Porto Velho (RO) quinta-feira, 20 de janeiro de 2022
×
Gente de Opinião

Confúcio Moura

Confúcio Moura: A Bailarina da Praça


A Bailarina da cidade sempre acorda com os sons das ruas. De onde estiver e ninguém sabe a sua morada ela assoma no lugar com velocidade incrível. O pólen que a atrai é a música e o próprio povo. Se for banda de música ou batidão de tambores ainda mais veloz ela fica. E aparece milagrosamente no meio da festa. Em quase todos os eventos cívicos celebrados à frente do Palácio Getúlio Vargas, eis que surge, inusitadamente, a mesma mulher. Maquiada a face com tintas fortes. Saia curta para gestos livres. Blusa em cores verdes amarelas. Tiras de fitas longas às mãos. Cabeleira ornamentada como se fosse um orquídea. Corpo negro adornado com sorriso aberto, branquíssimo. Põe-se a cantar, marchar e a dançar aos dobrados da banda ou das batidas fortes das fanfarras.

Pernas e braços roliços ritmados. Uma coreografia nativa que encanta. Impõe respeito como se a sua apresentação fosse programConfúcio Moura: A Bailarina da Praça - Gente de Opiniãoada pelo cerimonial. Consegue atrair o olhar de todos com terna admiração. Sua incrível flexibilidade, joga-se ao chão, pernas abertas, cola-se à calçada sem esforço e dor. O sorriso sempre fulgurante.

No dia primeiro passado, abertura da Semana da Pátria, o seu espetáculo foi o maior. Ela coreografou poesias. Alguém disse que ela poderia ser palavra em si mesma. Porque ela é o poema que faltava à Rondônia. Se é perfeita de mente e razão ninguém sabe. Porque ninguém pergunta ao poeta se ele tem faculdades mentais equilibradas. O que nos interessa é o espetáculo. Porque a Bailarina da Praça é tudo aquilo de fantástico que surge no marasmo do dia. Só ela se põe a mostrar na espontaneidade de vida de maneira tão simples. Ela nos traduz com a rebeldia que não sabemos fazer. O que nos falta sobra nela. Nada cobra, ninguém a apresenta, nem a aplaude, ela surge como um raio que entra pelo telhado. Ela nos agrada com a sua ingenuidade de criança travessa. A Bailarina faz melhor porque ela se escreve na paisagem de Porto Velho. É a poesia que não existe, a contravenção às nossas regras, o imprevisível que se realiza. Ela é o mais fantástico absurdo do deslumbramento.

Quem sabe ela não seja a incorporação de todas as nossas lendas amazônicas?

Fonte: Blog do Confúcio
 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Confúcio Moura

Urus e Pacaás

Urus e Pacaás

Vou inventar um nome aqui. Aliás, nomes. Porque falar em manter reserva de índio, florestas nacionais ou parques é motivo para ser assassinado. O no

Histórias inacreditáveis

Histórias inacreditáveis

Contar história é também uma arte e um ofício. E cada pessoa, depois de alguns “janeiros” nas costas, vai olhando pra trás e vê pelo retrovisor – a

O salto no escuro (uma história da pandemia COVID-19) Capítulo 60

O salto no escuro (uma história da pandemia COVID-19) Capítulo 60

Falei no capítulo 59 que daria um tempo para continuar com a série. Se não fizer esta pausa, terminarei repetindo demais, indo e voltando. Estou ven

O salto no escuro (uma história da pandemia COVID-19) Capítulo 59

O salto no escuro (uma história da pandemia COVID-19) Capítulo 59

Temos um ano, apenas, de convivência com o coronavírus (Covid-19). E o esforço tem sido enorme pelos profissionais de saúde para, pouco a pouco, ire