Sexta-feira, 21 de junho de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Samuel Saraiva

Fenômenos da mente associadas a vidas passadas desafiam a ciência


Com o título, As crianças que se lembram de suas vidas passadas. O que acontece quando sua criança é assombrada por memórias que não são dela?Esse foi o tema abordado por Caitin Gibson, graduada em educação pela Universidade de Maryland, sobre crianças que descreveram lembranças de vidas anteriores, em artigo publicado hoje pelo jornal The Washington Post.

Ilustração: Vartika Sharma - Gente de Opinião
Ilustração: Vartika Sharma

No começo parecia que Nina era apenas uma amiga imaginária.

Aija, de dois anos, já havia inventado muitos personagens fictícios antes, mas seus pais Ross, um músico, e Marie, uma psicóloga – perceberam imediatamente que Nina era diferente. (A família falou ao The Washington Post com a condição de que apenas seus nomes do meio fossem usados ​​devido à delicadeza do assunto e porque Aija é muito pequena.)  

Desde que Aija aprendeu a falar, ela mencionava Nina e suas descrições eram notavelmente consistentes. Aija disse aos pais que Nina tocava piano, adorava dançar e preferia a cor rosa (Aija enfaticamente não gostava). Quando Aija falou como Nina, na primeira pessoa, o comportamento de Aija mudou: sua voz era mais doce e estridente, seu afeto mais gentil e educado do que Marie e Ross esperavam normalmente de sua filha indisciplinada. 

Aija às vezes dizia a eles que Nina tinha medo de que bandidos viessem buscá-la ou de não ter comida suficiente; Certa vez, Aija escondeu uma tigela de cereal e disse à mãe que era para Nina. Um dia, quando Marie estava usando o processador de alimentos na cozinha, Aija reagiu com horror ao som: Tire o tanque daqui!ela gritou. Marie não conseguia entender como sua filha conhecia a palavra tanque”. 

Tudo parecia mais curioso do que preocupante – até uma tarde no início da primavera de 2021, quando Marie passou a acreditar que havia algo mais em Nina. Naquele dia, lembra Marie, ela e Aija estavam brincando juntas na sala de estar, encenando pequenas cenas com bonecos de brinquedo. 

Então Aija de repente se virou para a mãe e disse: Nina tem números no braço e eles a deixam triste”. 

A mente de Marie disparou. "O que você disse?" ela perguntou à filha, desejando que sua voz permanecesse calma. 

Nina tem números no braço e eles a deixam triste, disse Aija novamente, apontando para a parte interna do antebraço. Em seguida, ela acrescentou: Nina sente falta da família. Nina foi tirada de sua família. 

Não foram apenas as palavras que enviaram uma descarga de adrenalina ao corpo de Marie, ou a maneira como sua filha as pronunciou - de forma clara e segura, com a letra R pronunciada corretamente, o que Aija geralmente não conseguia controlar - mas também havia algo na expressão de Aija naquele momento. 

Quase três anos depois, Marie tenta explicar: Havia apenas -ela faz uma pausa. Havia uma dor tão profunda ali.Parecia além do que uma criança deveria saber: A expressão no rosto dela era muito velha, diz Marie. "Isso faz sentido?" 

Sim, e não acontece, nem mesmo para ela, mesmo agora. O que ela sabe: que sua filha nunca ouviu nada sobre o Holocausto e não poderia reconhecer o significado dos números no antebraço. Marie sabe como essa história pode soar e é extremamente cuidadosa ao compartilhá-la. 

Havia apenas uma dor tão profunda ali. A expressão no rosto dela era muito velha. Isso faz sentido? 

Marie também sabe que não está sozinha - que desde a década de 1960, mais de 2.200 crianças de todo o mundo descreveram lembranças aparentes de uma vida anterior, todas documentadas em um banco de dados mantido pela Divisão de Estudos Perceptivos do Departamento de Psiquiatria e Neuro-comportamento da Faculdade de Ciências Medicina da Universidade da Virgínia. Às vezes, uma criança apresenta informações de identificação suficientes para que familiares ou pesquisadores identifiquem uma pessoa falecida, mas esse nível de especificidade é ilusório; cerca de um terço dos casos na base de dados não inclui tal correspondência. 

