Porto Velho (RO) terça-feira, 13 de novembro de 2018
×
Gente de Opinião

Política

XI Congresso do SINTERO aprova Plano de Lutas


A falta de política do governo estadual para a educação e de valorização profissional dos trabalhadores em educação foi o principal alvo das críticas de professores, técnicos e funcionários de escolas que participaram do XI Congresso da categoria realizado de 04 a 06 deste mês, em Ariquemes. No final do congresso foi aprovado um plano de lutas que deverá nortear as atividades e as mobilizações do SINTERO. As mobilizações começam a ser detalhadas a partir desta semana e terão como foco a unificação do Plano de Carreira.De acordo com a presidente do SINTERO, Claudir Mata, o governo do estado não vem demonstrando interesse pela valorização dos trabalhadores em educação, visto que está de posse do projeto de unificação do Plano desde maio e não encaminhou à Assembléia Legislativa para aprovação. Ela disse estranhar que o chefe da Casa Civil, o Procurador Geral do Estado e o Secretário de Estado da Educação tenham solicitado mais tempo para “discutir” o Plano, pois o projeto foi elaborado pelo próprio governo e já foi discutido pela SEDUC com os trabalhadores em educação e com as Representações de Ensino. “Não há mais o que discutir. Só queremos saber se o governo vai enviar o projeto à ALE ou não. Pelo visto esse governo não demonstrou vontade política para melhorar o ensino público no Estado”, disse Claudir.Uma das atividades que poderá ser desenvolvida dentro das mobilizações é uma espécie de retrospectiva a respeito do que o governo do Estado deixou de fazer pela educação e pela valorização dos educadores. “Durante todo a gestão do atual governo do Estado os trabalhadores em educação só têm amargado descasos. O que esse governo ainda pode fazer pela educação é encaminhar o projeto do Plano de Carreira à ALE”, disse a presidente do SINTERO. “A paciência dos trabalhadores em educação já passou do limite. Já demonstramos de todas as formas a nossa vontade de dialogar, de buscar o entendimento, mas o governo só demonstrou a vontade de protelar, de adiar, de tentar enrolar a nossa categoria”.A direção do SINTERO tem alertado à categoria a respeito do argumento usado pelo governo de que não enviou o projeto à ALE devido ao período eleitoral. Esse argumento não procede, visto que a Lei Eleitoral não proíbe a alteração de Planos de Carreira nem o realinhamento de tabelas. “É falta de vontade política mesmo. É falta de compromisso com a educação”.O Plano de Lutas do SINTERO aprovado no XI Congresso é composto de 65 itens divididos em lutas específicas e lutas gerais, que serão desenvolvidas ao longo de dois anos.Veja a íntegra do Plano de LutasA luta é a principal marca do SINTERO, Planejar, discutir e deliberar acerca das estratégias de luta dos trabalhadores em educação torna-se imprescindível diante da responsabilidade da entidade sindical de buscar valorização profissional e ensino público de qualidade, tendo, para isso, que enfrentar a falta de planejamento e de políticas públicas para a educação.Lutas Gerais1- Tomar posição e fazer a disputa do projeto de sociedade que interesse aos trabalhadores, de modo a atingir as comunidades escolares. 2- Combater a implantação da ALCA. 3- Manter a solidariedade e estar presente em todas as lutas convocadas pela CUT-RO e pela CUT Nacional. 4- Participar dos fóruns de governo, em especial dos da educação, com vistas a propor e disputar projetos de interesse da categoria e da classe trabalhadora. 5- Atuar no processo de reformas propostas pelos governos, mobilizando a categoria e em parceria com outros trabalhadores, a fim de impedir perdas de direitos conquistados. 6- Participar de eventos, seminários, palestras, encontros, etc. relacionados com a educação, promovida por outras entidades. 7- Participar de todas as jornadas de lutas promovidas pela CNTE. 8- Lutar contras as reformas do Governo Federal que possam vir a retirar direitos dos trabalhadores e trabalhadoras. 9- Continuar lutando por autonomia e liberdade sindical, contra qualquer política anti-sindical que impeça o legitimo direito de greve dos servidores e servidoras públicos por meio de multas, ameaças de demissão e interditos proibitivos. 10- Combater o desemprego, a concentração de renda, a exclusão social e a pobreza. 11- Promover e participar de campanha de combate às drogas, principalmente no que se refere ao trafico praticado nas escolas e exigir do governo a colocação de patrulhamento ostensivo. 