Porto Velho (RO) quinta-feira, 16 de agosto de 2018
×
Gente de Opinião

Abnael Machado

Decadência Dos Vales dos Rios Guaporé, Mamoré e Madeira (I)


 

 Ao findar o século XVIII os vales dos rios Guaporé e Madeira entraram em um processo de decadência econômica e de esvaziamento populacional, em decorrência da exaustão das jazidas auríferas, da paralisação do plano de desenvolvimento econômico da Amazônia e da remoção das guarnições militares dos povoados e vilas dos rios Madeira, Mamoré e Guaporé para o vale do rio Paraguai ameaçado de invasão pelos espanhóis. Quem mais se ressentiu foi o alto Guaporé, havendo o seu abandono pelos mineradores, comerciantes, funcionários públicos e militares, permanecendo alguns poucos aventureiros gradativamente se tornando miseres faiscadores de ouro os escravos e seus descendentes, agora livres se autogovernando, sobrevivendo do cultivo da lavoura, da pesca, caça, e coleta de produtos florestais todos de subsistência familiar. A estes guaporeanos muito deve o Brasil e ainda não lhes prestou o devido reconhecimento de terem sido êles pela persistência em permanecer no vale do Guaporé como seus guardiões, assegurando a sua posse pelos brasileiros.
 
No vale do Madeira seus habitantes mamelucos e indígenas ex-missionados esses livres da tutela dos jesuítas, permaneceram os primeiros, uns nos pequenos núcleos populacionais e outros em grupos isolados nas margens do rio. E os segundos, alguns nas remanescentes missões e a maioria retornaram para a floreta. Todos passaram a sobreviver da pesca, da caça, da agricultura temporária de várzea e da coleta de produtos florestais, trocando os excedentes por manufaturados com os raros comerciantes fluviais oriundos de Belém-do-Pará. Situação que começa a se modificar a partir da década de quarenta do século XIX com a crescente procura e valorização da borracha no mercado internacional, matéria prima imprescindível á indústria surgida na chamada “Revolução Industrial”, em crescente evolução.

Primeiro Ciclo Econômico da Borracha
Na Amazônia - 1860 a 1915

Nos vales dos rios Madeira, Mamoré, Guaporé e de seus respectivos afluentes, no espaço atualmente limitado pelo estado de Rondônia, o grande fluxo migratório que a partir de 1.860, para esses convergiu em busca de áreas abundantes de seringueiras (árvore da família das Euforbiáceas Hevea Brasiliensis e Hevea Randiniana), das quais é extraído o látex da borracha, era originário do oriente boliviano e do nordeste brasileiro. Os bolivianos assentaram seringais nos vales dos rios Guaporé (margem direita), do baixo Mamoré e do rio Madeira, neste desde o local de sua formação (na confluência dos rios Mamoré e Beni) até Carapanatuba, abaixo da atual cidade de Humaitá, além dos atuais limites de Rondônia/Amazonas, constituindo uma população predominantemente boliviana em território brasileiro. Por sua vez, os nordestinos em maioria se dirigiram a partir de 1.852 para os vales dos rios Purus, Iaco, Acre e Juruá, originando uma população totalmente brasileira em território pertencente á Bolívia e ao Peru.

Os bolivianos tanto no vale do Guaporé como no alto do alto e médio Madeira, os encontram embora rarefeito, habitados por brasileiro. Ao contrário dos brasileiros que se estabeleceram nos vales dos rios do atual estado do Acre, os encontraram desabitados por bolivianos e peruanos.

 Essas ocupações ocorreram em decorrência da falta de uma definição precisa dos limites fronteiriços entre a Amazônia Ocidental brasileira e os países vizinhos Bolívia e Peru.

____ Limite Ocidental da Amazônia Portuguêsa com o Vice-Reino do Peru, pretendido por Portugal (1.750) uma linha reta partindo da foz do rio Guaporé até alcançar a nascente do rio Javari no sentido Leste/Oeste.

Decadência Dos Vales dos Rios Guaporé, Mamoré e Madeira (I) - Gente de Opinião

Escala: 1:11.500.000 - Convenções: ----Território Contestado. Disputado pelo Peru, Bolívia e Brasil.  + Limites entre o Peru, Bolívia e Brasil, a partir de 1903.
1. Confluência dos rios Guaporé/Mamoré; 3. Confluência dos rios Mamoré/Beni; 4. Confluência dos rios Abunã/Madeira; 2. Ponto no médio rio Madeira um pouco acima de Humaitá/AM; 5. Nascente do rio Javari.

Ainda no período colonial, o limite entre Amazônia Ocidental e vice-Reino do Peru, pretendido por Portugal era uma linha reta no sentido Leste/Oeste, partindo da foz do rio Guaporé até alcançar a nascente do rio Javari. As terras a esquerda dessa linha pertenciam a Espanha e as da direita a Portugal. (Tratados de Madri 1.750 e Santo Idelfonso 1.777).   

Limite Ocidental da Amazônia portuguêsa com o Vice-Reino do Peru, pretendido pela Espanha.  Uma linha reta no sentido Leste/Oeste, partindo da margem esquerda do rio Madeira próximo a atual cidade de Humaitá/AM, até alcançar a nascente do rio Javari.
Decadência Dos Vales dos Rios Guaporé, Mamoré e Madeira (I) - Gente de Opinião
Escala: 1:11.500.000 - CONVENÇÕES: ----- Território contestado - Disputado pelo Peru, Bolívia e Brasil + Limites entre o Peru, Bolívia e Brasil.  A patir de 1903.
1 Confluência dos rios Guaporé/mamoré - 3. Confluência dos rios Madeira;Beni - 4. Confluência dos rios Abunã/Madeira - 2. Ponto do médio rio Madeir aum pouco acima da cidade de Humaitá/AM - 5.Nascente do rio Javari.

