Porto Velho (RO) sábado, 26 de maio de 2018
×
Gente de Opinião

CHUTANDO O BALDE

CHUTANDO O BALDE: LIXO HUMANO


  CHUTANDO O BALDE: LIXO HUMANO - Gente de Opinião
 

 LIXO HUMANO 

Gente de Opinião

William Haverly Martins

A esperança talvez seja o sentimento humano mais cultuado pela humanidade, aquele que empurra as pessoas para o amanhã, independentemente de todas as absurdidades acontecidas no ontem e no hoje. O que diferencia os esperançosos entre si é o tempo de espera ou o discernimento de acreditar num tempo extra após a lida humana.

O ser humano pode e deve contribuir para encurtar o tempo da esperança, mesmo sabendo que ela oculta enorme caixa de desejos, que vão sendo substituídos, à medida que são alcançados. A esperança não tem fim, é um tempo que se estica na proporção da competência e da capacidade de cada um; é um caminho carpetado de ilusões rumo ao porvir; é o renovar da luz, no fim do túnel das carências; é a celebração da vaidade humana ao se mostrar além da metafísica, além da razão, nos limites da revelação. Ainda assim, é o alimento da vida, mesmo aos seguidores do pensamento de Nietzsche, quando descaracteriza a nobreza do aludido sentimento. 

A esperança não pode, nem deve ser um desejo singular, depende de um amontoado de conquistas pessoais e coletivas que transformam o sonho pessoal, o desejo individual, em realidade coletiva concreta.

Nosso passado de esquerda nos relembram o sonho da igualdade, nos remetem as nossas bandeiras vermelhas desfraldadas pelo bem-estar coletivo. Mais tarde compreendemos os devaneios equivocados e, oportunamente, mudamos de posição assumindo a direita, o que não significa dizer que desistimos de nossa esperança coletiva. Por isso brigamos e chutamos o balde com veemência, chutes nem sempre compreendidos pelas margens plácidas.

A única revolução capaz de mudar o destino da nossa frágil democracia é a educacional, aquela que abre a mente e garante o voto esclarecido: antes de sonharmos com o nível superior para nossos filhos, devemos primeiro cobrar melhores cursos fundamental e médio, lastro para se alcançar a universidade. Todos os países do topo do IDH começaram subindo esses degraus.

Ao exigirmos das nossas autoridades mais verbas e mais reformas, a fim de não nos distanciarmos daqueles que nos servem de referência no mundo, estamos cumprindo a nossa parte neste latifúndio social. Não podemos aceitar o fim da tabela no ranking da desigualdade, porque merecemos e queremos o topo. Ou elegemos um Tite ou entregamos o país às mãos de quem possa fazer valer o slogan “ordem e progresso” clamado por nosso lábaro estrelado, dilema facilmente resolvido pela educação de qualidade.

Além da diferença entre ricos e pobres, também merece nossa luta a baixa representatividade da mulher na sociedade brasileira: Mônica Moura, Dilma, a senhora Cabral e a senadora/presidente do PT não representam as inúmeras guerreiras anônimas deste país, acanhadas pelo achaque machista.

Em meio ao desalojar violento dos viciados em craque na cidade de São Paulo, um jovem viciado, mas esclarecido pela educação, levantou a voz para uma entrevista na TV dizendo-se consciente do seu vício, mas também sabedor de que o vício maior deste país é o vício da corrupção e concluiu, renovando meus chutes e minha vontade de lutar, embora desesperando minhas lágrimas impotentes: “Sei que sou um intolerável lixo humano, mas não pior do que o lixo tolerado dos políticos corruptos”.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre CHUTANDO O BALDE

CHUTANDO O BALDE:  EM BUSCA DE UM ESTADISTA

CHUTANDO O BALDE: EM BUSCA DE UM ESTADISTA

EM BUSCA DE UM ESTADISTA William Haverly Martins Desde março de 1985 que o país está à deriva, esperando as ações salvadoras de um estadista, um homem

CHUTANDO O BALDE:  RÉU DO SEXO

CHUTANDO O BALDE: RÉU DO SEXO

RÉU DO SEXO    William Haverly Martins Mais um ano está findando, acredito que o próximo seja o último comandado pelas quadrilhas do PT/PMDB/PSDB/PR/P

CHUTANDO O BALDE: SINTO VERGONHA DE MIM

CHUTANDO O BALDE: SINTO VERGONHA DE MIM

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});  “SINTO VERGONHA DE MIM”   William Haverly Martins Sempre foi muito difícil entender o silêncio de

CHUTANDO O BALDE: A ELEIÇÃO DOS CANALHAS

CHUTANDO O BALDE: A ELEIÇÃO DOS CANALHAS

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});   A ELEIÇÃO DOS CANALHAS     William Haverly Martins A palavra crise, nos seus mais variados sentid