Porto Velho (RO) sexta-feira, 3 de dezembro de 2021
×
Gente de Opinião

Rondônia

Em Rondônia, 93,3% dos estudantes de 13 a 17 anos estudavam em escolas públicas


Em Rondônia, 93,3% dos estudantes de 13 a 17 anos estudavam em escolas públicas - Gente de Opinião
A Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE) estima que em 2019 havia 116 mil estudantes com idades entre 13 e 17 anos, sendo que 93,3% estavam em escolas públicas. Do total de alunos, as garotas representavam 51,5%. Em Porto Velho, 87% dos escolares nesta faixa etária estavam na escola pública e as mulheres também eram maioria. Elas representaram 52,5% dos 31 mil escolares nesta faixa etária. 
A pesquisa foi realizada em 2019 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em parceria com o Ministério da Saúde e com apoio do Ministério da Educação. Ela abrangeu estudantes brasileiros de 13 a 17 anos, do 7º ano do ensino fundamental ao 3º ano do ensino médio das redes pública e privada de ensino. A pesquisa tem intervalo de confiança de 95%.
A coleta de dados ocorreu entre abril e setembro de 2019 com questionários destinados aos estudantes e às instituições de ensino. Em todo o Brasil, mais de 159 mil questionários foram considerados válidos. Em Rondônia, foram quase seis mil questionários, com alunos de 116 escolas.
Por cor ou raça, a PeNSE apontou que 53,7% dos estudantes rondonienses são pardos, 26,1% brancos, 12% pretos, 4,6% amarelos e 3,6% indígenas. Em Porto Velho, as proporções são parecidas: 55,1% pardos, 25,3% brancos, 11,4% pretos, 4,8% amarelos e 3,5% indígenas.
Quando questionados sobre a expectativa quando concluir o ensino fundamental, 59,1% dos estudantes rondonienses disseram que pretendem continuar estudando e trabalhar; 21,7% declararam que esperam apenas continuar estudando e 4% somente trabalhar. Os demais não sabem (9,1%) ou vão seguir outro plano (6%).
Em relação aos estudantes do ensino médio, 65% queriam continuar estudando e trabalhar; 10,7% desejavam somente estudar; 7,9% pretendiam somente trabalhar; 7,3% iriam seguir outro plano e 9,1% não sabiam.
Sobre posse de bens e/ou a serviços no domicílio, nota-se uma importante diferença entre os estudantes de escolas públicas e os de escolas privadas. Enquanto 90,1% dos alunos de escolas privadas têm computador ou notebook, 47,1% dos estudantes de escolas públicas têm o equipamento.
A diferença também está presente no que se refere ao serviço de empregado doméstico em três ou mais dias da semana. Entre os escolares de escolas particulares, o índice ficou em 32,3%. Já entre os de escolas públicas, a taxa foi de 6,5%.

7,6% das estudantes rondonienses de 13 a 17 anos, entre as que têm vida sexual ativa, já engravidaram alguma vez 
Quanto à vida sexual, 36,6% dos escolares rondonienses com idades entre 13 e 17 anos responderam que já haviam tido relação sexual, sendo a menor taxa na Região Norte. Dos que já tiveram relação sexual, 40% informaram que foi com 13 anos ou menos anos.
Dentre as garotas rondonienses nesta faixa etária que já tiveram relação sexual, 7,6% engravidaram alguma vez na vida. A taxa é a segunda menor da Região Norte, junto com o Amazonas. O menor índice de gravidez entre as estudantes nortistas foi registrado no Pará (5,2%) e o maior ocorreu no Acre (12,8%).
Questionados sobre uso de preservativo, 61,2% dos que já tiveram relação sexual responderam que usaram a camisinha na primeira relação sexual. Dentro do intervalo de confiança da pesquisa, o índice é igual ao dos que responderam que usaram o preservativo na última relação sexual (60,5%).
Excluindo a camisinha, o método contraceptivo mais utilizado pelos escolares que já tiveram relações sexual foi a pílula anticoncepcional (48,4%), seguido do uso de pílula do dia seguinte (19,3%); outros métodos (11,2%), como DIU e tabelinha; anticoncepcional injetável (10,5%) e 9,9% não souberam responder.
A PeNSE apontou ainda que São Paulo e Rondônia tiveram a terceira maior taxa de garotas, dentre as que já tiveram relação sexual, que já usaram pílula do dia seguinte (51,4%), ficando atrás de Tocantins (53,9%) e Distrito Federal (51,8%).