O fenômeno, de áurea paranormal, tem sido tema de livros, estudos acadêmicos, reportagens de jornais e documentários dramatizados. Todas essas explorações tendem a orbitar as mesmas questões existenciais: A reencarnação é real? O que acontece depois que morremos? Como isso pode ser explicado? Mas é claro que não há meios científicos para provar conclusivamente ou refutar um mecanismo que possa explicar como uma pessoa pode recordar-se de ter vivido uma vida passada. 

O que faz com que pais como Marie e Ross tenham que navegar por uma experiência inexplicável e muitas vezes isolante. Algo está acontecendo, isso eles sabem, e então eles se deparam com questões diferentes, mas igualmente assustadoras: O que acontece - o que significa, o que você faz - quando, um dia, seu filho lhe diz que se lembra de ser outra pessoa? 

Alguns dos casos mais notáveis ​​começaram com uma criança chorando durante a noite. 

Na Louisiana, em 2000, James Leininger, de 2 anos, acordava gritando, repetindo as mesmas frases para seus perplexos e perturbados pais: Acidente de avião em chamas! O homenzinho não consegue sair! No ano seguinte, uma história se desenrola em memórias e desenhos: ele era um piloto da Segunda Guerra Mundial cujo avião decolou de um barco e morreu quando foi abatido pelas forças japonesas. James ofereceu nomes de pessoas e lugares, e seu relato acabaria se tornando um dos casos do tipo reencarnação” ou CORT mais proeminentes e completamente documentados já registrados. 

Em Oklahoma, em 2009, Ryan Hammons, de 5 anos, ficava acordado à noite e implorava: Posso ir para casa? Posso ver minha mãe? ou O que aconteceu com meus filhos?” Às vezes, ele subia aos prantos na cama da mãe. Certa noite, ele estava deitado ao lado dela, lembra Cyndi Hammons, quando disse que precisava contar uma coisa a ela. Acho que já fui outra pessoa, ele sussurrou. 

Logo depois que Aija contou à mãe sobre os números no antebraço de Nina, Aija também começou a acordar à noite em estado de agitação. Chorando e andando de um lado para outro em seu quarto, ela dizia que tinha medo de olhos observando-a no escuro, ou de bandidosque a levassem embora, ou de nuvens azuladas que viessem para matar todos nós”. 

Nessa altura, diz Marie, já tinha lido mais sobre crianças que parecem recordar vidas passadas e sentiu-se convencida de que Aija experimentava o mesmo fenômeno. Sempre tentei manter a mente aberta, diz Marie. Ross tinha menos certeza, mas concordou que o que quer que estivesse acontecendo parecia extraordinário. 

Nos momentos em que Aija parecia assustada ou inconsolável, seus pais aprenderam que o que mais ajudava era simplesmente ficar por perto. Eles a seguravam ou sentavam calmamente no chão e a lembravam de que ela estava segura. Eu não sabia o que fazer a não ser amá-la”, diz Marie. Aija, que era uma criança destemida e feliz, às vezes parecia compartilhar sua perplexidade. Certa noite, enquanto Marie tentava acalmar a filha, Aija fez uma pergunta que sua mãe não conseguiu responder: Por que tenho essas imagens ruins no coração? 

Marie acabou compartilhando essas histórias com alguns amigos de confiança de seu programa de pós-graduação em psicologia. Eles disseram: Isso não é normal para uma criança de 2 anos’”, diz ela. 

Para muitos dos pais que se encontram nesta circunstância surreal, chega um momento em que percebem que não é uma fase passageira. Não é o tipo de assunto que eles possam pesquisar em livros para pais ou trazer casualmente aos colegas no parquinho. 

