Porto Velho (RO) segunda-feira, 22 de abril de 2019
×
Gente de Opinião

Saúde

Mulheres satisfeitas com maternidade municipal


Em entrevista coletiva, o secretário municipal de saúde, Sid Orleans, disse que a Maternidade Municipal "Mãe Esperança", projetada para atender as gestantes de média e baixa complexidade, gravidez que não apresente risco, vem cumprindo plenamente sua função, inclusive com equipamentos cirúrgicos necessários para garantir segurança e o bom atendimento. O secretário informou aos jornalistas que a maternidade está se preparando para oferecer outros tipos de atendimento, o que deverá acontecer quando ocorrer um novo acordo com o Estado alterando o tipo de atendimento que é prestado hoje. "Tendo em vista esta ampliação de atendimento, solicitamos tão logo iniciou o atendimento da maternidade, a aquisição de um equipamento de ultra-som", destacou Sid, informando que o berçário, dotado de onze incubadoras de  última geração, está pronto para atender casos de UTI Neo-Natal.

A diretora da maternidade, Ida Pérea, explicou que o atendimento prestado na unidade não necessita da utilização de ultra-sonografia. "Este equipamento somente se faz necessário durante o pré-natal, prestado pelos postos de saúde", afirmou lembrando que outra situação de uso do equipamento se dá quando a mulher apresenta gravidez de risco e necessita ficar internada na unidade. "Este tipo de atendimento não é feito por nós", ressaltou a diretora, enfatizando que ao chegar para dar a luz a mulher precisa do equipamento. 

Ao falar do atendimento na maternidade, a diretora disse que uma forma de avaliar os serviços prestados "é conversar com as mulheres atendidas. Elas é que avaliam a qualidade dos serviços  e, se aprovado por elas, é o que importa", afirmou Ida Perea.

Para o médico Alberto Castroviejo, pediatra chefe do Berçário da Maternidade Municipal, é necessário que a sociedade em geral entenda que os serviços da Maternidade Municipal e do Hospital de Base se complementam. A Maternidade ficou com os partos mais simples (baixa e média complexidade) e o Hospital de Base com os partos mais complicados (alta complexidade). "Com isto a população de Porto Velho e de Estados e municípios vizinhos ganharam muito, visto que agora temos dois serviços que se integram", enfatizou Castroviejo.     

Desde que foi inaugurada, em julho até o último dia (14), a Maternidade já realizou 692 partos, 580 normais e 104 cesarianas, segundo dados fornecidos pela diretora da unidade, Ida Pérea.
 
As crianças nascidas na maternidade saem com a certidão de nascimento, vacinadas e com o teste da orelinha realizado. "Além disso, também desenvolvemos os programas de aleitamento materno e planejamento familiar com a realização de laqueaduras", destacou a diretora. As cirurgias de laqueaduras, quando solicitadas pelas mulheres, são agendadas para 60 dias após o parto. 

É o caso de Hélia Sardinha Guimarães, mãe de quatro filhos, moradora do Jardim Santana e uma das primeiras a fazer a laqueadura na Maternidade. Acompanhando a mulher, Cristiano Silva Braga, disse que o atendimento na maternidade "é excelente, principalmente porque a gente pode acompanhar o nascimento do nosso filho e mesmo já tendo três, esta foi a primeira vez que pude ficar ao lado da minha esposa. Aqui todo mundo atende bem e até o pessoal da limpeza trata a gente com educação. Não vi este atendimento nem mesmo em hospital particular", ressaltou.   

Para Jaqueline Rodrigues da Silva, 20 anos, que teve a primeira filha na maternidade, poder contar com a presença de sua mãe durante todos os momentos, foi o mais importante. "Fiquei muito tranqüila e me senti mais amparada com ela aqui do meu lado, além da atenção dos médicos e enfermeiros". Jaqueline mora no bairro Liberdade e disse que tão logo começou a sentir as dores, foi direto para a maternidade. Contando com o acompanhamento do marido, Simone Azevedo, 21 anos, moradora do JK I, disse que o fato do marido ter ficado ao seu lado lhe deu muita segurança. "Ele acompanhou o parto e fez até foto. O atendimento aqui é muito bom e quando eu for ter outro filho, venho pra essa maternidade".

A dona de casa, Rosimar Lopes da Silva, moradora do bairro Castanheira, acompanhante da filha, Cleiciane da Silva Lima de 20 anos, falou que a maternidade "é uma benção de Deus pois o tratamento aqui é especial. As pessoas são bem humoradas e tratam a gente como gente. Tomara que continue assim. Esse atendimento era tudo que as mulheres precisavam". Rosimar afirmou que "a idéia de permitir acompanhante, tanto é importante para a mulher que vai parir como para a família que fica mais próxima e tranqüila".

Pai pela primeira vez, Tiago Souza Lucas , 20 anos, a pedido da esposa, Márcia das Dores Cruz, acompanhou o nascimento da primeira filha. "Minha mulher ficou bem mais tranqüila com a minha presença e o atendimento tanto dos médicos como dos enfermeiros foi muito bom". 
 
Fonte: Ascom

Mais Sobre Saúde

Incor lança campanha de arrecadação com artistas voluntários

Incor lança campanha de arrecadação com artistas voluntários

Artistas brasileiros de peso se mobilizam pela causa e ajudam a angariar fundos em comunicação assinada pela Africa

Secretaria de Meio Ambiente realiza campanha para eliminar caramujo africano em Rolim de Moura

Secretaria de Meio Ambiente realiza campanha para eliminar caramujo africano em Rolim de Moura

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano (SEMMADU), através da Coordenação de Projetos de Educação Ambiental está executando

Deputada Silvia Cristina pede mais médicos para atender a população

Deputada Silvia Cristina pede mais médicos para atender a população

Na manhã desta segunda-feira (15), a deputada federal Silvia Cristina (PDT) participou de uma Audiência para Discutir a Situação do Programa Mais Médi

Centro de Parto Normal em Ji-Paraná registra quase mil nascimentos em um ano

Centro de Parto Normal em Ji-Paraná registra quase mil nascimentos em um ano

Neste mês de abril, o Centro de Parto Normal (CPN) completou um ano de desde sua implantação. A Prefeitura de Ji-Paraná, por meio da Secretaria Muni