Porto Velho (RO) sexta-feira, 17 de agosto de 2018
×
Gente de Opinião

Política

PF investiga novo esquema de corrupção em Rondônia


(Agência O Globo) A Polícia Federal investiga um novo esquema de corrupção em Rondônia envolvendo a Assembléia Legislativa do estado. Agora, deputados são acusados de pagar dívidas pessoais com dinheiro público. De acordo com a Polícia Federal, só a folha de pagamentos paralela consumiu R$ 15 milhões nos últimos dois anos. Os deputados nomeavam funcionários fantasmas e embolsavam os salários.Para escapar de auditorias, toda a contabilidade era registrada apenas num computador portátil controlado por uma funcionária de confiança da direção da Assembléia. O esquema da Folha paralela foi descoberto no ano passado. Três pessoas foram presas e os deputados continuam sendo investigados.A Polícia Federal descobriu ainda o envolvimento dos deputados num outro golpe: os empréstimos consignados. Usando o cadastro de assessores fantasmas, eles tomam dinheiro emprestado em financeiras. O desconto das parcelas é feito no contracheque do servidor que não existe. Assim, recebem grandes quantias adiantadas , mas quem paga a dívida é a Assembléia.- Muitas vezes, o contracheque era rodado antes mesmo do servidor figurar formalmente no sistema da folha de pagamento - afirmou o delegado Marcelo Rezende.As investigações mostram que uma nova leva de assessores fantasmas voltou a rondar a Assembléia, agora na folha de pagamento oficial. Gravações obtidas pela Policia Federal revelam uma situação absurda: a nomeações de credores, de um cabeleireiro e até de um pai de santo que atendia a mulher de um deputado. Acertos para pagar dívidas particulares com o dinheiro dos imposotos.Carlão de Oliveira, ex-presidente da Assembléia, é apontado como chefe do esquema. Segundo a Polícia Federal, ele, sozinho, manteria ilegalmente mais de 700 funcionários pagos com dinheiro público.Numa conversa gravada com autorização da Justiça, um motorista de Brasília que trabalhou para o deputado Carlão de Oliveira, conta a um amigo em que, para ser contratado, teve que repassar parte a maior parte do salário para o então diretor da Assembléia."Ele chegou pra mim e disse: Dedé, você fica com mil e me passa quatro, ta bom?", diz ele na gravação.Na segunda-feira o STJ decide se aceita ou não o pedido de relaxamento da prisão de nove presos da operação Dominó, que estão em Brasília. São as autoridades que têm foro privilegiado. Os outros 14 presos aguardam decisão da Justiça em Rondônia.

Mais Sobre Política

AROM retira, na Justiça, exigência que paralisa transporte escolar

AROM retira, na Justiça, exigência que paralisa transporte escolar

Em uma atuação inédita do movimento municipalista, a Associação Rondoniense de Municípios – AROM conquistou uma liminar favorável aos 52 municípios do

Dívida do extinto Banco do Estado de Rondônia é prolongada por 240 meses

Dívida do extinto Banco do Estado de Rondônia é prolongada por 240 meses

 Uma nova pactuação entre o governo de Rondônia e a União, tendo como interveniente o Banco do Brasil, foi assinada na tarde desta quarta-feira (15) p

Seminário vai discutir implantação do Patronato Penitenciário em Porto Velho

Seminário vai discutir implantação do Patronato Penitenciário em Porto Velho

O Ministério Público do Estado de Rondônia, por meio do Centro de Apoio Operacional de Políticas Penitenciárias e Execução Penal (CAOP-PPEP), realiza