Então, eles fazem o que qualquer pai faria quando tem uma pergunta que não sabe como responder: recorrem à Internet. Eles acessam o Google — criança falando sobre vidas passadas? e descubra um resultado de pesquisa que parece surpreendentemente legítimo. Conselhos aos pais de crianças que se lembram espontaneamente de memórias de vidas passadas, diz a manchete da página do site da Faculdade de Medicina da Universidade da Virgínia, e mais abaixo, Entre em contato conosco, e é assim que eles chamam a atenção de Jim Tucker. 

Como diretor da Divisão de Estudos Perceptivos (DOPS) da Universidade da Virgínia nos últimos 10 anos, Tucker trabalhou diretamente com quase 150 famílias, fazendo registros abrangentes das descrições das crianças sobre memórias de vidas passadas. 

Tucker herdou este trabalho de Ian Stevenson, ex-presidente do departamento de psiquiatria da Universidade da Virginia.  

A partir da década de 1960, Stevenson viajou pelo mundo documentando casos do tipo reencarnação, publicando artigos acadêmicos e uma série de livros sobre suas descobertas antes de sua morte em 2007. A reputação de Stevenson - mesmo entre aqueles céticos em relação ao assunto - era a de um sério e cientista escrupuloso, alguém que examinou abertamente os pontos fortes e fracos dos casos que narrou. 

Tucker soube da pesquisa de Stevenson enquanto completava sua residência na U-Va., mas só ficou mais interessado quase uma década depois. Após nove anos de prática privada como psiquiatra infantil, Tucker casou-se com uma psicóloga clínica curiosa sobre reencarnação, telepatia e experiências de quase morte. Isso me abriu um pouco, diz Tucker, e em 1996 ele começou a ajudar Stevenson em um estudo de pessoas que tiveram essas experiências. Desde que ingressou na Faculdade de Medicina em tempo integral em 2000, Tucker focou entre o trabalho como clínico e professor de psiquiatria e ciências neuro-comportamentais. 

As ideias de Stevenson enfrentaram muitas críticas por parte da comunidade científica: alguns sustentam que a consciência é gerada pelo cérebro e, portanto, não pode sobreviver após a sua morte; outros especularam que as crianças que ele documentou poderiam estar recitando memórias falsas, tendo sido involuntariamente empurradas para uma narrativa específica pelos seus pais. 

Tucker compartilha o desejo de Stevenson de que esses críticos se considerassem as evidências dos relatos de casos e que o trabalho do DOPS seja desestigmatizado; mas o objetivo de Tucker é mais pessoal. De muitas maneiras, estou fazendo isso para tentar resolver isso sozinho, diz ele. Em cada caso, apresento-me certamente com uma abertura, mas também, penso eu, com um olhar bastante crítico: qual é o nível de evidência e como poderia ser explicado de outras formas? 

Certos padrões consistentes surgiram: os casos mais pronunciados e convincentes, que Stevenson e Tucker descobriram, ocorreram em crianças entre 2 e 6 anos. Eles podem descrever repentinamente lugares onde nunca estiveram, pessoas que nunca conheceram, às vezes usando palavras ou frases que parecem além de seu vocabulário. Pesadelos ou distúrbios do sono são relatados ocasionalmente. Muitas dessas crianças são altamente verbais e começam a falar mais cedo do que outras. Suas descrições de lembranças de vidas passadas muitas vezes desaparecem completamente quando a criança completa 7 ou 8 anos. 

De muitas maneiras, estou fazendo isso para tentar resolver isso sozinho. Com cada caso, eu entro com certamente uma abertura, mas também, eu mantenho, um senso bastante crítico: Qual é o nível de evidência, e isso poderia ser explicado em outros caminhos?"

Jim Tucker, diretor da Divisão de Percepção na Universidade da Virgínia. 

Essas semelhanças abrangem relatos registrados em todo o mundo. Entre os casos constantes da base de dados DOPS, cerca de 15% são norte-americanos; destes, a esmagadora maioria é de comunidades indígenas. Não há dúvida de que os casos são mais fáceis de encontrar em culturas onde existe uma crença na reencarnação”, diz Tucker. 

