Porto Velho (RO) sábado, 22 de janeiro de 2022
×
Gente de Opinião

Confúcio Moura

Confúcio Moura pede apoio


 
Faltam poucos nomes para eu completar o Governo. Muitos secretários não são políticos e nem filiados a nenhum partido. E nem foram indicados por ninguém. Maioria é indicada pelo seu partido político, que foi aliado no primeiro ou no segundo turno. Outros tantos são do meu partido - o PMDB.

Está aí composta a minha quase completa colcha de retalhos. Colorida e bonita. Mês que vem começaremos a agir. A governar do Estado de Rondônia. E isto não é brincadeira não. Governar precisa agir, ter velocidade, conhecimento e gostar de gente.

Muito gente pode estar pensando, fui indicado, sou isto e sou aquilo, vim pra ficar, ninguém me tira, tenho padrinho forte, faço o que quero, tenho a chave do meu cofre, porteira fechada e faço o que quero. Tire isto da cabeça, quem por engano esteja pensando desta forma. Comigo não, meu bem. Comigo você tem que levantar cedo, correr o trecho, conversar muito, estudar, buscar dinheiro fora, dar seu jeito, montar equipe, buscar parceria, ser transparente e dar resultado para o Estado.

Caso contrário, não tenho nenhum compromisso com gente ruim, improdutivo, preguiçoso, retrógrado, vingativo, birrento, ciumento, dono do mundo. Sou adepto do modelo time de futebol. Tá jogando bem fica até o fim. Deu moleza, não fez gol, vai pro banco e entra o regra três. Sou o técnico do time, sou homem sem alma, sem amigos no time, sem apadrinhados. O que me move é a produtividade.

Então, povo de Rondônia, partidos, prefeitos, vereadores, deputados, enfim, me apoiem porque é assim que deve ser.

Fonte: Blog do Confúcio
 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Confúcio Moura

Urus e Pacaás

Urus e Pacaás

Vou inventar um nome aqui. Aliás, nomes. Porque falar em manter reserva de índio, florestas nacionais ou parques é motivo para ser assassinado. O no

Histórias inacreditáveis

Histórias inacreditáveis

Contar história é também uma arte e um ofício. E cada pessoa, depois de alguns “janeiros” nas costas, vai olhando pra trás e vê pelo retrovisor – a

O salto no escuro (uma história da pandemia COVID-19) Capítulo 60

O salto no escuro (uma história da pandemia COVID-19) Capítulo 60

Falei no capítulo 59 que daria um tempo para continuar com a série. Se não fizer esta pausa, terminarei repetindo demais, indo e voltando. Estou ven

O salto no escuro (uma história da pandemia COVID-19) Capítulo 59

O salto no escuro (uma história da pandemia COVID-19) Capítulo 59

Temos um ano, apenas, de convivência com o coronavírus (Covid-19). E o esforço tem sido enorme pelos profissionais de saúde para, pouco a pouco, ire