95,5% dos estudantes rondonienses ingerem alimentos ultraprocessados
Averiguando sobre consumo de alimentos ultraprocessados, a PeNSE constatou que 95,5% dos escolares rondonienses com idades entre 13 e 17 anos consumiram este tipo de produto no dia anterior à pesquisa. A taxa é um pouco menor que o índice brasileiro (97,3%).
Entre os alimentos ultraprocessados, 35,9% dos estudantes tinham consumido produto cárneo; 36,9% consumiram margarina; 24,1% molho industrializado e 18,2% refeição pronta industrializada. Detectou-se ainda que 45,7% tinham consumido biscoito salgado; 40,9% consumiram biscoito doce e 29,3% sobremesa industrializada.
Já em relação ao consumo de bebidas ultraprocessadas, 40% dos escolares rondonienses responderam que tinham consumido refrigerante no dia anterior à pesquisa; 18,3% consumiram suco de fruta em caixinha; 18% refresco em pó; 25,9% bebida achocolatada e 16,9% iogurte com sabor.
Em contrapartida, a pesquisa identificou que 32% dos escolares rondonienses consumiram legumes e/ou verduras em cinco ou mais dias nos sete dias anteriores à pesquisa e 24,8% não tinham consumido em nenhum dos dias da semana. Nota-se uma diferença entre os estudantes de escolas públicas e privadas: enquanto 40,2% dos adolescentes de escolas privadas consumiram este tipo de alimento em cinco ou mais dias, o índice das escolas públicas foi de 31,4%.
Observou-se também que 26,6% dos estudantes rondonienses tinham consumido frutas frescas ou salada de frutas em cinco ou mais dias nos sete dias anteriores à pesquisa. Na outra ponta, 28,9% não ingeriram este tipo de alimento em nenhum dos dias da semana. Também ocorreu uma diferença entre escolas públicas e privadas quanto aos estudantes que consumiram frutas em cinco ou mais dias: 31,7% dos alunos de escolas privadas estavam neste grupo contra 26,2% das instituições públicas.
A PeNSE evidenciou ainda que 87,6% dos estudantes de instituições públicas estavam em escolas que ofereciam merenda escolar e que apenas 18,2% dos estudantes de escolas particulares tinham este tipo serviço. Porém, quando observado o percentual de alunos que consumiam a merenda oferecida, observa-se que 81% dos alunos de instituições públicas e 88,3% dos alunos de escolas particulares ingeriam o alimento.

Rondônia tem a maior taxa da Região Norte de estudantes que fazem atividades sentados por mais de três horas
Quando analisado o tempo gasto com atividade física nos sete dias anteriores à pesquisa, a PeNSE mostra que 7,3% dos escolares rondonienses eram considerados inativos; 36,1% despenderam até 149 minutos na semana em atividades físicas; 26,5% fizeram atividade física por 150 a 299 minutos e 29,2% fizeram mais de 300 minutos de atividade física.
A pesquisa ainda traz a informação que 19% dos escolares rondonienses estavam em escolas que não tinham aula de educação física em nenhum dia da semana e que 43,1% tinham este tipo de atividade uma vez na semana. O índice de estudantes de instituições públicas que não tinham aula de educação física foi de 19,5% e de escolas particulares foi de 11%.
Verificou-se também que Rondônia apresenta a maior taxa da Região Norte de escolares que costumam fazer atividades sentados mais de três horas por dia: 49,6%. Os estados nortistas com o menor índice foram Roraima e Pará, com 41,4%. Os estudantes rondonienses de escolas privadas apresentaram taxa de 60,4% e os de escolas públicas 48,9%.

