Porto Velho (RO) sábado, 24 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Saúde

Pesquisadores de Rondônia encontram proteína extraída do veneno de cobras que pode combater a Leishmaniose e outras doenças


Coordenadora do Pró-Rondônia, Juliana Zuliani e o pesquisador Leonardo de Azevedo no laboratório da Fiocruz. - Fotos: Frank Nery - Gente de Opinião
Coordenadora do Pró-Rondônia, Juliana Zuliani e o pesquisador Leonardo de Azevedo no laboratório da Fiocruz. - Fotos: Frank Nery

A pesquisa está sendo realizada por um aluno de doutorado da Universidade Federal de Rondônia (Unir) que faz parte do projeto Pró-Rondônia financiado pelo Governo do Estado, por meio da Fundação Rondônia de Amparo ao Desenvolvimento das Ações Científicas e Tecnológicas e à Pesquisa do Estado de Rondônia (Fapero).

A coordenadora do projeto é a doutora em imunologia, formada pela Universidade de São Paulo (USP), Juliana Zuliani, que também é pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e professora na Unir. A área de atuação está ligada à bioquímica e bioinformática. A doutora comenta que a descoberta de dois compostos extraídos do veneno de serpentes da espécie jararacuçu, muito embora seja uma cobra encontrada no sul do país, e os pesquisadores vem trabalhando com o veneno de duas jararacas, nativas da região Amazônica, em que o veneno é similar ao da Jararacuçu. A enzima pode ser a cura para a leishmaniose. “Estamos estudando um composto de proteínas no interior da célula que culmina a liberação de um mediador, que é o causador da inflamação. A descoberta dessa enzima pode quebrar o processo de inflamação da leishmaniose”, explicou, informando que há pesquisas sendo desenvolvidas para o combate da malária utilizando também um composto do veneno de cobras.

Esses são apenas um dos avanços da equipe de pesquisadores que fazem parte do Pró- Rondônia, iniciado há quase três anos. Seis estudantes participam do projeto com bolsas de iniciação científica, mestrado e doutorado, com alunos de graduação, pós graduação e doutores. Para o Pró-Rondônia, foram investidos R$ 125 mil.

Os estudantes são orientados por doutores que também são professores da Unir e pesquisadores da Fiocruz; Leonardo de Azevedo Calderon com experiência nas áreas de bioquímica e biofísica e Andreimar Martins Soares, que atua nas áreas de saúde pública e biotecnologia.

O foco principal do projeto são pesquisas sobre a bioprospecção da biodiversidade amazônica. De acordo com os pesquisadores, a partir desses estudos de compostos oriundos da biodiversidade da região amazônica, possam surgir novas drogas. Para que isso aconteça, através do Pró-Rondônia foi criada a Rede de Biotecnologia de Toxinas e Inibidores (Redebiotex), que integra pesquisadores de diferentes regiões do Brasil e de outros país como a Argentina, Equador, Panamá e Paraguai. “Contamos com pesquisadores de várias áreas diferentes, como a bioquímica, biofísica, imunologia , bioinformática, microbiologia. Praticamente todas a vertentes para poder ter um estudo integrado para chegar a um produto final”, destacou a coordenadora do programa, Juliana Zuliani.

Entusiasmado com o resulto de muitas pesquisas desenvolvidas pelo projeto, o pesquisador Leonardo de Azevedo Calderon destaca a importância do incentivo à pesquisa e a contribuição dela para os mais variados setores. “É preciso desmistificar a história que a pesquisa não serve para nada e que é dinheiro jogado fora, porque a pesquisa é a base para um novo conhecimento. Por mais simples que seja é importante. Senão fossem os estudos básicos da doutora Juliana, não conseguiríamos descobrir a proteína que pode combater a leishmaniose, a malária e outras doenças, uma vez que Rondônia é uma área endêmica. A pesquisa é fundamental e as informações se interligam”, desabafou.

“A falta de incentivo prejudica todo o desenvolvimento das pesquisas, que precisam parar por falta de recursos. A pesquisa não é barata. Todos os insumos são importados, não há insumos nacionais, porém é muito mais caro uma pessoa no leito de hospital público, ou comprar medicamentos com compostos do Brasil patenteados por outros países, como é o caso do captopril, produzido através de uma proteína do veneno de cobra nativa da região”, declarou Zuliani.

Com o investimento do Governo do Estado na área de pesquisa, hoje Rondônia conta com mais de  700  doutores qualificados nas mais diversas áreas. - Gente de Opinião
Com o investimento do Governo do Estado na área de pesquisa, hoje Rondônia conta com mais de 700 doutores qualificados nas mais diversas áreas.

O governo do Estado, por meio da Fapero, busca alternativas para manter as pesquisas em andamento e para abrir novas frentes de estudos. Atualmente Rondônia conta com mais de 700 doutores, sendo que a maioria passou pela orientação da pesquisadora e coordenadora do Pró-Rondônia, Juliana. ”Nós qualificamos e especializamos mão de obra para o Estado nas mais diferentes áreas de atuação, sejam elas na agricultura, pecuária, administração, engenharia entre outros setores” ressaltou.

Pesquisadores tipo exportação

Com a falta de incentivo e sem área para atuar, depois de formado, muitos pesquisadores brasileiros encontram emprego em outros países, onde são reconhecidos. “São quase 12 anos para formar um pesquisador, em que o governo investe e o qualifica, mas sem incentivo perdemos nossos doutores para o mercado internacional que os absorve. A atual administração está empenhada em investir nos programa de pesquisas em diversas áreas e absorver essa mão de obra”, salientou o presidente da Fapero, Leandro Dill, doutor e pesquisador da Fiocruz e orientador no Pró-Rondônia.

Leandro Dill foi convidado pela equipe da General Eletric dos Estados Unidos para trabalhar no setor de desenvolvimento, mas preferiu continuar em Rondônia.

Mais Sobre Saúde

Equipe de transplantes do Hospital de Base faz nova captação de órgãos no Hospital Regional de Cacoal

Equipe de transplantes do Hospital de Base faz nova captação de órgãos no Hospital Regional de Cacoal

O serviço de transplante pelo SUS em Rondônia foi implantado pela Secretaria Estadual de Saúde (Sesau) no ano de 2014, até agora já contabilizam 9

Mulheres de Rolim de Moura deverão procurar Clínica da Mulher para agendar mamografia

Mulheres de Rolim de Moura deverão procurar Clínica da Mulher para agendar mamografia

Uma parceria entre o município de Rolim de Moura (RO) e o Centro de Diagnóstico do Hospital do Amor em Ji-Paraná (RO) vai permitir que moradoras de

Dr. Aparício Carvalho entrevista o médico psiquiatra Dr. Jorge Jaber

Dr. Aparício Carvalho entrevista o médico psiquiatra Dr. Jorge Jaber

Neste Programa o Dr. Aparício Carvalho entrevista o Dr. Jorge Jaber, Médico  Psiquiatra renomado e que participou da segunda Jornada de Psiquiatri

Encontro de Direito Médico supera expectativas, avalia coordenador

Encontro de Direito Médico supera expectativas, avalia coordenador

O advogado Cândido Ocampo abriu o Encontro lembrando que ninguém faz nada sozinho e agradeceu às instituições parceiras, patrocinadoras e palestrant