12- Que a sucumbência, ou seja, custas do processo judicial 2039∕89 ganho pelo SINTERO que tramita na justiça, fique para o sindicato, para que seja aplicado de acordo com o planejamento da Entidade. 13- Repudiar e condenar a ação guerreira imperialista dos E.U.A e Israel contra o povo palestino e libanês, contra política neo-liberal e defender uma sociedade democrática e igualitária. 14- Denunciar a impunidade, a corrupção e a violência e o despotismo. 15- Promover e participar de campanhas de combate a exploração do trabalho infantil e escravo. 16- Realizar e participar de campanhas de combate à violência contra a mulher, qualquer espécie de racismo e preconceito bem como a exploração sexual de crianças e adolescentes. 17- Conhecer a cultura e apoiar as reivindicações dos povos indígenas. 18- Participar e desenvolver ações de erradicação do analfabetismo. 19- Trabalhar ações que garantam as crianças e jovens o acesso amplo e irrestrito ao conhecimento, a cultura e ao lazer. 20- Defender os(as) trabalhadores(as) portadores(as) do vírus HIV e difundir praticas de prevenção. 21- Discutir as DSTs e AIDS de forma interdisciplinar com profissionais devidamente qualificados. 22- Lutar e defender a aprovação e implantação do Fundo de Manutenção da Educação Básica – FUNDEB que atenda as necessidades dos trabalhadores em educação. 23- Apoiar e participar ativamente na implantação do Ensino Profissionalizante e Tecnológico conforme proposta do Ministério da Educação discutida em todos os Estados da Federação e concluída em Brasília no próximo mês de novembro. 24- Lutar pela garantia de uma escola publica gratuita, laica, de qualidade e para todos. 25- Lutar pela permanência dos direitos já existentes dos(as) aposentados(as), bem como fazer cumprir o artigo 237 da Lei Complementar n. 68∕92.Lutas Especificas dos Trabalhadores em Educação no Estado de Rondônia1- Continuar lutando pela implantação dos Planos Estaduais e Municipais de Educação. 2- Continuar lutando pela implantação ou unificação dos Planos de Carreira Cargos e Salários no Estado e em todos os Municípios onde ainda não tenha ocorrido. 3- Desenvolver e implementar estratégias de luta que garantam o envio da proposta do Plano de Carreira Unificado a Assembléia Legislativa bem como sua aprovação e sancionamento. 4- Desenvolver estratégias de luta visando a reposição salarial anual dos(as trabalhadores(as) em educação federais, estaduais e municipais. 5- Desenvolver campanhas de mobilização no intuito do retorno do auxilio saúde para os aposentados, bem como a implantação nos municípios onde não haja assistência medica aos trabalhadores(as) em educação pelas Prefeituras. 6- Cobrar dos governos do Estado, Federal e Municipal mais eficiência e rapidez na tramitação dos processos administrativos, como licença-prêmio, aposentadoria, elevação de nível, etc... 7- Desenvolver lutas para que o financiamento dos cursos de graduação sejam assumidos integralmente pelo governo do Estado para os servidores federais e estaduais, e pelas Prefeituras para os servidores municipais. 8- Lutar por um auxilio mensal de, no mínimo, R$ 70,00 (setenta reais) para todos os trabalhadores em educação que fazem pós-graduação. 9- Promover campanhas para a implantação do auxilio alimentação no Estado e nos Municípios que já possuem o beneficio para alguns servidores, que se estenda também para todos os trabalhadores(as) em educação 10- Lutar para garantir a manutenção do horário corrido para todos os funcionários de escola quer sejam federais, estaduais ou municipais. 11- Desenvolver diversas ações que garantam a implantação da Gestão Democrática nas escolas da rede publica estadual e nas redes municipais com a participação efetiva da comunidade escolar (funcionários e alunos) e comunidade externa (pais). 12- Promover ações políticas que garantam a profissionalização dos funcionários de escolas estaduais, municipais e federais, garantindo parcerias com o Governo Federal no que se refere a convênios para capacitação. 13- Lutar pelo aumento do percentual constitucional destinado a educação, dos atuais 25% para 35% da receita do Estado e dos Municípios. 14- Desenvolver ações para criação de um conselho paritario destinado à fiscalização da aplicação das verbas da Educação Básica no estado e Municípios 15- Cobrar do governo estadual, das Prefeituras e das direções das escolas transparência com documentos comprobatórios e planos de aplicação das verbas da educação, mediante convocação pelo respectivo conselho de assembléias publicas em local e horários determinados. 