66,3% dos estudantes autoavaliam que têm bom estado de saúde
Em investigação sobre a autopercepção da imagem corporal dos adolescentes, a PeNSE apontou que 53,5% dos estudantes rondonienses consideram que têm um corpo normal, 26,7% consideravam-se magros ou muito magros e 19,4% consideravam-se gordos ou muito gordos. Os índices rondonienses são semelhantes aos da Região Norte.
Questionados sobre a atitude em relação ao peso corporal, 45% disseram que não tomaram nenhuma atitude, 23,8% tentaram perder peso, 17,1% tentaram ganhar peso e 13,5% disseram que mantiveram o peso.
Já acerca da autoavaliação do estado de saúde, 66,3% consideravam muito bom ou bom; 27,7% consideravam regular e 5,6% consideravam ruim ou muito ruim. Há uma diferença relevante entre os gêneros: 76,8% deles consideravam que o estado de saúde era muito bom ou bom enquanto que 56,4% delas tinham esta percepção.
É importante observar que, segundo a PeNSE, 51,1% dos escolares não foram à escola por motivos relacionados à própria saúde alguma vez nos 12 meses anteriores à pesquisa. 
Quando o assunto é vacinação contra o Papilomavírus Humano (HPV), 71,6% das garotas informaram que foram vacinadas e 46,1% dos meninos declararam a imunização. Tendo a média de 59,3% de vacinados contra o vírus, Rondônia possui a segunda pior taxa da Região Norte, ficando atrás apenas do Acre (56%).
Dos que não foram vacinados, 49,7% alegaram que não sabiam que tinham que tomar; 8,4% tinham medo de reação à vacina; 5% disseram que o responsável legal não quis vaciná-los(as); 3,6% não sabiam para que servia a vacina; 3,1% apontaram a distância ou dificuldade para ir à Unidade de Saúde; 1% não acreditava no efeito da vacina e 27,4% declaram que seriam outros motivos.

Quase 13% dos estudantes não lavam as mãos antes de comer
Um dos temas da PeNSE é higiene e saúde bucal. O estudo demonstrou que 12,7% dos escolares rondonienses nunca ou raramente lavavam as mãos antes de comer. A proporção entre as garotas é maior que entre os meninos: 14,5% e 10,8% respectivamente. Já em relação à lavagem de mãos após usar banheiro, 5,1% dos estudantes declararam nunca ou raramente lavavam. A proporção por gênero neste quesito é igual.
Em relação à escovação de dentes, 69,9% informaram que escovavam os dentes três ou mais vezes por dia. Ainda sobre saúde bucal, 39,5% disseram que não foram nenhuma vez ao dentista nos 12 meses anteriores à pesquisa, 13,2% foram uma vez e 46,8% foram duas vezes.

Mais Sobre Rondônia

Restaurantes de cinco municípios de Rondônia têm até 30 de novembro para credenciamento ao programa “Prato Fácil

Restaurantes de cinco municípios de Rondônia têm até 30 de novembro para credenciamento ao programa “Prato Fácil

Para expandir o atendimento do programa estadual “Prato Fácil”, com o fornecimento de refeições saudáveis, nutritivas e a baixo custo, o Governo de

Governo de Rondônia antecipa pagamento de salário do mês de novembro para o dia 26

Governo de Rondônia antecipa pagamento de salário do mês de novembro para o dia 26

O Governo de Rondônia anunciou ontem (27) véspera do Dia do Servidor Público, por meio da Superintendência Estadual de Gestão de Pessoas (Segep), a

Seduc abre Processo Seletivo Simplificado para contratação de arquitetos, engenheiros e desenhistas cadistas

Seduc abre Processo Seletivo Simplificado para contratação de arquitetos, engenheiros e desenhistas cadistas

O Governo de Rondônia, por meio da Superintendência Estadual de Gestão de Pessoas (Segep), publicou na segunda-feira (25), o Edital nº 237/2021 refer