Porto Velho (RO) terça-feira, 22 de setembro de 2020
×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Bovespa oscila mas, a exempo do dólar, encerra negócios em alta


Rui Pizarro (Agência O Globo) RIO - Apesar de um dia marcado por oscilações moderadas próximas da estabilidade, o mercado acionário brasileiro encerrou as operações desta terça-feira em alta. O Ibovespa, índice que reúne as 56 ações mais negociadas da bolsa paulista, avançou 1,26%, aos 36.681 pontos, com giro de R$ 1,895 bilhão. O dólar comercial, influenciado por mais um leilão de compra do BC e por um cenário externo sem grandes novidades, fechou com valorização de 0,46%, vendido a R$ 2,2030. O risco-país, termômetro que mede a confiança do investidor na economia brasileira, recuou 0,87% aos 228 pontos-base. BOLSA - O comportamento da Bovespa no dia resultou de vários fatores, dentre os quais o desempenho positivo dos mercados em Wall Street, os resultados de empresas no Brasil e nos EUA e algum movimento de realização de lucros, após a alta de 2% na véspera. As bolsas européias fecharam sem tendência comum, enquanto as americanas refletiram, nos fechamentos, indicadores econômicos como o índice de confiança do consumidor, que ficou acima do esperado, e a venda de casa usadas, que também recuou um pouco mais do que as estimativas. - O mercado brasileiro tem se voltado mais para o cenário externo, já que internamente os dados são tranqüilos. Falta apenas a ata do Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central), com a sinalização do rumo dos juros - avalia Marcelo Voss, economista-chefe da corretora Liquidez. Para o diretor da corretora Ágora e presidente da Associação dos Analistas e Profissionais de Investimentos do Mercado de Capitais do Rio de Janeiro (Apimec-RJ), Álvaro Bandeira, apesar da volatilidade, a tendência da Bovespa ainda é de alta. - Na verdade, um patamar acima de 37 mil pontos é o ideal para o Ibovespa, se bem que ele já deu alguns sinais falsos, rolando um pouco mais para baixo. Mas, de qualquer modo, 37 mil o deixa com uma "cara" boa - considerou. A indefinição dos rumos dos juros americanos é outro fator que, na avaliação do economista-chefe do Fiducia Asset Management, Marcelo Castello Branco, continua presente na tomada de decisões dos investidores. - No fundo, a dúvida que persiste é saber qual dos fatores vai pesar mais: o fato de a atual política monetária estar chegando ao fim ou o fato de estar havendo um desaquecimento incipiente na economia. Essa é a indefinição que, no curto prazo, não permite grandes previsões - explicou. O economista lembrou que os desdobramentos da crise no Oriente Médio e o impacto do conflito sobre os preços do petróleo também seguem influenciando os mercados globais, nestes dias. JUROS - Na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), os contratos de depósito interfinanceiro (DI) fecharam os negócios desta terça-feira sem tendência definida, mas influenciados positivamente pela deflação de 0,02% registrada em julho pelo IPCA-15.

Mais Sobre Economia - Nacional

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Um documento enviado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) aos governadores brasileiros revela que o corte de 50%

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia informa que identificou a falta de prestação das informações sobre admissões