Porto Velho (RO) terça-feira, 22 de setembro de 2020
×
Gente de Opinião

Saúde

Saúde da Família reduz atendimento nas unidades saúde



“Mais um dos programas na área de saúde que vem dando muito certo na capital, através do qual 80% dos casos atendidos pelas equipes Saúde da Família, são resolvidos no atendimento domiciliar, sem que a pessoa precise se dirigir até uma unidade”. A conclusão mais do que positiva é do secretário municipal de Saúde, Williames Pimentel.Saúde da Família reduz atendimento nas unidades saúde - Gente de Opinião

O programa foi implantado em 2000, mas desde 2005, já na administração Roberto Sobrinho, recebeu muitos investimentos, ganhou espaço próprio em algumas unidades e aumentou em muito a quantidade de profissionais. O número de profissionais envolvidos nas 74 equipes do PSF entre área rural e urbana é de 2.777 hoje, sendo que 554 são Agentes Comunitários de Saúde. Ainda de acordo com os dados do departamento de Controle e Avaliação da Semusa, as equipes são formadas por Clínicos Gerais, Enfermeiros, Bioquímicos, Técnicos em Enfermagem e profissionais que trabalham na prevenção das doenças. “A equipe PSF cuida para que as pessoas não adoeçam e o modelo implantado pelo Governo Federal, através da reforma sanitária que já é usado em vários países, como Canadá e Cuba, trouxeram grandes resultados no combate à vários tipos de doenças”, explica o secretário.

Cobertura

Porto Velho tem 65% dos bairros cobertos pelo atendimento do Programa Saúde da Família, e nos próximos dias a prefeitura da capital vai contratar mais 100 Agentes Comunitários para garantir o atendimento a um número maior de famílias. Os procedimentos realizados no atendimento do PSF na zona urbana e rural são praticamente os mesmos e vão desde atividade educativa e orientação em grupo, aplicação de flúor, coleta de material para exames, acompanhamento das dosagens de cálcio, ferro e glicose, entre outros. Depois de uma triagem e quando necessário, o paciente é encaminhado para o atendimento médico já com dia marcado para consulta. “Esta dinâmica de facilitar o atendimento das pessoas, através da equipe PSF, além de evitar desgastes desnecessários para o paciente que provavelmente já está debilitado pela doença, vai também evitar o congestionamento desnecessário nas unidades de saúde” garante o médico Luis Eduardo Maiorquim, coordenador do programa PSF.

De janeiro a novembro do ano passado, a prefeitura realizou 458.569 visitas domiciliares na zona urbana, 85.066 na zona rural, além das 75.054 visitas realizadas pelas equipes do Saúde da Família, e das quatro policlínicas da capital que também possuem o atendimento dos profissionais do PSF. Até o final deste ano, todas as unidades de saúde do município vão passar a atender a população com a mesma linha de trabalho do PSF.

Remédios

Segundo dados apresentados pela Semusa, a venda de remédios na Farmácia Popular, diminuiu consideravelmente. È que não faltam medicamentos nas unidades, logo, os pacientes não estão precisando comprar os remédios receitados nas consultas. “Nós trabalhamos com um sistema de Estoque Regulado e efetivamos a aquisição dos remédios para abastecer todos os postos e unidades de saúde com estoques suficientes para cada seis meses, então não há possibilidade de faltar remédios para a população”, afirma Pimentel.

Monitoramento

A Semusa está avaliando a implantação de um sistema de monitoramento das visitas domiciliares das equipes Saúde da Família, através de um controle de GPS (Sistema de Posicionamento Global), para garantir 100% da realização das visitas.” É importante nós termos certeza absoluta sobre a realização das visitas realizadas pelos agentes comunitários, precisamos ter certeza que os números com que trabalhamos são reais” informou o secretário.

Fonte: Nara Vargas
Fotos: Frank Néry

Mais Sobre Saúde