Porto Velho,
Rss Canal YouTube Facebook Twitter

Abnael Machado

ABNAEL MACHADO DE LIMA Prof. de História da Amazônia/Universidade Federal do Pará Prof. de Geografia Regional/Universidade Federal de Rondônia Membro do Instituto Histórico e Geográfico/RO Membro da Academia de Letras de Rondônia

História e Limites do Distrito de Calama

08/06/2008 - [15:18] - História

DISTRITO DE CALAMA - Criado pelo Decreto-Lei Federal nº 7.470, de 17 de abril de 1945
CONVENÇÕES: 
 (0) 
CIDADES: 1) Porto Velho, Capital do Estado - 16) Candéias do Jamari - 17) Cujubim - 18) Machadinho do Oeste
  •  VILAS:  7) São Carlos - 13) Calama
 o  POVOADOS:  2) BELMONT, Distrito de Porto Velho - 3) MUTUNS, Distrito de Porto Velho - BELÉM, Distrito de Porto Velho - 5) SOBRAL, distrito de Porto Velho - 6) PRIMOR, distrito de São Carlos - 8) MARUINS, distrito de São Carlos - 9) CURICACA, distrito de Calama - 10) CAVALCANTE, distrito de Calama - 11) NOVA ESPERANÇA, distrito de Calama - 12) ASSUNÇÃO, distrito de Calama - 14) SANTA BÁRBARA, distrito de Calama - 15) BOM FUTUTO, distrito de Calama.

O distrito de Calama situado na região norte do estado de Rondônia, na mesoregião Madeira-Mamoré e na microregião de Porto Velho, foi criado por intermédio do Decreto-Lei federal nº 7.470, de 17 de abril de 1945, limita-se:

Ao Norte Nordeste e Leste com o estado do Amazonas, tendo como divisa o paralelo 8º LS no trecho compreendido entre a Nascente do rio Apuniã, e a foz do rio Maicy na margem direito do rio Madeira, por este subindo até a sua nascente, desa prosseguindo pelo divisor de águas Ji-Paraná/Marmelos até o ponto de encontro com a linha de limite com o município de Machadinho do Oeste a leste, seguindo por essa linha na direção sul, até encontrar a margem direita do rio Ji-Paraná, por este descendo até o foz do rio Juruá, seu afluente pela margem esquerda, por este subindo até o ponto inicial da linha de limite com o município de Cojubim.

 Ao Sul e Sudeste, com os municípios de Cujubim e Candéias do Jamari.  Com o primeiro, tendo por limite uma linha no sentido leste/oeste partindo da margem esquerda do rio Juruá, próximo a sua foz, até alcançar a confluência do rio Miriti com o rio Preto, do qual é seu afluente pela margem direita.  O segundo, tendo por limite o rio Preto desde a foz do rio Miriti até o ponto inicial da linha leste/oeste, prosseguindo por esta até alcançar a foz do rio Apuniã, afluente do rio Madeira pela margem esquerda.

Ao Oeste e Sudoeste com o distrito de São Carlos, tendo por limite o rio Apuniã desde sua nascente no paralelo 8º LS, até a sua foz na margem esquerda do rio Madeira.

HISTÓRICO DO DISTRITO DE CALAMA.

O Padre Jesuita Manuel Fernandes auxiliar do padre João Sam Payo, com os remanescentes da missão de Santo Antônio das Cachoeiras, destruida pelos Mura, fundou próxima a foz do rio Ji-Paraná, em 1742 a missão de Camuan, na qual esteve o bandeirante Manoel Felix de Lima e seus comandados, vindo dos arraias de ouro do alto rio Guaporé, sendo auxiliado pelo padre Fernandes lhe cedendo uma canôa de maior tamanho e víveres, para prosseguir em sua rota rumo à Belém do Grão-Pará.  No início do ano seguinte, ante a persiguição dos Mura e as endemias locais, abandonou a missão recolhendo-se com seus companheiros, na missão de Trocano* (atual cidade de Borba), ficando desabitada a foz do Ji-Paraná.

Somente a partir da segunda metade do século XIX, com a atividade extrativista de produção de borracha e a organização de seringais, é que surge propriamente dito, atual vila de Calama, assim mesmo como simles ponto de apôio aos exploradores que se dirigiam ao vale do rio Ji-Paraná e do rio Madeira, não tendo população fixa.

Em 1877 passou a ser sede da empresa Calama S/A de propriedade do espanhol Manoel Antônio Parada Carbacho, possuidora de seringais no baixo e médio Vales do rio Ji-Paraná e dos seringais Campinas e Boa Esperança no rio Madeira totalizando dois milhões de hectares, concedidos por Dom Pedro II, imperador do Brasil.  

