Porto Velho (RO) domingo, 24 de outubro de 2021
×
Gente de Opinião

Amazônias - Gente de Opinião

Amazônias

História de crimes do ex-ministro Sales precisa ser reescrita para não ser esquecida


História de crimes do ex-ministro Sales precisa ser reescrita para não ser esquecida - Gente de Opinião

A imprensa tem memória curta. Faz parte da história das redações de jornais esquecer os personagens que se envolvem em episódios polêmicos logo que eles se afastam e ficam fora dos holofotes. Vez ou outra, os repórteres lembram dos assuntos nas conversas nas mesas dos botecos.

 

Trabalhei em redação de 1979 a 2014 e não fui exceção: também esqueci o nome de muita gente. Inclusive de pessoas que denunciei no jornal. Mas os tempos mudaram. E as novas tecnologias colocaram a história na nossa mão simplesmente apertando uma tecla do celular.

E as redes sociais estão aí ativas para não deixar que nós jornalistas esqueçamos dos personagens que já foram o centro de grandes rolos. Fiz esse nariz de cera para puxar o assunto sobre o qual vamos conversar: a história do ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles, o “homem da boiada”.

A história de Salles precisa ser reescrita. Ele assumiu o Ministério do Meio Ambiente em 2019, no início do governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). E pediu demissão em junho de 2021, após sangrar no cargo por vários meses.

A situação de Salles ficou insustentável depois que o delegado Alexandre Saraiva, ex-superintendente da Polícia Federal (PF) do Amazonas, apresentou no Supremo Tribunal Federal (STF) uma notícia-crime contra o então ministro, acusando-o de estar envolvido com o contrabando de madeira, entre outras irregularidades — há matéria na internet. Posteriormente, dois inquéritos foram abertos pela PF envolvendo Salles.

Depois que deixou o ministério, ele perdeu o foro privilegiado e o seu caso foi para a Justiça Federal de primeira instância. No início de agosto, deu uma entrevista à Rede TV dizendo que era inocente e que foi vítima do “aparelhamento da PF”. A história de Salles vai muito além do contrabando de madeiras raras para os Estados Unidos, entre outros crimes. Ela precisa ser reescrita para nunca ser esquecida. Já temos um exemplo da história de um personagem que foi ministro no atual governo que está sendo reescrita.

Trata-se do ex-ministro da Saúde e general da ativa do Exército Eduardo Pazuello. Ele foi colocado no cargo por Bolsonaro para alinhar o Ministério da Saúde com o negacionismo do presidente em relação ao poder de contágio e letalidade da Covid. Pazuello transformou o negacionismo de Bolsonaro em política do governo.

A Comissão Parlamentar de Inquérito da Covid-19 do Senado, a CPI da Covid, esta fazendo as ligações da administração Pazuello com a morte de 570 mil brasileiros pelo vírus e outros absurdos que aconteceram durante a sua gestão, como a morte de pacientes nos hospitais de Manaus (AM) e no interior do Pará por falta de oxigênio hospitalar. O relatório da CPI vai contar a história do que aconteceu entre as quatro paredes do governo federal durante a pandemia. E será para nós jornalistas uma fonte de informações preciosas.

Por tudo que a CPI já apurou, Pazuello foi para Bolsonaro a pessoa que implantou na Saúde o negacionismo do presidente como política de governo. E o que nós jornalistas sabemos sobre os acontecimentos entre as quatro paredes da administração de Salles no Meio Ambiente? Sabemos que, a exemplo de Pazuello, Salles implantou como política de governo a destruição dos órgãos de fiscalização do ministério, facilitou a vida dos madeireiros ilegais e permitiu a entrada de garimpeiros nas reservas indígenas.

A maior vítima foi a Floresta Amazônica e os seus povos indígenas. A imprensa estrangeira tem cobrado dos jornalistas brasileiros trabalhos mais profundos sobre o que tem acontecido na floresta e com os povos que lá vivem.

O que temos publicado são informações parciais. Dificilmente haverá uma CPI para esclarecer o assunto. Então, como vamos fazer? Apesar de toda a truculência de Salles, boa parte da rede de informações da região formada por ONGs, religiosos e organizações indígenas conseguiu sobreviver.

Essa rede pode nos informar sobre o que aconteceu no atacado. O nosso maior problema é conseguir informações entre as quatro paredes do Ministério do Meio Ambiente. Conheço profundamente a organização dos madeireiros ilegais que operam na Amazônia e alguns grupos de garimpeiros. Eles não têm um comando central. São grupos que se organizam para uma ação específica — derrubar um mato ou garimpar uma jazida. 

História de crimes do ex-ministro Sales precisa ser reescrita para não ser esquecida - Gente de Opinião
História de crimes do ex-ministro Sales precisa ser reescrita para não ser esquecida - Gente de Opinião

Disse ele na ocasião: “Vamos aproveitar e passar a boiada”. Ninguém pode exigir do presidente Bolsonaro que coloque no Ministério do Meio Ambiente um ecologista. Ele tem o direito de escolher quem ele quiser. Só que aquele que assumir tem que respeitar a lei. Foi justamente isso que Salles não fez. Essa é a história que precisamos contar.

 

Texto publicado originalmente pelo blog Histórias Mal Contadas.

______

 

Carlos Wagner é repórter, graduado em Comunicação Social – habilitação em Jornalismo, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – Ufrgs. Trabalhou como repórter investigativo no jornal Zero Hora (RS, Brasil) de 1983 a 2014. Recebeu 38 prêmios de Jornalismo, entre eles, sete Prêmios Esso regionais.

Mais Sobre Amazônias

Sebrae lança novos editais do Inova Amazônia para atuação em sete estados brasileiros

Sebrae lança novos editais do Inova Amazônia para atuação em sete estados brasileiros

O Sebrae vai selecionar projetos para desenvolver negócios inovadores que fortaleçam a bioeconomia em sete estados que fazem parte do Bioma da Amazô

Vivência em Bioconstrução traz saberes ancestrais mesclados às novas tecnologias sustentáveis

Vivência em Bioconstrução traz saberes ancestrais mesclados às novas tecnologias sustentáveis

O Projeto Terra Cura de Reflorestamento e Permacultura realizará próximo dia 18 (sábado) uma Vivência em Bioconstrução na primeira casa de hiperadob

Dia da Amazônia - Qual o papel da maior floresta tropical do planeta no combate ao aquecimento global?

Dia da Amazônia - Qual o papel da maior floresta tropical do planeta no combate ao aquecimento global?

A Amazônia é um bioma que inclui a maior floresta tropical do mundo, com a maior riqueza em biodiversidade do planeta, além de ser uma importante fo

Evento digital de Agronegócio da Amazônia Legal vai debater Inovação e Sustentabilidade

Evento digital de Agronegócio da Amazônia Legal vai debater Inovação e Sustentabilidade

O maior evento agrodigital totalmente voltados para a Amazônia legal, a Agrolab Amazônia, que acontece nos dias 14 e 16 de setembro deve debater, co