A verdadeira prevalência deste fenómeno é difícil de saber, diz Tucker especialmente tendo em conta que muitas famílias podem não o reconhecer, ou podem suprimi-lo ativamente mas o DOPS é contactado por cerca de 120 famílias por ano, a maioria das quais são americanas. Se as recordações de uma criança forem suficientemente detalhadas para potencialmente identificar um determinado indivíduo, o DOPS abre uma investigação e o caso é inserido na base de dados. 

Mas mesmo que uma criança possa oferecer esse nível de especificidade, às vezes os pais não querem saber mais. Essa pode ser a parte frustrante, onde você consegue o que começa como um caso realmente interessante, mas depois os pais não ficam com você”, diz Tucker. 

Outras vezes, os pais podem ficar muito intrigados, o que pode confundir possíveis evidências. Se os pais fizerem perguntas sugestivas, ou se os filhos aprenderem que certas declarações recebem respostas dramáticas ou entusiásticas, pode ser difícil discernir se um filho está apenas tentando agradar aos pais. 

Tucker está convencido de que a grande maioria das famílias que conheceu não está mentindo ou embelezando seus relatos para chamar a atenção. Na verdade, diz ele, muitas vezes o oposto é verdadeiro: muitos pais ficam bastante perturbados com as reivindicações dos seus filhos e não querem partilhá-las publicamente. 

Essa impressão é partilhada por Tom Shroder, antigo editor do Washington Post e autor de Old Souls: Compelling Evidence From Children Who Remember Past Lives, que acompanhou Stevenson enquanto este estudava casos no Líbano e na Índia. Nenhuma das famílias entrevistadas, diz Shroder, parecia ter qualquer motivo pessoal ou material para deturpar o que testemunharam. Eles eram pessoas normais relatando suas experiências, diz ele. E o que eles estavam descrevendo sobre seus filhos, diz ele, “é claramente um comportamento imaginativo não normal”. 

Tovah Klein, importante psicóloga do desenvolvimento infantil e autora que dirige o Barnard College Center for Toddler Development em Nova York, confirma essa percepção. 

Ela explicou que aos 2 ou 3 anos, as crianças envolvem-se em brincadeiras de fantasia, mas não são susceptíveis de fabricar uma declaração envolvendo as suas relações primárias. Em outras palavras: Dizer Você não é minha mãe” ou Eu quero meus outros pais” ou Onde estão meus filhos?” – comum entre esses casos – não é algo que você normalmente esperaria que uma criança muito pequena dissesse, muito menos repetisse insistentemente. Não parece confusão”, diz Klein. Parece uma declaração real. E crianças pequenas simplesmente não inventam esse tipo de coisa. 

O que fazer com isso, então? Ser receptivo a este tipo de mensagem de uma criança requer um grau de abertura que pode parecer desafiador, diz Klein, especialmente na ausência de uma explicação científica clara. 

Sentar-se com o desconhecido, para os humanos, é talvez a coisa mais difícil que temos de fazer, diz ela. Mas devemos isso a uma criança, devemos isso à família, ouvi-la e tentar compreendê-la e apoiá-la, onde quer que esteja, aconteça o que acontecer. 

Em uma manhã ensolarada de sábado, no final de agosto, Tucker estaciona seu carro em uma rua suburbana de Alexandria, Virgínia, em frente à casa de um dos amigos de Marie. Vamos ver o que temos aqui, diz ele enquanto caminhamos até a porta da frente da casa, onde somos recebidos por Marie, seu amigo Shawn e Aija, vestida com uma camiseta do Homem-Aranha, seu cabelo loiro e ralo amarrado em um topete solto. 

Nós entramos e vimos Aija brincar com blocos magnetizados  e comendo biscoitos, enquanto Marie e Tucker examinam a papelada para a pesquisa. Tucker é equilibrado e fala mansa, seu tom calmo e firme quando se inclina para falar com Aija. Eu creio que você está falando sobre Nina, diz ele. 

"Sim!" Aija canta com uma voz doce e cantante. 

O que você pode me dizer sobre Nina?Tucker pergunta. 

"Oh!" Aija diz. "Ela está sendo eu." 

Tucker não entende isso: Ela está sendo má?ele pergunta. 

Aija balança a cabeça. "Ela está sendo eu." 

