Porto Velho (RO) sábado, 26 de setembro de 2020
×
Gente de Opinião

Saúde

Estado oferece mais três UTIs para recém-nascidos


Com o objetivo de ampliar o número de vagas e os atendimentos a recém-nascidos, o governo de Rondônia está oferecendo mais 03 UTIs neo-natais. As unidades de tratamento intensivo serão disponibilizadas no Centro Materno Infantil Regina Pacis, em Porto Velho. Atualmente o Estado conta com 82 UTIs. Em 2003, início da primeira gestão, eram apenas 10 leitos. O aumento do número de unidades intensivas foi de mais de 700%.

“Os investimentos da administração Ivo Cassol na ampliação dos leitos de tratamento intensivo é um exemplo da transformação positiva no setor estadual de saúde. Dessa maneira saltamos de 10 UTIs,  para 54 na rede pública e 28 credenciadas na rede privada, totalizando 82 leitos para adultos e crianças. Somente na contratação de leitos o Estado investe, em média, todos o meses 680 mil reais”, afirmou Milton Moreira, secretário de Estado da Saúde.


No Hospital de Base Ary Pinheiro (HB) funcionam 15 de UTIs neo-natais. Com a contratação de mais 03 leitos, o sistema estadual de saúde passa a contar com 18 unidades para recém-nascidos. A ampliação do número geral para 82 de leitos foi feita de forma descentralizada. A ação atendeu todas as regionais de saúde. As UTIs funcionam em Porto Velho, Ji-Paraná, Ariquemes, Cacoal, Vilhena, Rolim de Moura e Ariquemes.


A UTI salvou a vida do meu filho –
O serviço de UTI para recém-nascidos está salvando vidas de muitas crianças com problemas graves. A maioria dos casos envolve gravidez de alto risco e partos prematuros. As mães permanecem, durante todo o dia, com as crianças internadas, amamentam e principalmente mantém o contato e o vínculo com os recém-nascidos.

A mãe, Carla Adriana Lemos Abreu acompanha o tratamento do filho há 40 dias. Pedro Lucas nasceu abaixo do peso, com 1,250kg e está atualmente com 1,785kg. “Quando ele atingir dois quilos receberá alta, não vejo a hora de isso acontecer. A UTI neonatal salvou a vida do meu filho”.

 
Fonte: Decom

Mais Sobre Saúde