Porto Velho (RO) sábado, 7 de dezembro de 2019
×
Gente de Opinião

Política

Renegociação e alongamento das dívidas rurais é anunciada por Moreira Mendes


O endividamento rural, um dos maiores problemas enfrentados atualmente pelos produtores brasileiros - sobretudo aqueles que atuam na agricultura e na pecuária - pode estar com os dias contados. É que a Comissão de Agricultura, Pecuária e Abastecimento da Câmara dos Deputados apresentou esta semana um anteprojeto de lei que permite a renegociação e o alongamento das dívidas rurais. A proposta abrange todas as linhas de crédito disponíveis no País (FNE, FNO, FAT, Pronaf, Funcafé, Proger, etc.) e vai beneficiar assentados da reforma agrária, agricultures familiares, pequenos, médios e até grandes produtores. Segundo o deputado federal Moreira Mendes (PPS-RO), membro da Comissão, a medida é inédita e a mais abrangente já apresentada até agora, e pode resolver definitivamente o problema da agricultura e da pecuária.

Moreira Mendes revela que a proposta é bastante inovadora, pois, além de possibilitar a renegociação das dívidas para todas as linhas de crédito, ainda institui os chamados bônus de adimplência, como forma de premiar os bons pagadores. Esses bônus podem chegar a até 45% do valor da parcela. "Pela primeira vez, a Comissão de Agricultura apresenta uma medida para promover uma grande renegociação das dívidas rurais em todos os setores, do mini ao grande produtor", comemora o deputado.

Ainda segundo ele, o anteprojeto vai direto ao plenário para discussão, graças a um amplo entendimento entre os deputados - especialmente aqueles ligados à agricultura e à pecuária - sobre a importância, urgência e relevância da proposta. Moreira Mendes lembra, no entanto, que a medida não visa apenas prorrogar dívidas, mas solucionar a questão do endividamento rural, possibilitando avanços significativos e novos investimentos no campo.

Prazos

Pela proposta, o prazo para renegociação ou alongamento das dívidas é de, no mínimo, 10 e, no máximo, 20 anos, podendo chegar a até 30 anos, dependendo do caso. Os juros não poderão ultrapassar os 3% ao ano. Da mesma forma, o valor de cada parcela não poderá exceder a 1,5% do faturamento do produtor, quando se tratar de assentado da reforma agrária e agricultor familiar, e 3%, para os demais casos. "Essa proposta vai simplificar a maneira dos bancos agirem, e impedi-los de usarem de artifícios para forçar o produtor a pagar conta que ele não deve. Os bancos não vão poder impor cobrança de seguro nem taxas. Vai ter de fazer como determina a lei", adverte Moreira Mendes.

Fonte: Claudivan Santiago

Mais Sobre Política

Sessão Solene marcou a entrega da honraria a 30 homenageados, no Dia da Consciência Negra

Sessão Solene marcou a entrega da honraria a 30 homenageados, no Dia da Consciência Negra

O deputado Lazinho da Fetagro (PT) comandou na tarde desta quarta-feira (20), no auditório da Assembleia Legislativa, Sessão Solene para homenagear

Presidente Laerte Gomes ressalta importância da união entre os poderes para o cumprimento do Teto de Gastos de 2019

Presidente Laerte Gomes ressalta importância da união entre os poderes para o cumprimento do Teto de Gastos de 2019

Na tarde desta segunda-feira (18), o presidente da Assembleia Legislativa, Laerte Gomes (PSDB), participou da reunião com o Colegiado Superior do Es

Adelino Follador parabeniza presidente Bolsonaro por obra na BR-319

Adelino Follador parabeniza presidente Bolsonaro por obra na BR-319

O deputado Adelino Follador (DEM) recebeu com alegria o anúncio feito pelo presidente Jair Bolsonaro (Sem partido), sobre o asfaltamento da BR-319,

Vencedores de concursos recebem premiação durante grande evento na Assembleia

Vencedores de concursos recebem premiação durante grande evento na Assembleia

Ao longo de 36 anos, a promulgação da Constituição Estadual de Rondônia foi lembrada de forma trivial pelos Poderes, mas no ano de 2019 a data de 6