Tucker assente. Bem, uma coisa que sua mãe mencionou foi que Nina tinha alguns números no braço. Você pode me contar sobre isto?" Diante dessa pergunta, Aija baixa os olhos e fica em silêncio, pressionando seu pequeno corpo contra as almofadas do sofá. Não quer conversar?Tucker diz gentilmente. Ele está bem-acostumado com os desafios de conversar com uma criança pequena e nunca vai além do que lhe parece confortável. Bem, vou conversar um pouco com sua mãe sobre Nina, e então você fala quando quiser, certo?ele diz, e Aija concorda. 

Você se lembra das primeiras coisas que ela dizia sobre Nina?Tucker pergunta a Marie. 

Ela diria que Nina é muito chique, diz Marie. E ela também às vezes era muito teatral. A personalidade dela tem sido muito consistente desde que começamos a ouvir falar de Nina. 

Houve coisas que fizeram você pensar que isso era diferente de um amigo imaginário?Tucker pergunta. 

Durante a hora seguinte, Marie descreve momentos marcantes da história de Aija: como uma vez ela se sentou ao piano e tocou a melodia de Twinkle, Twinkle, Little Stare quando seus pais reagiram com surpresa, ela disse: Nina me ensinou como fazer isso." Como Aija às vezes chorava quando falava de como Nina sentia falta da família. Como Aija certa vez declarou dramaticamente aos pais: Senhoras e senhores, bem-vindos ao fim do mundo!e fez uma reverência. 

“É um pouco perturbador ouvir isso de uma criança de 2 anos, especialmente no meio de uma pandemia, diz Marie com uma leve risada. 

Tucker concorda. Você meio que se pergunta onde ela pegou essa expressão. 

Ao longo da conversa, Tucker é minucioso e atencioso, registrando cuidadosamente cada detalhe que Marie compartilha. Nos momentos em que Marie ou Shawn ficam animados com algo que Aija disse a certa altura, eles se perguntam se a reação de Aija à capa de um livro escrito por um sobrevivente do Holocausto pode ser um sinal de alguma conexão com o autor Tucker permanece impassível e pragmático. 

Nem sempre é claro como devemos juntar as peças”, diz ele. Ele entende o impulso de identificar uma pessoa específica que Aija possa estar lembrando, mas na maioria das vezes, certamente nos casos americanos, não somos capazes de identificar uma pessoa em particular, diz ele. Presumivelmente havia muitos Ninas em campos de concentração. 

Perto do final da entrevista, a discussão se volta para como foi a experiência para Aija e sua família. Marie fala sobre como eles não motivaram nem desencorajaram Aija a falar sobre Nina, respondendo em vez disso com uma abertura neutra. Tucker acena com aprovação. 

A boa notícia é que essas coisas quase sempre desaparecem e muitas vezes desaparecem, e esperamos que nos próximos um ou dois anos você ouça cada vez menos sobre Nina, diz Tucker. Quanto mais Aija se envolver totalmente nesta vida, diz ele, mais Nina irá retroceder: Muitas vezes a escola os ajuda a fazer isso”. 

Mais tarde, quando ligo para Tucker para perguntar o que ele achava da história de Aija, ele diz que achou o relato da família convincente, mas não havia detalhes específicos suficientes para continuar a investigação. Basicamente, torna-se mais um caso americano não verificado, diz ele. 

Mas mesmo que Tucker não tenha conseguido orientar a família de Aija em direção a uma resolução clara, parece que ele forneceu algo talvez ainda mais significativo. Senti muita validação”, Marie me conta. Tenho tido esse sentimento, tipo, Isso é tão profundo; mais alguém está vendo isso? 'E eu senti como se finalmente fôssemos vistos.

Isso a fez pensar que, em algum momento, ela poderia procurar outro pai que já tivesse passado por isso antes, alguém que pudesse lhe contar como tudo aconteceu. Eu adoraria esse apoio, diz ela. para conversar com esses pais, tipo o que eles fizeram? Como eles se sentem? 

Ao longo dos últimos doze anos, Cyndi Hammons tornou-se especialista em receber as mensagens que aparecem na sua caixa de entrada do Facebook, enviadas por pais sobrecarregados que não sabem o que fazer com crianças que parecem lembrar-se de uma vida passada.

Qualquer pessoa que esteja lutando contra isso, eu digo: Vocês vão superar isso’”, diz ela. Principalmente, ela apenas tenta ouvir e oferecer compreensão. Não sei se ajudei alguém, mas sei como é. Eu sei como é o medo, como é o julgamento, e é pesado, diz ela. E a maioria dos casos não é resolvido. O problema de Ryan foi resolvido. Então tive muita sorte.

No começo não pareceu sorte, quando Ryan acordava chorando à noite e descrevia coisas que sua mãe não conseguia entender: que ele se lembrava de morar em Hollywood, em uma grande casa branca com piscina. Que ele já teve três filhos e uma irmã mais nova. Que ele dirigia um carro verde e sua esposa um preto.

Era como viver com alguém que tinha Alzheimer, misturado com luto, diz Cyndi. Mas esse alguém era seu filho pequeno, e tudo o que ela queria era que ele se sentisse seguro e feliz.

Cyndi não contou a ninguém no início, nem mesmo ao marido, pai de Ryan. Kevin Hammons era filho de um ministro da Igreja de Cristo, um policial de sua pequena cidade em Oklahoma, e Cyndi sabia o que ele pensaria. Durante meses, permaneceu um segredo entre mãe e filho. Ela trouxe para casa livros da biblioteca sobre Hollywood na década de 1940 para que Ryan pudesse folhear as páginas. Quando ele quis colecionar óculos de sol em vez de Hot Wheels, ou procurar jaquetas nas vitrines, ou ouvir Bing Crosby, foi isso que fizemos, diz Cyndi. 

Mas os terrores noturnos e as lembranças de Ryan não pararam e, eventualmente, Cyndi contou a Kevin o que estava acontecendo. Ele inicialmente não aceitou a possibilidade de reencarnação, diz ela, mas como detetive, disse-lhe para anotar tudo o que Ryan dissesse. Pouco tempo depois, Ryan viu um homem que reconheceu num dos livros da sua biblioteca, uma figura periférica numa fotografia onde apareciam seis homens: Sou eu!ele disse à mãe.

Cyndi escreveu para Tucker e, em abril de 2010, com a ajuda de uma equipe de produção da série A&E The Unexplained, eles conseguiram identificar o homem como Marty Martyn, um figurante de cinema e agente de talentos que morreu em 1964.

Com Tucker e a equipe de televisão, Cyndi e Ryan viajaram para a Califórnia para conhecer a filha de Martyn, Marisa Martyn Rosenblatt, que tinha 8 anos quando seu pai morreu. Ela estava cética - mas acabou confirmando muitas das declarações de Ryan sobre Marty Martyn, incluindo algumas que ela não sabia que estavam corretas. Ela não sabia que seu pai dirigia um carro verde ou que tinha uma irmã mais nova, mas descobriu-se que ambas as afirmações eram corretas. A certidão de óbito de Marty Martyn citava sua idade como 59, mas Ryan insistiu que ele morreu aos 61; Tucker encontrou registros de censo e listas de casamento que confirmaram isso, assim como a filha de Martyn. 

Quando o episódio de The Unexplainedfoi ao ar em 2011, catapultou a família Hammons para uma posição diferente, onde seus nomes estavam nas manchetes dos jornais e todos em sua cidade conheciam a história de Ryan. 

Kevin e eu tínhamos empregos profissionais. Fui vice-secretário do condado por 14 anos, diz Cyndi. “Éramos conhecidos em nossa comunidade.Mas isso não impediu as pessoas de contarem a ela o que pensavam: Seu filho precisa encontrar Jesus. Você é um péssimo pai. Você está fazendo isso por dinheiro?

As pessoas realmente não entendem isso, a menos que tenham vivido isso, diz ela. Tudo girou em torno da proteção de Ryan. Eu não me importava com o que alguém pensava de mim – não importava. Eu sabia a verdade e simplesmente sabia que Ryan tinha que ficar bem.

