Porto Velho (RO) sábado, 19 de junho de 2021
×
Gente de Opinião

Carlos Sperança

Amazônia, a chave + Jair Bolsonaro está bem na região Norte + Previas no PSDB


Amazônia, a chave + Jair Bolsonaro está bem  na região Norte + Previas no PSDB - Gente de Opinião

Amazônia, a chave

“Existem quatro coisas que não se recuperam: a pedra, depois de atirada; a palavra, depois de proferida; a ocasião, depois de perdida; o tempo, depois de passado”. Este é um dito popular que se aplica à diplomacia de um país. Do nada surgem confusões e conflitos com estrangeiros que poderiam ser resolvidos com um simples diálogo protocolar e epistolar (conversas e cartas de compromisso).

Uma palavra mal colocada pode se inserir na lição dada no dito popular e causar males irreversíveis. A política externa brasileira já não é mais o desastre de Ernesto Araújo mas continua sob pressão. Qualquer erro de cálculo na guerra comercial entre EUA e China pode custar caro a um país que precisa melhorar a imagem no exterior e também trazer volumosos investimentos para embasar a bioeconomia.

Por todos os ângulos, do meio ambiente à crise sanitária, a Amazônia é a chave para o futuro do Brasil e seus povos. O mundo está de olho no que acontece aqui. Não adianta disfarçar, dourar a pílula ou negar: além da imprensa livre, sustentáculo da democracia, em cada mão há um celular gravando e registrando. Se o Brasil realmente pretende ingressar no clube dos países ricos, a OCDE, terá que ser transparente por inteiro em tudo que se relaciona com a floresta. Apostar na boa diplomacia é a melhor maneira de não lançar pedras a esmo e sem volta.

.................................................................................

Bem na foto

O presidente Jair Messias Bolsonaro está bem na foto na região Norte. Além da inauguração da ponte do Abunã na semana passada ele promete tornar realidade o sonho amazônico da BR-369, que liga Porto Velho a Manaus, obra postergada nos últimos governos federais por conta de entraves ambientais. Por isto o apoio do mandatário está sendo disputado a dentadas por três pretendentes ao CPA: o próprio governador Marcos Rocha, candidato a reeleição (favorito nesta empreitada) o senador Marcos Rogério e o ex-governador Ivo Cassol que já está no trecho.

Decisão de Cassol

Por falar no ex-governador Ivo Cassol (PP) ele comunicou ao presidente Jair Bolsonaro por ocasião da inauguração da ponte do Abunã sua decisão em disputar o governo de Rondônia. Ele espera superar os entraves na justiça eleitoral até meados do ano que vem e então colocar seu bloco na sua. É uma verdadeira pedrinha de sapato para os demais concorrentes que não esperavam que Cassol voltasse as lides políticas já em 2022. Ivo é um administrador arrojado e deixou grandes marcas na sua gestão.

Corte no orçamento

Os cortes no orçamento da União, para atender o pagamento das emendas parlamentares impositivas devem adiar a entrega de pelo menos 215 mil casas populares pelo Brasil afora no decorrer de 2021. Com isto, muitos conjuntos habitacionais só serão concluídos no último ano de mandato do presidente Jair Bolsonaro e se a pandemia der uma aliviada, já que exige muitos recursos para atender as demandas de saúde e a hospitalização de tantos infectados. 

Previas no PSDB

Não bastasse ter reduzido suas bancadas na Câmara dos Deputados e no Senado nos últimos pleitos, o cambaleante PSDB está rachado quanto as eleições presidenciais do ano que vem. Os tucanos querem resolver suas pendências de desunião com prévias entre três possíveis candidatos: os governadores João Dória, de São Paulo, Eduardo Leite do Rio Grande do Sul e o senador Tasso Jereissati, do Ceará. Os tucanos enfrentam um cenário desfavorável, já que Bolsonaro e Lula polarizam desde já o pleito presidencial.

Nova diáspora

Já são milhares de brasileiros atraídos pela oferta de emprego nos Estados Unidos e enfrentando a perigosa travessia na fronteira Mexicana, um filme que já vimos antes. Os imigrantes rondonienses estão pagando aos coiotes – os agenciadores do translado – até R$ 50.000,00 para entrarem clandestinamente na nação de Joe Biden, considerado mais flexível com os imigrantes latinos. Parentes que se deram bem em cidades americanas estão chamando e recrutando amigos e familiares brasileiros. Mas muitos já padecem na travessia levando canos dos coiotes.

Via Direta

***  Lula começa sua peregrinação costurando acordos, mas com a esquerda brasileira tão fragmentada vai ser muito difícil o enfrentamento com o presidente Bolsonaro na eleição presidencial de 2022 *** Em Rondônia o PSL rachou de uma vez e a ala de Jaime Bagatolli centra fogo no atual governo de Marcos Rocha - que rejeitou voltar a legenda liberal -, apupando o mandatário com vaias em recentes eventos*** Rocha está feliz da vida com os apoios recebidos, principalmente do presidente Bolsonaro *** O agronegócio vem salvando a economia rondoniense da pandemia *** Graças as exportações da soja, da carne e da madeira, Rondônia tem conseguido honrar seus compromissos com as folhas dos servidores estaduais e fornecedores nos últimos meses.   

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Carlos Sperança

Time vencedor + As dobradinhas + Troca-troca + Lista espichando

Time vencedor + As dobradinhas + Troca-troca + Lista espichando

Time vencedorA história do café na Amazônia fornece exemplos suficientes de que a região é surpreendente e novidades muito lucrativas virão à medida

Dois consensos + A poção mágica + Amir Lando + Piratas no campo

Dois consensos + A poção mágica + Amir Lando + Piratas no campo

Dois consensosPor mais que a polarização e suas pervertidas fábricas de fake news continuem inviabilizando um projeto para a Nação, pelo menos em r

Preservar aproveitando + A representatividade + Vale do Jamari + A saúde rondoniense afundou

Preservar aproveitando + A representatividade + Vale do Jamari + A saúde rondoniense afundou

Preservar aproveitandoUm dos aspectos mais paralisantes no confuso teatro de ações políticas, econômicas e sociais na Amazônia consiste em ignorar

Do fácil ao difícil + Novos adiamentos + Oposição fraqueja + Senado disputado

Do fácil ao difícil + Novos adiamentos + Oposição fraqueja + Senado disputado

Do fácil ao difícil Como se não bastassem as imensas crises que assolam a humanidade – sanitária, econômica, climática e ambiental –, a ministra T