Porto Velho (RO) sábado, 19 de setembro de 2020
×
Gente de Opinião

Saúde

Acre registra 15 casos suspeitos do vírus influenza A


  
Nos últimos dias aumentou o número de pessoas procurando atendimentos de saúde na rede básica com sintomas de gripe, principalmente em decorrência das mudanças climáticas e a chegada do verão. Médicos recomendam que ao apresentar dificuldades respiratórias, febre superior a 38º, tosse, dor na garganta, fadiga e manifestações gastrointestinais, as pessoas devem procurar ajuda de especialistas. Quem apresentar dificuldades respiratória aguda e piorar do estado de saúde, é sinal de que a doença chegou a um quadro grave. 

O governo afirma ter estrutura e condições suficientes para receber os pacientes com sintomas da gripe influenza em Rio Branco e no interior do estado. Na capital, o Pronto Socorro é a unidade de referência. Em Cruzeiro do Sul, procurar o Hospital Regional. Na fronteira com o Peru, em Assis Brasil os pacientes com sintomas devem se deslocar para a Unidade Mista de Saúde em busca de orientação médica. No município de Plácido de Castro, os serviços médicos são indicados para o Hospital Manoel Marinho Monte. Na fronteira com a Bolívia, em Brasiléia, o Hospital Raimundo Chaar deverá estar estruturado para receber os pacientes.

Até essa segunda-feira, 21, foram registrados 15 casos suspeitos do vírus influenza em todo Estado. Desses, um caso foi confirmado como Influenza A/H1N1; o outro apresentou sintomas de uma influenza A Sazonal (de outro tipo de vírus), dez casos foram descartados e três estão aguardando resultados. 

Em nota técnica que circulou ontem, a Secretaria de Saúde Estadual disse que haverá  mudanças no Plano Estadual de Preparação para a doença, em cumprimento as diretrizes do Ministério da Saúde que divulgou novo protocolo com o objetivo de adaptar e padronizar as ações estaduais ao Plano Brasileiro de Preparação para uma Pandemia de Influenza.

O governo federal estaria preparando o envio de tropas federais para as regiões de fronteira do país com objetivo de intensificar as ações de controle e prevenção da nova gripe. Deverão ser enviados 78 militares para 10 estados. O secretário de saúde, Osvaldo Leal, não confirmou que o Estado estaria recebendo auxilio de forças federais.

No último fim de semana, dois estudantes acreanos que estavam na Bolívia teriam contraído o vírus da gripe, segundo os jornais. O trânsito de universitários vindo de Cochabanba, Santa Cruz de La Sierra, Laz Paz e outras cidades bolivianas para o Acre aumenta o risco de propagação da doença. 

AUTOMEDICAÇÃO - A ingestão e uso de medicamentos por conta própria pode agravar as condições de saúde dos pacientes e desencadear outras doenças. O uso, por exemplo, de antiinflamatórios podem resultar em processos de asma e bronquite.

Os que contêm corticóides baixam a resistência, piorando um quadro de gripe. Nos antibióticos, o perigo são as reações alérgicas. Algumas marcas de antigripais e de pastilhas para garganta contêm um tipo de corante que também pode causar reações graves em pessoas alérgicas à substância.

O uso contínuo de descongestionantes nasais pode agravar o quadro e ainda aumentar a pressão sanguínea. Até analgésicos comuns, em doses elevadas, podem causar problemas para o fígado. A recomendação é a de sempre: não tomar medicamentos sem prescrição de profissionais credenciados. 

NÃO CONFUNDIR OS SINTOMAS - Dizem os infectologistas que a nova gripe tem os mesmos sintomas da gripe comum. Muitas vezes pode ser confundida com um resfriado. 

As gripes começam rapidamente, com febre alta, acima de 38 graus, dor no corpo e tosse muito freqüente.

Já o resfriado chega mais lentamente, a febre não passa dos 38 graus, vem com espirro e, geralmente, coriza. Geralmente os exames não são feitos nas unidades básicas, como os postos de saúde. 

Só os pacientes graves são encaminhados para hospitais da rede pública credenciados a fazer os testes.

Fonte: ac24horas
FRANCISCO COSTA

 

Mais Sobre Saúde

SENAI garante manutenção de respiradores da rede pública do Estado

SENAI garante manutenção de respiradores da rede pública do Estado

A rede pública de Rondônia recebeu essa semana, seis respiradores pulmonares que passaram por manutenção do Serviço Nacional de Aprendizagem Industr