Porto Velho (RO) quarta-feira, 23 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política

Senadora Fátima homenageia japoneses que estão há 54 anos em Rondônia



Em função das comemorações dos 100 anos da imigração japonesa ao Brasil, a senadora Fátima Cleide (PT-RO) prestou homenagem a comunidade japonesa rondoniense que completa no próximo mês 54 anos de sua chegada a Porto Velho. A homenagem foi encaminhada à Associação 13 de Setembro, na pessoa do presidente Heishiro Kuriyama, que esteve em Brasília representando Rondônia durante as comemorações prestadas aos japoneses brasileiros.

Kuriyama, que nunca esteve em Brasília, foi um dos cinco representes da região Norte. “Toda a comunidade japonesa ficou muito contente com as homenagens. Fomos homenageados no congresso, na embaixada Japonesa e no Palácio do Planalto participamos de uma solenidade com o presidente Lula. Ficamos muito satisfeitos com esta homenagem”, disse Heishiro Kuriyama que também se impressionou com as ruas largas da Capital.

IMIGRAÇÃO JAPONESA EM RONDÔNIA

Saída de Tóquio em 1954 - Os japoneses (412 pessoas – 67 famílias) que foram à Amazônia no navio África Maru chegaram em Belém no dia 7 de julho de 1954. A viagem de Tóquio ao Brasil durou 40 dias. Depois levaram mais duas semanas da capital paraense até o Território Guaporé, hoje Porto Velho, como conta um dos imigrantes, Osamu Kuriyama, 62 anos.

Em alto mar, o momento mais difícil da viagem, disse Osamu Kuriyama, que na época tinha 8 anos, foi quando o motor parou de funcionar e o navio ficou a deriva no Pacífico por um dia. Outra ocasião desconfortável, segundo Kuriyama, foi quando o navio chegou no Estados Unidos, em Los Angeles. “Ficamos dois dias a bordo proibidos de desembarcar”, lembrou.

Osamu Kuriyama disse que sua família resolveu sair de Tóquio depois que seu irmão mais velho viu uma notícia no jornal. Na época o governo estava recrutando pessoas para ir à Amazônia e o rapaz resolver chamar o pai. “Papai disse tudo bem”, falou Osamu Kuriyama. A família vendeu a casa e a maioria dos pertences e seguiu para o desconhecido Território do Guaporé.

Até 1972 a família Kuriyama trabalhou com o plantio e extração de borracha. Depois que o seringal incendiou deixaram a atividade. Então Osamu Kuriyama montou uma oficina de bicicleta, foi evoluindo, começou a trabalhar com motocicletas e hoje concerta carros. “Há 20 anos estou nessa profissão”, disse.

Hoje, a maior preocupação de Osamu Kuriyama em Rondônia é a violência. “Os bandidos não estão respeitando ninguém, estão assaltando rico e até pessoas humilde. “Minha filha foi roubada dentro de casa. Colocaram uma arma na cabeça dela e levaram dinheiro e pertences. Depois ainda fugiram com o carro. Meus netos também já foram roubados. A violência está grande em Rondônia”, comentou Osamu Kuriyama.

Fonte: Henrique Teixeira

Mais Sobre Política

Comissão de Educação da ALE discute tabela do piso do magistério com secretário da Seduc

Comissão de Educação da ALE discute tabela do piso do magistério com secretário da Seduc

A Comissão de Educação e Cultura (CEC), da Assembleia Legislativa, se reuniu na manhã desta quarta-feira (23), para deliberar projetos e também disc

Polícia Federal deflagrou a Operação Grand Bazaar, que  investiga fraude em fundos de pensão

Polícia Federal deflagrou a Operação Grand Bazaar, que investiga fraude em fundos de pensão

Por determinação do Supremo Tribunal Federal, a Polícia Federal (PF) deflagrou hoje (21) a Operação Grand Bazaar, visando desarticular um “esquema cri

Ministério Público realiza reunião sobre os bairros Conceição e Flamboyant após intervenção de Cristiane Lopes

Ministério Público realiza reunião sobre os bairros Conceição e Flamboyant após intervenção de Cristiane Lopes

Após a vereadora Cristiane Lopes (PP) ir até o Ministério Público Estadual (MP/RO), para relatar os problemas das obras de pavimentação dos bairros Fl

Mariana Carvalho apresenta declaração sobre cobertura universal de saúde em assembleia da União Interparlamentar

Mariana Carvalho apresenta declaração sobre cobertura universal de saúde em assembleia da União Interparlamentar

Mais de 1700 parlamentares e parceiros da ONU e da sociedade civil de todo o mundo estão reunidos em Belgrado, na Sérvia, onde acontece a 141ª Assembl