Porto Velho (RO) segunda-feira, 27 de junho de 2022
×
Gente de Opinião

Crônica

Isto é aquilo, mas pode ser outra coisa


Isto é aquilo, mas pode ser outra coisa - Gente de Opinião

Com a aproximação das eleições, consequentemente, das propagandas eleitorais no rádio, TV e demais mídias, já dá pra ouvir o som dos guizos da cascavel, trazendo consigo a magia de fascinar tudo quanto a rodeia, balançando o rabo e mostrando os dentes. Não à toa, a lábia dos políticos é comparada a peçonha das serpentes, são raros os que escapam dessa sina, todavia a gente sabe que nem todos os políticos são peçonhentos.

Devido a capacidade de camuflagem de algumas espécies e, principalmente, em função da sua língua comprida, usada para caçar, os camaleões são também comparados aos políticos, que, nessa época do ano eleitoral, saem, camuflados, em busca de votos, alongando a língua e usando todo tipo de argumento. Se observados bem dá pra se notar, em meio à inocência da natureza camaleônica, os dentes afiados e o veneno da cascavel que habita a maioria deles.

Esta semana uma cascavel treinada no Ceará, metido a valentão, que gosta de se dirigir, a quem o contesta, com palavrões, em entrevista na Band/TV, tentou convencer o eleitor de que ele é a esperança da despolarização, a certeza de reformas políticas e tributárias, que recolocarão o Brasil nos trilhos do desenvolvimento. O povo conhece bem a força dos guizos pedetistas, pra não dizer brizolistas, e não caminhará nesta trilha infestada de veneno demagógico.

O que Ciro representa de melhor é a ambiguidade do presente, a ambivalência das buscas. Ele nem é esquerda, nem é direita, é, mais ou menos, centro. Já esteve dos dois lados e nada definiu de substantivo, é apenas o ponto equidistante entre os extremos, onde o velho/novo acaba sendo o que não se identifica, completamente, com nenhuma das ideologias dos polos corroídos pelo tempo e já obsoletos. No conjunto, difícil imaginar que construa uma identidade e uma narrativa que tornem seu movimento político durável. Por absoluta falta de opção, vivemos a era da ambiguidade política e o Ciro está se aproveitando disso.

 A outra cascavel, convenceu seu vice/fantoche a cantar, a plenos pulmões, o hino da Internacional Socialista, tentando convencer o povo de que só ele está autorizado, enquanto socialista, a lutar pela utópica igualdade, pela aproximação das classes sociais. Mais do mesmo em matéria de promessas populistas. Foram dois mandatos dele e quase dois da Dilma/fantoche e nada de proveitoso foi conseguido pelo petismo, a não ser uma postura administrativa centrada na corrupção e um STF, em sua maioria, comprometido com quem os nomeou, desprovido de qualquer pudor jurídico: - “Ninguém, na história desse país, foi mais corrupto do que eu”. O passado e o presente nos sinalizam que o povo gosta de ser enganado, gosta de ouvir o canto da sereia, mesmo sabendo que a decepção caminha de braços dados com o discurso político. É como se os petistas estivessem aprendendo a cavar um porão no fundo do poço. O futuro, o que será?

O outro ator da polarização, fala e age, como se já fosse um ditador, vencendo nas urnas, ou não, mesmo sabendo que não terá o apoio do Colégio de Generais. Não me perguntem por quem os sinos dobrarão, após as eleições, eles poderão anunciar, com badaladas vigorosas, a derrota do povo brasileiro, recuperando, com novos ingredientes, a ideia deturpada de que “a política é uma atividade suja, centrada na defesa de interesses espúrios e entregues a atores sempre propensos a manobras escusas, mentiras, dissimulações e trambiques”.

Pierre Bonnard, pintor francês pós-impressionista, ao pintar uma maçã sem a cor e sem o formato original, deu aos críticos a chance de interpretarem: isto é aquilo, mas pode ser outra coisa, conforme o olhar. Diferentemente dos outros saberes, o saber do artista privilegia a ambiguidade. Na política, por exemplo, a ambiguidade se orgulha de aparências e falares multi-interpretativos, confundindo a opinião pública e o eleitor, na hora da decisão de votar em um candidato, minimamente convincente.

Mais Sobre Crônica

Janela positiva

Janela positiva

As vistas das minhas janelas, em todos os tempos, sempre tiveram vibes positivas, mas a vida me impôs marcas negativas, na minha pele, no meu bolso,

Que país é esse? a pergunta que não envelhece

Que país é esse? a pergunta que não envelhece

Confesso que é desestimulante você escrever sobre política num país sem memória, com um povo tolerante, que aceita atos de corrupção vergonhosos, se

Falemos de "cotas"

Falemos de "cotas"

Quando foi implantado, no Brasil, cotas para facilitar indivíduos de origem africana a ingressarem no ensino superior – diria raça, se não fosse pol

Janela da depressão

Janela da depressão

Imaginem-se presos a uma enorme caixa, sem janelas, tudo escuro e uma imensa vontade de não fazer nada. Não havia vistas. Não havia janelas que me a