Porto Velho (RO) sábado, 26 de setembro de 2020
×
Gente de Opinião

Saúde

Preventivo do colo uterino pode ser feito em todas as unidades de saúde de Porto Velho



O exame preventivo do câncer do colo uterino é considerado essencial para que a doença possa ser detectada com antecedência, facilitando o tratamento e a cura. A Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) disponibiliza o exame em todas as unidades de Saúde da Família. Só neste primeiro semestre de 2011, foram atendidas 11.628 pacientes, e detectados 14 casos de câncer.

As pacientes com diagnóstico positivo são encaminhadas para médicos especialistas, oncologistas do Centro de Referência da Saúde da Mulher, onde são submetidas a procedimentos de colposcopia, biopsia, cirurgia de alta frequência e conização, para confirmação diagnóstica e tratamento.

De acordo com a coordenadora da Divisão de Programas Especiais, do Departamento de Atenção Básica da Semusa, Maria do Carmo Lacerda Nascimento, o município busca incentivar o exame nas mulheres da faixa etária considerada de risco.

Em junho, foi promovido um curso de capacitação para todos os profissionais da saúde que atuam nesse processo. O objetivo é o de prestar assistência a captação de pacientes, afim de ampliar o rastreamento do câncer de colo uterino. “Dessa forma, evitamos a morbimortalidade por esta patologia, 100% curável se diagnosticada precocemente”, salienta Maria do Carmo.

Algumas unidades das unidades de saúde realizam o exame até mesmo aos sábados, para facilitar a vida de quem não tem tempo durante a semana. Na unidade de saúde Ernandes Índio, no bairro Esperança da Comunidade, por exemplo, é preciso agendar durante a semana para fazer a coleta no sábado. Segundo o coordenador do posto, Raimundo Lamarão, ali são feitos cerca de 60 exames por semana. As enfermeiras fazem a coleta da secreção vaginal, que é encaminhada para análise em laboratórios. O resultado fica pronto em até 15 dias. “Quanto antes se detectar qualquer problema, maiores serão as chances de sucesso no tratamento”, explicou.

Fonte: Róbinson Gambôa

Mais Sobre Saúde