Construiu casas residenciais, importou da Filadelfia/USA, galpões para armazenagem das pelas de borracha a serem exportadas e mercadorias importadas para abastecimento dos seringais.  O povoado tinha um porto movimentado, sua população aumentava e se consolidava.  No início do século XX a empresa paraense Ascênsi & Cia comprou a referida empresa e sua concessão.  A desvalorização da cotação da borracha no mercado internacinal, acarretando grave crise econômica na amazônia, atingiu Calama levando-a a estagnação.   Das suas instalações restou um dos galpões utilizado pela CERON, um casarão na qual residiu por algum tempo o extrativista Joaquim Rocha, proprietário de seringais no rio Ji-Paraná, posteriormente passou a ser casa missionária católica.  Novamente experimentou o surto de bem estar econômico durante a segunda guerra mundial com a revitalização  dos seringais, terminada essa e normalizadas as relações políticas e comerciais voltando as potências industriais a se abastecerem da borracha asiática com a consequente queda de preço desse produto brasileiro, a gradativa desarticulação dos seringais e a emigração da população.  Calama passa a sobreviver da pesca artezanal e da agricultura de subsistência.

Em 1946 o Bispo D. João Batista Costa e padre Francisco Pucci (Chiquinho) construiram na vila uma pequena igreja dedicada a São João.

Sua população no censo de 2000, totalizou 1.915 habitantes (urbana), predominando as de faixa etária de zero a quatorse anos.

O seu nome Calama, foi adotado o de uma ilha na foz do Ji-Paraná dado pelos lusos-paranaenses das bandeiras fluviais do século XVIII, por sua vegetação ser composta em abundância por palmeira Calâmeas.

* TROCANO (Grande tambor de guerra dos índios Mura).

Fonte: Abnael Machado de Lima

Comentários

  • caraparu - 17/01/2014

    há 40 anos estava chegando ao paraiso chamado calama, nessa epoca era muito rustica, telefone nem pensar, tinha apenas o radio do "seu ivo", o colégio do professor gody, luz eletrica, só quando era ligado o gerador par ser utilizado o radio, mas era otimo morar em calama, servido pelo barco juazeiro e borba, tempos se foram, mas ficaram as boas lembranças

  • elmar jose barboza freitas - 23/12/2013

    nasci no maicy ro, que eram da minha familia dos garcias, hoje e de outro proprietario e invadida por posseiros, mais refuto um lugar lindo e maravilhoso que as pessoas podem admirar e usufruir das lindas paisagens e do ar puro e demais potencias quando vou la medito pelos meus ancestrais, meu avô cearense e minha avó india nativa, adoro minha miscigenação, com tudo prego pelo bem da verdade e da vida.

  • Elizete silva - 04/07/2013

    Nasci e me criei nesse lugar lindo de pessoas maravilhosas acolhedoras e lembro-me do carinho que meus pais tinham por essas pessoas ,gostaria que as autoridades do estado olhassem com mais carinho para calama e para seus habitantes.

  • karol e thais - 26/09/2012

    legal moro aqui

  • karol e thais - 26/09/2012

    adorei eu e minha amiga moramos aqui em calama aqui e muito legal tem varios jogos esportivos em fim calama ta ficando muito populosa

  • kellen cristina alves do prado - 21/09/2010

    por que o nome calama deveriam transforma esse distrito em cidade o que estar faltando para iso aconterce

  • Jose Maria Leite Botelho - 26/12/2009

    Gostaria de adiquirir o livro que contem informações histótricas sobre o distrito de Calama escrito pelo Mestre Abnael Machado.

  • Pedro Walter Zevallos Pollito - 17/07/2009

    Me parece um artigo muito interessante e pode me orientar na minha intenção de fazer um levantamento sobre a historia de Calama atual. Se alguém poderia me apoiar com mais dados para a consecução da minha pesquisa.

Preencha o formulário abaixo e clique em "Comentar" para enviar seu comentário


ComentÁrios Facebook


Mais Notícias

redacao@gentedeopiniao.com.br | gentedeopiniao@gmail.com
Rua Quintino Bocaiuva,3108 - Sala B - Porto Velho - Bairro: Olaria - CEP: 78900-000 - Porto Velho - RO
É autorizada a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação,
eletrônico ou impresso, informando a fonte em nome de Gente de Opinião
Diretor Comercial: Luiz Carlos Ferreira - Jornalista Responsável: Luka Ribeiro - Fone: (69) 9981 9082 e (69) 9262 2007
Desenvolvimento: Rodrigo Goes e Alisson Cleiton