Porto Velho (RO) sexta-feira, 25 de setembro de 2020
×
Gente de Opinião

Hiram Reis e Silva

A Terceira Margem – Parte VI


A Terceira Margem – Parte VI - Gente de Opinião

Bagé, 23.07.2020

 

Navegando com o Guaíba

 

Determinação

 

Há mais pessoas que desistem
do que pessoas que fracassam. (Henry Ford)

 

Sempre procurei mostrar àqueles com quem convivo que jamais devemos estar satisfeitos com o que somos; que devemos, sempre e sempre, buscar o aperfeiçoamento em todos os níveis, seja espiritual, físico, mental ou intelectual. Com o passar dos anos, uma natural acomodação é capaz de nos conduzir à mesmice, à estagnação.

 

Devemos combater essa tendência, com todas as forças, com autodisciplina, superação, estabelecendo objetivos definidos. Não devemos ter receio de tentar, medo de fracassar. O perdedor é o que não arrisca e não o que falha tentando. No palco da vida, temos de ser os protagonistas não os coadjuvantes.

 

À Espera de um Milagre

 

A partida para o Alto Purus é ainda o meu maior, o meu mais belo e arrojado ideal. Partirei sem temores; e nada absolutamente me demoverá de tal propósito.

(Euclides da Cunha – Carta a José Veríssimo)

 

Foi com esta convicção, minha paixão extrema pela esposa enferma, minha fé inquebrantável no Grande Arquiteto do Universo e na sua capacidade de operar milagres, meu amor pela Amazônia e pelas águas, que nasceu o “Projeto-Aventura Desafiando o Rio-Mar”.

 

O projeto tem como objetivo fundamental despertar a juventude brasileira para que exerça, desde já, uma pressão cidadã, no sentido de reverter as nefastas ações que afligem nossa Hileia, exigindo das autoridades providências que contemplem o meio ambiente e os povos da floresta sem, contudo, negligenciar a soberania nacional. Nosso intuito era executá-lo depois de sairmos do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA) em 2010, mas o corpo docente e discente, ao tomar conhecimento do nosso plano, sugeriu transformar o projeto do Coronel Hiram Reis em um Projeto do CMPA.

 

Começaram, então, entusiasticamente a desenvolver um acurado planejamento de modo a contemplar todas as disciplinas e clubes de maneira a torná-lo um projeto interdisciplinar e multidisciplinar. Devido a esse envolvimento da Comunidade escolar do CMPA, fomos levados a antecipá-lo e programá-lo para o período de 1° de outubro de 2008 a 04 de fevereiro de 2009.

 

Experiência e Respeito à Natureza

 

A proposta original consistia em descer os Rios Solimões/Amazonas (Tabatinga/AM – Belém/PA) de caiaque, reconhecer seus principais afluentes, observar a fauna, flora, hidrografia, relevo, entrevistar autoridades locais e representantes dos povos da floresta. A escolha do caiaque se baseou em dois requisitos fundamentais – experiência como canoísta profissional e respeito à natureza. A experiência já havia sido consagrada nas águas do Mato Grosso, São Paulo e Mato Grosso do Sul quando conquistei o campeonato Sul-Mato-Grossense de Canoagem em 1989, singrando águas brancas, quedas d’água e provas de longa distância. Numa época em que tanto se propugna pelo respeito à natureza, o caiaque sintetiza o meio de transporte ideal para ser usado na “Terra das Águas”. Seu deslocamento silente não afugenta, não atemoriza a fauna; as remadas firmes e cadenciadas seguem o ritmo da natureza sem agredir a flora e a ausência de motores a combustão não polui, não macula os Rios.

 

Apresentação

 

No dia 21.06.2007, no Salão Brasil do CMPA do velho Casarão da Várzea, lancei, em nome do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA), da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS) e da Academia de História Militar Terrestre do Brasil (AHIMTB) oficialmente o Projeto. O evento contou com a presença de todos os professores, representação de alunos, autoridades, empresários e imprensa de Porto Alegre.