Ryan está no primeiro ano da faculdade agora. Ele não se lembra mais de ser Marty Martyn, e essa não é uma história que ele conta quando conhece pessoas. Ele ainda não tem certeza de como rotular o que viveu: Estou aberto a tudo, diz ele, mas não posso dizer com certeza que a reencarnação é real. Ele diz que está em paz com o desconhecido, focado agora no futuro.

Mas ele sabe que sua mãe ainda busca respostas sobre o que eles viveram. O tempo fez de Cyndi a única guardiã dessas memórias: o pai de Ryan morreu há dois anos e as lembranças de Ryan desapareceram. Não é realmente a minha história”, diz ele. “É mais ou menos a história dela agora. 

Algumas semanas depois de Marie e Aija se encontrarem com Tucker na Virgínia, Aija começa a frequentar a pré-escola e como Tucker previu, a presença de Nina começa a diminuir. Aija está encantada com sua nova escola e com os amigos que faz lá.

rios meses depois, em uma manhã fria de domingo de fevereiro, Aija gira e dança ao som de uma playlist de músicas favoritas na iluminada sala de estar da casa de sua avó em Michigan. Seus pais estão sentados próximos, descrevendo uma transição que, para eles, parece o início de um fim. Há apenas alguns meses, dizem, Aija falava como Nina, ou sobre Nina, quase todos os dias; agora, vários dias podem se passar sem qualquer referência a ela. Até agora, Nina nunca foi mencionada na escola, pelo menos que eles saibam. Aija completou 5 anos em dezembro, e Tucker disse a Marie que as lembranças de vidas passadas muitas vezes começam a desaparecer por volta dessa idade.

Como família, eles têm refletido sobre sua experiência recentemente. Marie tem certeza de que Nina é uma espécie de entidade distinta, que Aija carrega memórias que não são suas. A mãe de Ross que Ross descreve como mais conservadora” – está convencida de que Nina é apenas uma amiga imaginária, como aquelas que Ross costumava invocar quando era pequeno. Ross diz que entende o impulso humano de nomear algo tão misterioso, mas não compartilha dessa necessidade. O mistério posso observá-lo, mas não preciso defini-lo, diz ele.

Meses se passaram desde que Aija descreveu as imagens assustadoras que outrora definiram seus terrores noturnos, e Marie diz que ficaria profundamente aliviada se esses episódios nunca mais voltassem. Você nunca quer ver seu filho sofrer, diz ela. Espero que ela nunca mais tenha sonhos com essa intensidade.

No entanto, Nina também tem sido uma fonte de alegria para Aija uma espécie de companheira, cuja presença infundiu momentos de sua primeira infância com um encanto gentil e delicado. Isso também está começando a diminuir, o que parece mais comovente para Marie: existe uma espécie de nostalgia”.

Ross acena em compreensão. Mas ele se sente mais em paz com o declínio da influência de Nina, diz ele; parece refletir muito da paternidade, do movimento constante de uma paisagem desconhecida para outra. O desaparecimento disso parece parte da progressão natural, diz ele.

Como família, eles aprenderam a permanecer abertos para o que quer que aconteça.

Marie levanta o telefone para selecionar uma nova música para tocar e Aija levanta os braços para a próxima dança. Ela olha para os pais e sorri. "Você está pronto?" ela pergunta.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Gente de OpiniãoSexta-feira, 21 de junho de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Realidade climática: excessivo calor e seca castigam a insanidade humana

Realidade climática: excessivo calor e seca castigam a insanidade humana

Situação de calor extremo na Índia serve de alerta para o aquecimento e a seca que se aproxima com o verão amazônico, enquanto as queimadas acontece

No reino da simplicidade habitam a sofisticação e a decência

No reino da simplicidade habitam a sofisticação e a decência

O imperativo da higiene física e mental, sobre a ostentação da VAIDADE risívelA vaidade é vista como um desvio fútil de conduta da alma, que se revel

Gente de Opinião Sexta-feira, 21 de junho de 2024 | Porto Velho (RO)