Porto Velho (RO) segunda-feira, 25 de junho de 2018
×
Gente de Opinião

Política

STJ NEGA LIMINAR A FAMILIARES DE CARLÃO


O ministro Paulo Gallotti, da Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), indeferiu o pedido de liminar feito pela defesa de Márcia Luiza Scheffer de Oliveira, Hingrid Jubilhana Siqueira Moro de Oliveira e Lizandreia Ribeiro de Oliveira. Elas são, respectivamente, esposa, cunhada e irmã do presidente da Assembléia Legislativa do Estado de Rondônia, José Carlos de Oliveira, o Carlão, e estão presas sob acusação de suposta prática de crimes de quadrilha, peculato e lavagem de dinheiro diante dos fatos apurados pela Polícia Federal durante a Operação Dominó. O ministro deve apreciar pedido para que reconsidere sua decisão.

A prisão das familiares de Carlão foi decretada pelo Tribunal de Justiça de Rondônia que, nos autos do Inquérito nº 200.000.2005.005826-6, acolheu representação da Polícia Federal. Os fatos considerados delituosos se referem à denominada Operação Dominó realizada pela Polícia Federal com o fim de investigar o envolvimento de autoridades do Estado de Rondônia em um esquema de desvio de dinheiro público, resultando na instauração de vários inquéritos, sendo um deles remetido ao STJ , transformado em ação penal e sob a relatoria da ministra Eliana Calmon.

No habeas-corpus, a defesa das acusadas argumenta faltar fundamentação ao decreto de prisão preventiva, bem como ser desnecessária a prisão diante do fato de não estarem presentes os requisitos legais. Os advogados ressaltam que elas "teriam supostamente tentado proteger maridos e parentes, sem participação direta nos fatos, ou pelo menos de fundamental importância que justificasse a segregação cautelar." Ainda segundo a defesa, os indícios de autoria e materialidade, bem como a gravidade da acusação, não são suficientes para justificar a adoção da medida.

Ao decidir, o ministro Paulo Gallotti, relator da ação, destaca que a liminar em habeas-corpus não tem previsão na legislação, "sendo criação da jurisprudência para casos em que a urgência, necessidade e relevância da medida se mostrem evidenciadas de forma indiscutível na própria impetração e nos elementos de prova que a acompanham". Em seu entender, "a complexidade dos fatos relatados no decreto de prisão preventiva não autoriza o reconhecimento, desde logo, do alegado constrangimento ilegal, demandando sua verificação um exame mais detalhado das provas já apuradas até agora". Assim, indeferiu o pedido de liminar.

O relator pediu informações ao relator do processo que corre no TJ, com cópias de suas principais peças e esclarecendo-se, ainda, em que situação se encontra atualmente, e se já houve o oferecimento de denúncia. Após a chegada dessas informações, o processo segue para o Ministério Público Federal, para a emissão de parecer. Somente a partir daí o ministro aprecia o mérito do pedido, levando à apreciação dos demais ministros da Sexta Turma.


 

Fonte:  Regina Célia Amaral - STJ

Mais Sobre Política

Geraldo da Rondônia indica posto policial para distritos de Campo Novo

Geraldo da Rondônia indica posto policial para distritos de Campo Novo

Deputado Geraldo da Rondônia indica posto policial para distritos de Campo Novo de Rondônia

Curso de atendimento ao público para servidores do Município

Curso de atendimento ao público para servidores do Município

Curso de atendimento ao público para servidores do Município

Lions Clube de Ariquemes Centro empossa nova Diretoria

Lions Clube de Ariquemes Centro empossa nova Diretoria

Foi realizada na noite desta quinta-feira (21) a solenidade de encerramento de mandato da Diretoria do Ano Leonístico 2017/2018, e posse da nova Diret

Ulbra Porto Velho e TJ/RO firmam parceria para implantar ponto de coleta

Ulbra Porto Velho e TJ/RO firmam parceria para implantar ponto de coleta

As embalagens tetra pak são tratadas e viram mantas térmicas que melhoram a qualidade de vida de famílias carentes.