 

Treinamento

 

A partir de então, com muito esforço e apoio de familiares, amigos e professores consegui adquirir parte dos equipamentos necessários e manter um treinamento rígido em que estabeleci obstáculos bem superiores aos que iria enfrentar na “terra das Amazonas”. Em menos de dois anos, percorri uma distância de 12.590 quilômetros, equivalente à navegação da Foz do Chuí ao México, enfrentando condições de navegação extremas. O Rio Guaíba proporciona reais dificuldades à navegação com seus ventos fortes e largura de até 18 km (entre a Vila Itapuã e a Praia da Faxina) bem superior à do Rio Solimões. As diversas rotas que idealizei, atravessando o canal em navegações contínuas superiores a 2 horas, buscaram ultrapassar as situações que enfrentaria na Amazônia. Enfrentei ventos de 25 nós (45 km/h), que ao passar entre os morros da Ponta Grossa e a Pedra Redonda, criam um interessante efeito de turbilhonamento. As ondas, de até 1,5 m, surgem de todos os lados, sem um padrão definido, exigindo muita habilidade e força do canoísta.

 

Desafios

 

Procurando testar meus limites, estabeleci percursos superiores a 70 quilômetros de extensão e, em todas as oportunidades, tive a satisfação de atingir com sucesso as metas propostas.

 

Rota Desafio 1 – Navegador José Pineda

 

O saudoso amigo Pineda, irmão da professora Silvana Pineda me apresentou, através de fotos e relatos de suas experiências como experiente navegador, um Guaíba muito mais majestoso e desafiador. Seguindo suas sábias orientações, fui cada vez mais estendendo os limites e passei a conhecer o Rio em toda a sua plenitude, em todo seu esplendor e magia. O desafio que batizei com seu nome teve início às 06h15 do dia 10.12.2007, no dia mais quente do ano. Foi um desafio de resistência física e psicológica. Cheguei à praia da Faxina às 10h30 e, às 18h20, aportava na Raia 1 com um tempo de navegação de 09h25 (82 km).

A Terceira Margem – Parte VI - Gente de Opinião

Rota Desafio 2 – Cel Altino Berthier Brasil

 

Esta rota foi em homenagem ao meu ex-mestre do CMPA, Coronel Berthier, profundo conhecedor das belezas e mistérios da Amazônia Brasileira. Nesta prova, saí às 05h55 e naveguei até a maravilhosa Ilha do Junco, que faz parte do complexo do Parque Itapuã, no dia 18.12.2007, retornando às 18h25 com um tempo de navegação de 09h27 (84 km).

A Terceira Margem – Parte VI - Gente de Opinião

Rota Desafio 3 – Professora Silvana Pineda

 

Cruzei o Farol de Itapuã e superei os umbrais da Lagoa dos Patos em uma navegação de 80 quilômetros em 11 horas. Uma prova que se iniciou às quatro horas da madrugada, na mágica noite do dia 07.02.2008, em que as estrelas cadentes e o céu claro, embora sem lua, me brindaram com sua esfuziante beleza. Cheguei exatamente às dezoito horas, após manter o compassado ritmo dos 4 nós por hora.

A Terceira Margem – Parte VI - Gente de Opinião

Rota Desafio 4 – Rosa Mística

 

Parti rumo à Ilha do Barba Negra às 03h15, numa noite clara, sem lua, acariciado pela brisa suave vinda do quadrante Sul, como os boletins do tempo haviam anunciado.

A Terceira Margem – Parte VI - Gente de Opinião

Depois de remar aproximadamente 45 minutos, o céu foi ficando carregado na altura da Ponta Grossa, e os ventos de proa começaram a dificultar a progressão. Decidi continuar navegando até a Ilha do Chico Manoel, esperando que até lá as coisas melhorassem. Fiz uma breve prece esperando que o Grande Arquiteto acalmasse os ventos e desviasse as pesadas nuvens de minha rota. De repente, pequenas luzes esverdeadas começaram a brilhar sobre as águas. A magia do momento me inebriava e eu via, ou sentia, que a abóbada celeste repousava nas águas do imenso Guaíba. Seriam microrganismos? Já havia presenciado fenômeno semelhante no litoral gaúcho. Depois de algum tempo, consegui identificar que aquelas pequenas cintilações eram produzidas por centenas de vaga-lumes que descansavam sobre as ternas águas antes de continuar o seu voo nupcial.


Depois de remar aproximadamente 45 minutos, o céu foi ficando carregado na altura da Ponta Grossa, e os ventos de proa começaram a dificultar a progressão. Decidi continuar navegando até a Ilha do Chico Manoel, esperando que até lá as coisas melhorassem. Fiz uma breve prece esperando que o Grande Arquiteto acalmasse os ventos e desviasse as pesadas nuvens de minha rota. De repente, pequenas luzes esverdeadas começaram a brilhar sobre as águas. A magia do momento me inebriava e eu via, ou sentia, que a abóbada celeste repousava nas águas do imenso Guaíba. Seriam microrganismos? Já havia presenciado fenômeno semelhante no litoral gaúcho. Depois de algum tempo, consegui identificar que aquelas pequenas cintilações eram produzidas por centenas de vaga-lumes que descansavam sobre as ternas águas antes de continuar o seu voo nupcial.

A Terceira Margem – Parte VI - Gente de Opinião

Cheguei à Ilha do Chico Manoel às 06h15 e o tempo continuava fechado. Fiz um pequeno lanche e descansei na maravilhosa Ilha do Clube Veleiros. O dia estava clareando, os ventos novamente se transformaram em suave brisa, e observei que na altura do Farol de Itapuã, as nuvens eram mais esparsas, anunciando bom tempo. Parti às 06h55 diretamente para a Ponta da Faxina. A Península da Faxina, com suas falésias, vegetação nativa e abundância de pássaros, me impressionou. Decidi navegar mais um pouco e parar na Ilhota da Ponta Escura. A ilhota, com seus canaletes, não me chamou a atenção. Habitada e sem graça, me levou a continuar remando e a planejar um descanso na altura do Morro da Formiga. Tentava, em vão, avistar a Ilha do Barba Negra.

 

Por volta das 09h30, mal tinha ultrapassado a Ilhota, vislumbrei no horizonte algo que mais parecia uma Ilha de aguapés. Continuei remando, vigorosamente, por mais 30 minutos e confirmei minhas expectativas de que era a Ilha do Barba Negra. Achei estranho que a Ilha que eu guardara na memória, que possuía a orientação Norte-Sul, se apresentasse transversal ao meu deslocamento.

 

Eu esquecera, ou o cansaço me embotara a mente, de que a Ilha possuía dimensões importantes com 3,5 km de comprimento por 600 m de largura e elevações de 10 m. Mantenho uma remada forte e chego, por volta das 10h20, ao morro da Formiga, coberto por mata virgem intocada, com seus 108 metros de altura. Pude avistar suas fantásticas praias de areias brancas circundada por rochas formidáveis. Em algumas delas, as lontras, saciadas com comida farta propiciada pela piracema das tainhas, tomavam, preguiçosamente, banho de Sol.

A Terceira Margem – Parte VI - Gente de Opinião

O cansaço começa a tomar conta do meu corpo e fico preocupado com a volta. Já havia remado 06h20 e ainda não tinha alcançado meu objetivo, a Ilha do Barba Negra. Decido aportar na primeira ilhota, ou praia do Morro da Formiga, que avistar. Ao ultrapassar a Ponta da Formiga, avistei uma pequena Ilha ao longe e me dirijo a ela mantendo um ritmo forte. Chego à Ilha exatamente às 11h15, sete horas após ter saído da Raia 1. É uma pequena e bela Ilha para se ver de longe, mas não para se aportar. A Ilha do Veado, como é chamada, só mais tarde é que fiquei sabendo do nome dela, quando fui confirmar minha rota, é formada apenas por rochas, alguns arbustos e cactos. As rochas dificultam a aportagem e atraco em uma pequena angra protegida das ondas.

A Terceira Margem – Parte VI - Gente de Opinião

Cancelamos o pernoite na Ilha do Barba Negra, embora o Teixeira estivesse equipado para tal, e iniciamos o retorno. Sem carta, sem jamais ter navegado por aquelas paragens, o meu arrojado amigo, apoiado apenas na sua férrea vontade, estava na rota correta, mostrando que a fibra e a determinação dos Forças Especiais (FE) continuava viva nos seus músculos e no sangue que corre nas suas veias. Paramos na Ilhota para conversarmos um pouco e, mais adiante, na Ponta da Faxina, onde saboreamos alguns coquinhos silvestres antes de atravessar o canal numa extensão de 12,7 quilômetros rumo à Ilha do Chico Manoel.

A Terceira Margem – Parte VI - Gente de Opinião

              Pela primeira vez, no trajeto, fiz uso do GPS e confirmei a direção a ser seguida. O deslocamento, a partir das catorze horas, transcorreu bem impulsionado por suaves ventos de popa permitindo aqui e ali surfar nas pequenas ondas. Na Ilha do Chico Manoel, paramos uns 40 minutos e recebemos um telefonema da repórter Carla, da Zero Hora, agendando uma sessão de fotos. Novamente desfrutei da paradisíaca Ilha, tomei um banho reconfortante para afastar os efeitos da canícula. Partimos, às 18h40, rumo à Ponta Grossa onde paramos brevemente e, depois do pôr do Sol, às 20h30 nos encaminhamos, novamente orientados pelo GPS, rumo à Raia 1. A navegação, à noite, é mágica. As luzes da Cidade refletida nas águas serenas do Guaíba fazem a imaginação viajar. Chegamos às 21h30, cansados, mas satisfeitos. Remamos 95 quilômetros durante 13h30. Sei que não irei navegar durante tanto tempo na Amazônia em apenas um dia, mas um treinamento árduo certamente nos dá a confiança e a certeza de que estamos preparados para enfrentar os óbices que surgirem na nossa pequena Odisseia

A Terceira Margem – Parte VI - Gente de Opinião

O Forças Especiais (Coronel Teixeira) me surpreendeu favoravelmente, novamente, uma vez guerreiro, sempre guerreiro. Esta rota foi em homenagem à nossa querida amiga Rosângela Maria de Vargas Schardosim, de Bagé, que tem conseguido divulgar meus artigos em diversos periódicos nacionais.

 

Solicito Publicação

 

 

(*) Hiram Reis e Silva é Canoeiro, Coronel de Engenharia, Analista de Sistemas, Professor, Palestrante, Historiador, Escritor e Colunista;

 

 

·    Campeão do II Circuito de Canoagem do Mato Grosso do Sul (1989)

·    Ex-Professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA);

·    Ex-Pesquisador do Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx);

·    Ex-Presidente do Instituto dos Docentes do Magistério Militar – RS (IDMM – RS);

·    Ex-Membro do 4° Grupamento de Engenharia do Comando Militar do Sul (CMS)

·    Presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS);

·    Membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil – RS (AHIMTB – RS);

·    Membro do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do Sul (IHTRGS – RS);

·    Membro da Academia de Letras do Estado de Rondônia (ACLER – RO)

·    Membro da Academia Vilhenense de Letras (AVL – RO);

·    Comendador da Academia Maçônica de Letras do Rio Grande do Sul (AMLERS)

·    Colaborador Emérito da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG).

·    Colaborador Emérito da Liga de Defesa Nacional (LDN).

E-mail: hiramrsilva@gmail.com

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Hiram Reis e Silva

A Terceira Margem – Parte LII - Viagem da “Real Escolta” – VIII

A Terceira Margem – Parte LII - Viagem da “Real Escolta” – VIII

Bagé, 25.09.2020 Porto Velho, RO/ Santarém, PA ‒ Parte XI Viagem da “Real Escolta” – VIII No dia 15.12.1749, ao romper da manhã saindo da Ilha menci

A Terceira Margem – Parte LI - Viagem da “Real Escolta” – VII

A Terceira Margem – Parte LI - Viagem da “Real Escolta” – VII

Bagé, 24.09.2020 Porto Velho, RO/ Santarém, PA ‒ Parte X Viagem da “Real Escolta” – VII No dia 08.12.1749, por ser dedicado ao sagrado mistério da C

A Terceira Margem – Parte L - Viagem da “Real Escolta” – VI

A Terceira Margem – Parte L - Viagem da “Real Escolta” – VI

Bagé, 23.09.2020 Porto Velho, RO/ Santarém, PA ‒ Parte IX Viagem da “Real Escolta” – VI Dia 18.10.1749. Neste dia, se principiou viagem costeando a

A Terceira Margem – Parte XLIX - Viagem da “Real Escolta” – V

A Terceira Margem – Parte XLIX - Viagem da “Real Escolta” – V

Bagé, 22.09.2020 Porto Velho, RO/ Santarém, PA ‒ Parte XVIII Viagem da “Real Escolta” – V A 10.10.1749, de madrugada, atravessando a parte direita,