Porto Velho (RO) segunda-feira, 8 de agosto de 2022
×
Gente de Opinião

Crônica

Janela positiva


William Haverly Martins - Gente de Opinião
William Haverly Martins

As vistas das minhas janelas, em todos os tempos, sempre tiveram vibes positivas, mas a vida me impôs marcas negativas, na minha pele, no meu bolso, no meu olhar distante, que incomodaram/incomodam o meu viver.

Todavia não me considero um revoltado, como não me vejo pregando o amor, a paz, o céu como recompensa, o uso de drogas, para fugir às imposições existenciais negativas.

Bem que eu tentei, bem que eu venho tentando, mas a filosofia das vibrações positivas, a positive vibration de Bob Marley não entrou no meu cardápio, continuo me importando com bens materiais e com o que o dinheiro compra, e não me visto com roupas simples, nem vejo a natureza com olhos de cabra morta. Ter ou não ter? Ter!

Minha vibe positiva, meu estilo, minha filosofia de vida não combinam com impulsos alucinógenos, sou o que sou, em busca de vitórias, vencendo os muitos braços que me puxam pra trás, com competência sem valor de mercado, ainda assim busco.

No pântano dos relacionamentos doentios não consigo nadar, são tantos obstáculos a serem dragados, tanta sujeira. Vou curtindo a minha alucinação controlada, vivenciando o meu ser a meu modo, com a minha vibe própria, mesmo sabendo que a experiência básica de ser quem sou, é uma construção frágil, em meio a uma sociedade hipócrita, onde a voz mais alta sempre foi a do ter.

A vista da minha vibe pessoal, muito além da janela pós setenta, vem tumultuando meu olhar, já nem sei se é uma vista me libertando ou a velha janela me iludindo, confundindo meu discernimento e me obrigando a teclar, loucamente, como se estivesse polindo o real significado das palavras, na tentativa de substituir a vista da janela das minhas vibrações negativas. Ser já não importa, mas capengo, a esperança é um agradável blefe.

Mais Sobre Crônica

Laranjas douradas

Laranjas douradas

Na voz de Ataulfo Alves, “laranja madura na beira da estrada tá bichada Zé ou tem marimbondo no pé”. Em Porto Velho, às margens do majestoso rio Made

ESTARTANDO a Flor do Lácio

ESTARTANDO a Flor do Lácio

A gente aprende na escola que a língua é dinâmica, muda a todo instante e é comum receber influências de outros idiomas. A gente até entende a globa

A janela dos setenta

A janela dos setenta

Aos setenta, a janela da vida perde o tamanho e o formato, e se posiciona num espaço entre brumas, que camuflam a vista. Quase sempre, só se vê a vi

Sou uma adolescente

Sou uma adolescente

Tenho 13 anos, sim, sou uma adolescente; e como todos, às vezes sou confusa e procuro minha verdadeira personalidade.Sim, sou adolescente, mas sei o