16- Lutar para garantir a lotação e atuação do profissional no cargo e função de sua área de habilitação profissional. 17- Lutar contra a superlotação das salas de aula garantindo o cumprimento da resolução 168 de 2002 do Conselho Estadual de Educação-CEE que estabelece o numero maximo de alunos por sala. 18- Criar e desenvolver ações no sentido da garantia do acesso e permanência dos alunos nas escolas das redes publica de ensino. 19- Lutar pela instalação de creches próximas ao local de trabalho para os filhos dos(as) trabalhadores(as) em educação federais, estaduais e municipais. 20- Lutar para lotação dos trabalhadores em educação em uma só escola e o mais próximo de sua residência. 21- Criar e desenvolver ações no sentido de articular a mobilização e participação dos aposentados(as) no sentido da garantia de manutenção dos seus direitos. 22- Cobrar do governo do Estado e das Prefeituras Municipais, condições de trabalho nas unidades escolares como forma de avançar na melhoria da qualidade de ensino. 23- Agilizar ações jurídicas e políticas para os servidores federais de apoio, técnicos, administrativos, aposentados e redistribuídos, e ainda, alguns professores no sentido de concluir o seu enquadramento na Lei 7.596 de 1987. 24- Buscar junto aos órgãos competentes a atualização das progressões funcionais dos servidores federais e municipais. 25- Cobrar maior rapidez e eficiência nos processos administrativos dos servidores federais e lutar por um plano de carreira para os servidores(a) federais e pela agilização e defesa dos processos dos mesmos. 26- Lutar pelo fim do trabalho gratuito por qualquer motivo aos sábados. 27- Exigir do governo estadual e dos prefeitos o pagamento de insalubridade para zeladoras, merendeiras e vigias. 28- Exigir do governo estadual e dos prefeitos o pagamento de adicional noturno e horas extras para vigias noturnos e todos os trabalhadores em educação que atuam a noite, de acordo com a lei. 29- Desenvolver ações de combate à terceirização na educação. 30- Exigir do governo estadual que o pagamento do terço de férias seja efetuado no mês anterior ao gozo das férias. 31- Planejar e executar ações políticas de combate a municipalização do ensino. 32- Denunciar a compra de vagas nas escolas particulares pelos governos estaduais e municipais 33- Promover ações junto às unidades escolares visando a discussão e aprovação do calendário escolar de forma democrática com a comunidade escolar. 34- Combater a privatização da educação básica, principalmente a educação infantil. 35- Lutar contra programas que desvalorizem os profissionais da educação, como Amigos da Escola. 36- Defender a Previdência Publica, solidária, universal e com a manutenção dos direitos. 37- Desenvolver estratégias de lutas para garantir a manutenção da aposentadoria especial e integral da educação básica. 38- Retirada imediata e urgente das pessoas que foram colocadas na folha do FUNDEF pelo atual governo para justificar a falta de dinheiro para o pagamento dos funcionários. 39- Realizar o Congresso Estatutário para atualizar a estrutura do sindicato, 40- Implementar através da secretaria de políticas sociais e demais secretarias, ações que resultem no combate a toda forma de descriminação e opressão.Fonte: Adércio Dias – Reg. 418 DRT/RO

Mais Sobre Política

Técnicos poderão ser aproveitados no futuro governo do coronel Marcos Rocha

Técnicos poderão ser aproveitados no futuro governo do coronel Marcos Rocha

Essa possibilidade não foi descartada pelo governador eleito

Eleita nova Diretoria do Sindafisco para o biênio de 2019/2020

Eleita nova Diretoria do Sindafisco para o biênio de 2019/2020

Pela primeira vez o processo foi realizado on-line, garantindo assim total segurança e agilidade, tanto no processo eleitoral.

Mariana Carvalho recebe demandas de Porto Velho

Mariana Carvalho recebe demandas de Porto Velho

A deputada federal Mariana Carvalho (PSDB – RO) recebeu em seu gabinete os vereadores de Porto Velho Márcio Miranda e Márcio Pacele, além do deputad

Comissão aprova redefinição dos limites de duas reservas extrativistas em Rondônia

Comissão aprova redefinição dos limites de duas reservas extrativistas em Rondônia

Projeto reduz limites de uma reserva extrativista e amplia a área de outraA Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia a