Porto Velho (RO) segunda-feira, 23 de maio de 2022
×
Gente de Opinião

Economia

Relp? Estamos no Congresso e vamos derrubar o veto


Relp? Estamos no Congresso e vamos derrubar o veto    - Gente de Opinião

O presidente Jair Bolsonaro vetou o projeto que previa a criação de um programa de renegociação de dívidas para microempreendedores individuais (MEIs), microempresas e empresas de pequeno porte enquadradas no Simples Nacional. A proposta que já estava disponível, esperando resposta do presidente desde o dia 16 de dezembro de 2021, só foi ter resultado no último dia 07. Ou seja, poderia e deveria ter sido sancionado ano passado, demonstrando assim a falta de interesse na geração de emprego e  falta de compromisso com a micro e pequena empresa, desconhecendo as causas. “A argumentação utilizada pelo presidente não tem embasamento. Quando se fala de ilegalidade, esse projeto foi discutido pelo Congresso Nacional e passou em todas as comissões”, relata membros do Simpi Nacional. O desdobramento? Quem deve, será automaticamente excluído e terá só até dia 31 de janeiro para retornar ao Simples, só que  só haverá solução pelo Congresso Nacional  em fevereiro, o que colocará um  número imenso de empresários em situação muito difícil , pois  a  outra alternativa,  o parcelamento em 60 meses, inviabiliza as empresas aderirem.  O Simpi já iniciou os trabalhos para a  reversão do ato presidencial,   contactando no Congresso Nacional  todos os parlamentares  e todos os líderes de partido, solicitando a  derrubada do veto e reverter o cenário que mostra  Governo empurrando mais de 500 mil  empresas para informalidade. 

 

Está na Dívida Ativa da União? Veja como resolver 

Governo Federal através da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) instituiu o programa de  transação tributária voltada aos microempreendedores individuais (MEIs) e às micro e pequenas empresas optantes pelo Simples Nacional.  O programa permite que companhias afetadas pela pandemia paguem débitos em até 137 vezes, com redução de até 100% dos juros, multas e encargos legais. De acordo com o texto, a partir da análise da situação econômica da empresa e do impacto da pandemia de Covid-19 em suas atividades a PGFN classificará as dívidas inscritas no programa em uma escala de A a D, sendo o primeiro um débito com alta perspectiva de recuperação e o último um débito considerado irrecuperável. A classificação influenciará das condições de pagamento das dívidas. Ainda de acordo com  a  nova regulamentação para entrada no programa será necessário o pagamento, em até oito vezes, de uma entrada no valor de 1% do débito transacionado. O valor das parcelas, no caso de empresas do Simples, não pode ser inferior a R$ 100. Para MEIs o valor mínimo é de R$ 25. A transação tributária consta em edição extra do Diário Oficial da União disponibilizada na tarde desta terça-feira (11/1), e é uma boa uma boa notícia, já que no dia 7 de janeiro o presidente Jair Bolsonaro vetou integralmente o projeto de lei que instituiria um refis às companhias.  

                                                                                                                                                                     

Começou: Declaração de Renda Anual do MEI já pode ser realizada
O período para a entrega da declaração anual já começou e os  Micro empreendedores individuais (MEIs)  devem ficar atentos ao prazo para a entrega, junto à Receita Federal. A Declaração Anual do MEI, deve conter as informações básicas de receitas e despesas ocorridas no ano de 2021 e  deverá ser transmitido à Receita Federal, mesmo que não tenha receita no período, e neste caso, declarar com sem  movimento.  Caso o MEI não faça a declaração no período regular, ficará sujeito a multa por atraso e ter seu CNPJ inabilitado  e não poderá emitir nota fiscal e até obter certidões negativas, além da impossibilidade de obter crédito em bancos e instituições financeiras certidões negativas  para abertura de contas e participação em licitações. O empreendedor também deve examinar se no ano de 2021, ultrapassou o limite anual que hoje é de R$81 mil, que pode ser ultrapassado em até 20%. Neste mês de  janeiro deve  ainda recolher o valor da multa do excedente, gerada na transmissão da declaração, além de proceder com a migração para microempresa e evitar recolhimentos retroativos. O prazo para o enquadramento vai até o dia 31 de janeiro. Sabedor  que os MEIs têm muitas dúvidas o Simpi coloca a disposição seu serviço de atendimento  via whats para dar toda orientação e apoio.  Mas se tem dificuldades em fazer sua declaração, procure o   SIMPI, lá faz para você 

 

Já pensou em mudar sua empresa para MEI? Então a hora é agora 

Com os diversos modelos tributários empresariais que existem hoje, é possível que, em alguma época da vida de uma instituição, ela migre de um sistema para outro. Nestes tempos de pandemia sabemos as dificuldades que passam as micro e pequenas empresas, e é nestas horas que precisamos fazer um bom planejamento tributário para  poder passar incólumes as dificuldades e ao momento que se apresenta. Uma destas possibilidades é migrar para MEI (Micro Empreendedor Individual) pois continuará com o CNPJ “vivo”  a inscrição estadual ou municipais ativa, endereço comercial preservado e   as despesas fixas  e tributárias muito menores.   Mas o que deve fazer para uma ME tornar-se um MEI?  A mudança e bem possível desde que a micro ou pequena empresa atenda às exigências para o enquadramento no regime de MEI, sobre o qual incide uma tributação menor. Entre os requisitos, destacam-se: não ter sócios, não ter débito com a Fazenda, e ter no máximo um funcionário, além de a empresa desenvolver uma das atividades que se enquadram na categoria de MEI. Caso a empresa tenha optado por um regime de tributação diferente do Simples, a mudança também é possível, mas automaticamente a pessoa estará optando pela cobrança unificada dos impostos. Para efetuar a alteração, deve solicitar a migração no mês de  janeiro, até o dia 31 de janeiro 

 

Programas do Exército respondem por cerca de 3 milhões de empregos 

Estruturado para viabilizar a execução de programas estratégicos, o Escritório de Projetos do Exército coordena atividades importantes com o objetivo de aprimorar a base militar e contribuir para o desenvolvimento do Brasil. “São projetos de grande porte financeiro e tecnológico em parceria com instituições privadas nacionais. Não podemos depender de tecnologia internacional. Por isso, a parceria entre Exército, indústria e a Academia é fundamental”, explica o general de Brigada Marcos Alexandre Fernandes de Araújo, chefe do Escritório de Projetos do Exército, em entrevista exclusiva ao programa “A Hora e a Vez da Pequena Empresa”, que pode ser visto no endereço abaixo. Segundo ele, a base industrial de defesa do exército brasileiro responde por 4% do PIB nacional e gera cerca de três milhões de empregos diretos e indiretos. “Fortalecemos a indústria de defesa, geramos emprego e renda, proporcionamos incremento das nossas exportações, incentivamos a pesquisa e inovação, além de contribuir para a projeção internacional do Brasil”, afirma. Dentre os programas prioritários do Exército estão : Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras, Programa Astros que objetiva dotar a artilharia de campanha com misseis e foguetes de longo alcance, programa Forças Blindadas e o programa de Defesa Cibernética Nacional, incluindo a criação de uma escola nacional de defesa cibernética e centro de controle de operações. Assista: https://youtu.be/K3xXzjBOlzE  

Mais Sobre Economia

Melhores investimentos em 2023, segundo Hélio Laniado

Melhores investimentos em 2023, segundo Hélio Laniado

A vida financeira é um assunto muito importante, sendo uma das bases da vida contemporânea. Entretanto, por causa da falta de conhecimento mais técn

Primeiro dia de Rondônia Rural Show muito movimentado

Primeiro dia de Rondônia Rural Show muito movimentado

A nona edição da Rondônia Rural Show foi aberta hoje pela manhã (23) com a presença do Governador Marcos Rocha e diversas autoridades e lideranças e

Conselho Estadual de Desenvolvimento Econômico aprova projetos que reforçam geração de empregos

Conselho Estadual de Desenvolvimento Econômico aprova projetos que reforçam geração de empregos

O Governo de Rondônia, realizou, de forma online e presencial, a 76ª Reunião Ordinária do Conselho Estadual de Desenvolvimento Econômico – Conder, p

Governo Federal repassa R$ 93,4 milhões para Rondônia

Governo Federal repassa R$ 93,4 milhões para Rondônia

O Governo Federal vai realizar, nos dias 20 e 24 de maio, o repasse de R$ 93,4 milhões para o estado rondoniense e seus municípios relativos à arreca