aliás, nomes. Porque falar em manter reserva de índio, florestas nacionais ou parques é motivo para ser assassinado. O no

O salto no escuro (uma história da pandemia COVID-19) Capítulo 60

O salto no escuro (uma história da pandemia COVID-19) Capítulo 60

Falei no capítulo 59 que daria um tempo para continuar com a série. Se não fizer esta pausa, terminarei repetindo demais, indo e voltando. Estou ven

O salto no escuro (uma história da pandemia COVID-19) Capítulo 59

O salto no escuro (uma história da pandemia COVID-19) Capítulo 59

Temos um ano, apenas, de convivência com o coronavírus (Covid-19). E o esforço tem sido enorme pelos profissionais de saúde para, pouco a pouco, ire

Oposição e coragem

Oposição e coragem

Fazer oposição é um ato de coragem. Eu me lembro do Jerônimo Santana, do MDB, em pleno regime militar, tempos duros, onde poucos se atreviam a falar