Por sua vez a Espanha propugnava que essa linha partisse da margem esquerda do médio curso do rio Madeira de um local próximo a atual cidade de Humaitá/AM, até alcançar as nascentes do rio Javari, prevalecendo essa pretensão até 1.867. 

Em 1.867 o império do Brasil e a República da Bolívia firmaram o Tratado de Ayacucho p elo qual a questionada linha geodésica, partiria da confluência do rio Beni com o rio Madeira, no sentido Leste/Oeste até alcançar as nascentes do rio Javari*. Porém a indefinição permaneceu, visto a impossibilidade de fixar as balisas demarcando os limites entre os dois países, por ser até então desconhecida a nascente do rio Javari. 

Limite da Amazônia Ocidental entre o império do Brasil e a República da Bolívia, estabelecido pelo Tratado de Augacucho firmado em 1867.  Uma linha reta no sentido Leste/Oeste partindo da foz do rio Beni até alcançar a nascente do rio Javari.

Decadência Dos Vales dos Rios Guaporé, Mamoré e Madeira (I) - Gente de Opinião

Escala: 1:11.500.000 - Convenções: ---- Território contestado, disputado pelo Peru, Bolívia e Brasil + Limites entre o Peru, Bolívia e Brasil a partir de 1903.
1. Confluência dos rios Guaporé/Mamoré; 3.Confluência dos rios Mamoré/Beni; 4. Confluência dos rios Abunã/Madeira; 2. Ponto no médio rio Madeira um pouco acima da cidade de Humaitá/AM - 5. Nascente do rio Javari.

A Mesopotâmia entre os rios Madeira  e Javari constava nos mapas geográficos tanto do Brasil como da Bolívia, na condição de espaço desconhecido. As nascentes do rio Javari só foram localizadas em 1.901. Mais uma vez a linha geodésica Madeira/Javari, se deslocava de posição de acordo com o Tratado de Petrópolis firmado ente as repúblicas do Brasil e da Bolívia em 1.903, seu inicio a leste passou a ser a foz do rio Abunã na margem esquerda do rio Madeira, subindo pelo Abunã até um ponto do seu médio curso, prosseguindo na direção Oeste até alcançar a nascente do rio Javari, servindo de limites entre o estado do Amazonas com o atual estado do Acre e deste com o atual estado de Rondônia. A fronteira com a república da Bolívia ficou assim definida: com o atual estado Acre, o médio e o alto curso do rio Abunã a partir do ponto da passagem da linha geodésica Cunha Gomes, prosseguindo subindo seu curso até a sua nascente. Daí seguindo pelo divisor de águas dos rios Acre, Iaco e Madre de Dios até alcançar o fim da linha reta limite entre as Repúblicas do Peru e da Bolívia. 

 + Limites na Amazônia Ocidental entre os repúblicanos do Peru, Bolívia e Brasil, a partir de 1903 (Tratado Petrópolis - Brasil/Bolívia e Trato Brasil/Peru de 1909).
 Decadência Dos Vales dos Rios Guaporé, Mamoré e Madeira (I) - Gente de Opinião
 Escala: 1:11.500.000 - Convenções: ---- Território contestado (disputado pelo Peru, Bolívia e Brasil).
1. Confluência dos rios Guaporé/Mamoré; 3. Confluência dos rios Madeira/Beni; 4. Confluência dos rios Abunã/Madeira; 2. Ponto no médio rio Madeira um pouco acima da cidade de Humaitá/AM - 5. Nascente do rio Javari.

 
Essa longa indefinição das fronteiras permitiu que as frentes exploradoras e produtoras de borracha as ultrapassem se estabelecendo em áreas fronteiriças do Brasil, os bolivianos e em áreas da Bolívia, os brasileiros. (Continua...)

Fonte: Abnael Machado de Lima

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Abnael Machado

A PRAÇA DAS TRÊS CAIXAS  DÁGUAS - Por Abnael Machado

A PRAÇA DAS TRÊS CAIXAS DÁGUAS - Por Abnael Machado

  No projeto urbanístico da cidade de Porto Velho, planejado pelo prefeito FRANCISCO LOPES PAIVA, gestor no período de 1979/1980, nomeado pelo Governa

YARAS DO RIO MADEIRA - Por Abnael Machado

YARAS DO RIO MADEIRA - Por Abnael Machado

 A Yara e a Sereia possuidoras de idênticas magias, encantos, poderes e seduções, fisicamente são totalmente diferentes. A sereia é mulher da cintura

EXCURSÃO NO RIO CANDEÍAS - Por Abnael Machado

EXCURSÃO NO RIO CANDEÍAS - Por Abnael Machado

Eu e meus companheiros docentes do Colégio Mal. Castelo Branco, projetamos realizamos uma excursão no Rio Candeias, no trecho compreendido entre a BR

INSTITUTO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO CARMELA DUTRA - Por Abnael Machado

INSTITUTO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO CARMELA DUTRA - Por Abnael Machado

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});   Em sessão solene realizada no dia 14 de dezembro, do corrente ano em curso, seus gestores Vera Lú